Regras Australianas de Corrida de Arrancada
avaliação: 0+x

Três Portlands
Augur-Haruspex

O Fim Está Próximo

TRÊS PORTLANDS SEXTA-FEIRA, 13 DE MARÇO, 2020 $3.25/£2.50/₿3.5e-5

REGRAS AUSTRALIANAS DE CORRIDA DE ARRANCADA

AUSTRALIANOS MANDAM NA CORRIDA DE ARRANCADA

Correspondente de Esportes (Não Oficial) Sofia Haugen


ThunderStruck.png

Acontece que os australianos realmente gostam da ACDC. Ou "Akka Dakka", como meu guia local chamou eles.

SYDNEY, NSW — Se os esportes motorizados fossem parceiros sexuais que tive, corridas de arrancada seriam meu namorado do colégio, Glen Robertson, na noite do baile: decepcionante, acabou muito rápido e foi um dos pontos críticos que me empurraram da bissexualidade de milquetoast pro lesbianismo total. Você pode achar que a analogia escapou de mim no final; você estaria errado. Veja, eu cresci em uma cidade pequena de merda no leste de Washington, e a única coisa que uma adolescente podia fazer além de fumar metanfetamina e ficar gravida era assistir os rapazes que gastavam todo o seu tempo e dinheiro consertando carros clássicos de musculação subindo e descendo a Rua Principal. Um desses rapazes não era, na verdade, um rapaz; o nome dela era Kylie, e ela era exatamente a mecânica fumegante que essa frase evoca em sua mente. Eu terminei com o Glen aproximadamente dezoito horas depois que ele arruinou meu corpete com sua ejaculação precoce, e três horas depois que eu me encontrei no banco de trás do carro de Kylie, tendo uma experiência extracorpórea induzida por orgasmo.

Kylie e eu terminamos quando fui pra faculdade—amigavelmente, e ainda nos encontramos de vez em quando quando estou em casa enquanto solteira—mas meu desejo pelo esporte nunca diminuiu. Infelizmente, as corridas de arrancada normais, por mais sexy que sejam os motoristas ou rápidos os carros, ainda não funcionam pra mim. Isso surgiu enquanto meu editor e eu estávamos absolutamente bêbados em um dos bares mais decadentes de Portlands. Estávamos discutindo nossos fetiches mais irritantes entre doses de Artemísia Princesa da Morte Bastardo Sete Suprema, um absinto japonês tão potente que é proibido em todos os estados dos EUA e na maioria das províncias canadenses; meu editor estava prestes a lançar um monólogo de quarenta minutos sobre por que ele encomenda arte fetichista de dragões fodendo caminhões1 quando um ciborgue amigável salvou nossa pontuação coletiva de sanidade nos interrompendo para me informar—com um sotaque absolutamente impenetrável, que podia ser de Glasgow pelo caminho de Reykjavík—que na Austrália, eles fazem corridas de arrancada da mesma forma que fazem futebol: de repente, violentamente e por todo lugar.

Eu fiquei intrigada, é claro, e o pressionei por mais. Ele me falou de uma terra distante do Pacífico, uma terra de billabongs e bunyips e bogans, onde o oceano é quente e a cerveja é mais quente; a casa da primeira e única Associação Australiana de Corrida de Arrancada, uma liga para a qual preocupações mesquinhas como física, sigilo e moralidade eram bagatelas de mentes inferiores. Eu tinha que ir ver isso; qualquer coisa menor seria uma traição não apenas ao Juramento do Jornalista, mas à minha própria eu jovem, experimentando erotognose em um Hyundai modificado. Na manhã seguinte, nem meu editor, nem eu nos lembrávamos de nada disso, é claro, mas pensei com antecedência e gravei a conversa inteira no meu gravador Jornalista Junior J. Jonah Jameson2. Como meu editor deu permissão verbal naquela noite, eu nem precisei perguntar antes de tirar o cartão da empresa de sua carteira (ele havia desmaiado no meu sofá, como de costume) e ir pro PDX para pegar o próximo vôo para Oz3.

Eu pousei em Sydney no segundo dia de uma ressaca de dois dias, depois de passar a primeira metade do vôo de 15 horas ameaçando vomitar em uma série de sacos de enjôo. O jovem casal canadense sentado ao meu lado graciosamente compartilhou um pouco de seu poutine de emergência comigo, um gesto tão atencioso e apreciado que quase me fez reconsiderar meu ódio intenso e irracional pelos quebequenses; mas quando pousamos, eles puxaram rosários de flor-de-lis iguais, e suas orações francesas bastardas para seu falso deus católico me lembraram de sua verdadeira natureza. Amaldiçoei-os com furúnculos enquanto saíamos do avião. (Em espírito apenas, é claro. Se eu acabar na lista de exclusão aérea, quero que seja por algo mais emocionante do que bruxaria não licenciada em uma companhia aérea comercial.)

Brenda.jpg

Brenda. Ela não é uma belezinha?

Eu usei um charme de camaleão atrevido para pular a alfândega, porque eu tinha uma garrafa extra de Artemísia Princesa da Morte Bastardo Sete Suprema escondida na minha bagagem de mão e na Austrália esse negócio é legalmente classificado como uma arma química. Finalmente, saí do aeroporto para o sol brilhante da austrália e encontrei meu contato da AACA4, um cavalheiro que atende pelo nom de sport "Three-Thong". Eu perguntei a ele a origem de seu nome, e ele explicou que ele se referia ao seu equipamento de corrida preferido: "duas calcinhas nos meus pés, uma calcinha no meu pau." Felizmente, quando eu encontrei ele, ele estava usando calças. Bem, um daqueles shorts com fecho de correr com uma das partes de baixo aberta e a outra ainda colocada. Na maior parte, calças. Ele me pegou em um velho "Ute" de lixo—uma espécie de picape/sedan híbrido que acho que não existe em nenhum outro lugar (por um bom motivo, eles são horriveis). A marca e o modelo eram, não estou brincando, o ""Subaru Brumby"; TT a chama de "Brenda". Nós partimos, metal de merda explodindo no sistema de som, indo direto para a pista.

A pista da AACA mais próxima de Sydney é Duas Blackbutts, um espaço extradimensional acessível de Blackbutt, NSW, e Blackbutt, Queensland. Aqueles de vocês que vivem na melhor maldita cidade do mundo podem pensar que isso é um pouco óbvio, talvez uma cópia do mundo-de-cabeça-para-baixo de nosso miniverso anglo-americano favorito; mas nomes sempre tiveram poder, e dimensões como TrêsPorts são mais comuns do que você pensa5. Aparentemente, eles tiveram de desativá-la um pouco por causa de uma infestação de Yowie6, mas eles os eliminaram introduzindo sapos-cururus—o que sempre funcionou muito bem para os australianos e nunca poderia ser um problema no futuro.

Quando chegamos a Blackbutt, estávamos ambos chapados de nossas cabaças. TT tinha um pote inteiro cheio dessas ervas enormes, tão grossas quanto seu dedo médio e quase tão longas quanto, e a gente tem passado elas durante todo o caminho de Sydney. Eu acho que queimamos umas quatro ou cinco delas em uma hora e meia e, claro, mantivemos as janelas fechadas, então havia apenas uma névoa pungente e pegajosa nos envolvendo e cobrindo nossas membranas mucosas com THC toda vez que inalávamos. Não se preocupe, Brenda cuidou da direção, e ela só teve algumas batidas7. De qualquer forma, nós dirigimos até este bosque atrás de um shopping suburbano e desabamos porta afora em uma nuvem de fumaça, e tiramos uma soneca rápida ali na grama, só por uma hora ou duas, até que mais alguns dos companheiros de TT apareceram e era hora de realmente ir para a pista.

Para chegar até Duas Blackbutts, você precisa fazer um anel de galhos de eucalipto ao redor do que quer transportar e, em seguida, colocar fogo nele8. Como o eucalipto queima com muita facilidade, e a Via não se importa se você o embeber primeiro em gasolina, o único limite para o quanto você pode transportar é o tamanho do anel. Quando realmente botamos fogo—tínhamos ido para um estacionamento, não se preocupe—havia cerca de uma dúzia de pessoas e quase o mesmo número de carros agrupados em um anel feito de dois baús cheios de galhos. Eu ainda estava muito chapada, então eu nem percebi quando fizemos a transição—eu acho que estava na Brenda tirando outra soneca, mas não tenho certeza. Quando recuperei a consciência, estávamos na pista, cercados por uma parede impenetrável de árvores.

TwoButts.jpg

Pista de arrancada de Duas Blackbutts. O cara à esquerda é chamado de "Zeffo"; eu realmente espero que isso não seja um insulto.

As primeiras corridas foram, infelizmente, para carros mundanos. Um pouco de um douche divertido, ou o que quer que seja que eles chamam de primeira mordida em restaurantes chiques que eles não permitem que você pegue o prato inteiro, não importa o quão saboroso seja. Eu não estava realmente prestando atenção para eles, em parte—como já mencionei—corridas de arrancada normais simplesmente não servem mais pra mim, e em parte porque o frango à parmegiana do avião se vingou e me forçou a passar uns bons vinte minutos em um banheiro químico, contemplando homicídio. Mas eu sobrevivi ao meu movimento intestinal (assim como todo mundo), e voltei para as arquibancadas bem a tempo para a atração real começar.

Um dos primeiros pilotos a realmente usar magia foi meu garoto Three-Thong. Ele tinha, como prometido, tirado as roupas até ficar só com seu conjunto de chinelos e calcinhas—além de luvas de dirigir e um capacete, por segurança—e agora eu podia ver o motivo de sua quase nudez. Cada polegada, ou centímetro, quadrado, eu acho, de sua pele, exceto seu rosto, estava coberto por algum tipo de tatuagem mágica intrincada. Eu perguntei a ele sobre elas depois. "Sim, bem, consegui elas na Tailândia. Esse monge fará elas de grátis, mas cê tem que jurar, tipo, um voto de desistir de algo. Então, tipo, esse braço inteiro é de Macca. Pelas minhas costas, eu renunciei a cerveja. Então ele fez eu desistir de todas as outras bebidas para fazer a minha, uh, unidade, disse que eu meio que trapaceei apenas com cerveja. Perna esquerda era Warcraft. É como se eu estivesse todo vestido de kevlar, certo? Totalmente impenetrável. Ainda tenho que me preocupar com ferimentos internos e tudo, mas não é como se o equipamento de corrida fosse impedir isso. E, huh, não uso roupas porque não quero estragar minhas calças e essas merdas, né? Calcinhas são baratas." Barra pesada.

Você provavelmente ficará surpreso ao saber que o arrancador do TT é a boa e velha Brenda. Dentro desse ute velho e feio, TT instalou uma turbina Abramelin-Ulam, capaz de converter ressonâncias infernais em energia cinética pura com um grau notável de eficiência. Para ligá-la, TT tem que invocar um demônio no recipiente de contenção no coração do motor. Eu fiz aula de demonologia na escola9, mas os métodos dele eram como nada ensinado nos salões sagrados do Cervo; eles consistiam principalmente em xingar, chutar coisas e, ocasionalmente, cutucar partes do motor com um conjunto de chaves-inglesas de chumbo e prata. Eventualmente o motor foi subjugado para a satisfação de TT, e ele tacou um frango vivo sob o capô e o fechou com força. Ouviu-se um som horrível de carne e um sopro de penas; e então a coisa rugiu para a vida, cuspindo fogo negro do cano de escape e fedendo toda a pista com gases sulfurosos.

Seu oponente era um enigma em couro preto. Do capacete de fibra de carbono às botas com bico de aço, nem uma polegada de pele estava exposta—exceto pelas pontas dos dedos, que saíam das luvas de dirigir sem dedos. Ela apareceu em um 1970 Plymouth Barracuda, seu elegante exterior lavanda escondendo um interior estofado com uma estampa de chita arco-íris Lisa Frank com detalhes em pele de cobra dourada10. Assim que ela saiu do carro, eu não conseguia tirar meus olhinhos gays dela. Não vou entrar em detalhes com meus pensamentos, mas basta dizer que eles eram gráficos, e ela manteve as luvas sem dedos. Eu fui interrompida do meu devaneio pelo locutor, apresentando a corrida e os pilotos: "E na categoria Infernal! À direita, pilotando um ute esportivo clássico, vocês o conhecem, vocês o amam, é THREEEEEE-THOOOOOOONG." Os aplausos foram quase ensurdecedores. Meu garoto TT era um claro herói do povo. "E à esquerda, uma recém-chegada às nossas belas costas! Vinda da longínqua terra exótica do norte da Inglaterra, dirigindo um Cuda 1970, A ROOKIEEEEEE!"

barracuda.jpg

Eu esqueci de tirar uma foto do carro da Rookie, mas esse é bastante parecido.

A multidão gritou por esta "Rookie" quase tão alto quanto por Three-Thong; ou ela já tinha uma reputação aqui, ou eles estavam apenas com um humor empulgado causado por carros velozes e cerveja grátis. Os pilotos acenaram para a multidão e subiram de volta em seus carros, iniciando outra rodada de aplausos e então ligaram os motores. Bem, o motor de TT já estava ligado. Então a Rookie ligou seu motor. E por "liigar o motor", quero dizer que ela enfiou uma seringa no braço e espalhou algum tipo de líquido laranja efervescente, e então socou uma fita cassete com a palma da mão no toca-fitas. O refrão de abertura de "Dr. Feelgood" do Motley Crüe tocou pelas janelas e o carro se transformou.

Começando na porta do motorista, uma ondulação se moveu pela superfície, transformando o metal brilhante em escamas ásperas. Chifres explodiram para fora dos fárois, curvando-se para cima até que se apunhalaram no capô e tiraram sangue. A grade se abriu, revelando uma mandíbula gangrenosa cheia de dentes irregulares; uma língua verrucosa se contorcia entre eles, pingando cuspe de óleo de motor na pista abaixo. Os pneus eram de osso negro; o para-choque era de quitina cinza; e por dentro, abrigada em algo que agora parecia mais um fígado do que um assento, estava a Rookie, olhos brilhando com o mesmo laranja da droga de demônio agora correndo em suas veias—e nas do carro. Nunca vi nada tão sexy na minha maldita vida, uma vez que a transformação foi concluída, o locutor fez o bagulho padrão de "em suas marcas, preparar, apontar, vá", e então eles foram embora.

A corrida, do início ao fim, durou cerca de treze segundos. A maior parte dessa próxima seção virá de um monte de vídeos de telefone e de relatos de testemunhas oculares (vê? Eu sou uma repórter real!) que eu reuni depois do fato. Eu perdi a maior parte porque eu fui plantada perto da linha de partida e não pude segui-los na pista porque sou lenta pra cacete e minhas habilidades de visão remota psíquica estavam freadas por causa de toda a erva. E porque eu não tenho nenhuma habilidade de visão remota psíquica. Pelo que eu posso dizer11. Coloquem os cintos de segurança (ou não, eu não sou sua mãe. Espero.) E prepare-se para um pouco de AÇÃO DE CORRIDA BARRA PESADA.

Ambos os pilotos passaram rugindo pela linha de partida, cuspindo chamas negras e fumaça amarela sulfurosa de seus escapamentos. Nenhum dos dois tinha uma vantagem clara e levou apenas cerca de um segundo e meio para os dois recorrerem à sabotagem total. Three-Thong tirou uma zarabatana de sabe-se lá de onde e disparou um dardo em velocidade quase supersônica na direção da janela aberta da Rookie; ela o pegou, soprou um beijo para ele e depois o enfiou no próprio pescoço. Até onde qualquer um conseguia dizer, isso só a fez ir mais rápido—alguma interação estranha de droga com seja lá qual outra merda já estava em seu sistema. Em resposta, a Rookie sacou um grande canhão de mão de vá-se-foder, e começou a atirar em Three-Thong. Ele desviou os tiros com a palma da mão antes que pudessem danificar a carroceria da Brenda e começou a lançar algum tipo de feitiço. A pista em frente à Rookie começou a ondular como se houvesse minhocas sob sua pele, e a câmera do telefone de alguém até capturou um tentáculo começando a subir do asfalto, mas o carro da Rookie saltou e levitou cerca de meio metro acima do solo e TT desistiu de seu feitiço. E foi então que a Rookie puxou o lança-foguetes.

pommypete.jpg

Esta é a última foto de carro. Este é o carro James Bond de Pommy Pete. Muito ostentoso.

Ela apertou o botão do piloto automático—provavelmente desnecessário, dada a quantidade de pista restante, mas um bom floreio dramático—e se inclinou para fora da janela, disparando uma única granada impulsionada por foguete, basicamente à queima-roupa no capô de TT. O motor da Brenda foi reduzido a um desastre fumegante, e com a Rookie liderando por cerca de um quarto do comprimento de um carro, parecia que a corrida havia acabado; mas Three-Thong ainda tinha alguns segredos escondidos em sua roupa interior homônima. De uma sacola em seu assento de passageiro—minhas sacola, de fato—ele puxou uma garrafa de nada menos do que Artemísia Princesa da Morte Bastardo Sete Suprema, e a despejou em um pequeno funil escondido no console central. Então ele apertou um botão vermelho muito sexy que eu não tiver permissão para tocar em nosso caminho até aqui, e um motor de foguete enorme saiu da carroceria da Brenda. Um coquetel de oxigênio líquido, absinto ilegalmente potente e sangue de cordeiro negro subiu pela câmara de ignição do foguete, e Brenda deu uma última explosão de velocidade enquanto os pilotos se aproximavam da linha de chegada. Foi por pouco, e todo mundo prendeu a respiração enquanto os carros derrapavam, deixando rastros de borracha e ossos queimando no asfalto; mas o acabamento da foto mostrava o apanhador de gado de Brenda cruzando a linha um fio de cabelo a frente do para-choque de inseto da Rookie.

A Rookie era um perdedor gracioso, e uma vez que as drogas foram eliminadas de seu sistema, ela saiu do carro que se recuperava lentamente e apertou a mão de Three-Thong. Em retrospectiva, o aperto de mão durou um pouco mais do que o estritamente necessário, e houve muito contato visual sugestivo; mas eu estava muito distraída por visões de luvas sem dedos dançando em minha cabeça para notar. Eu me apresentei brevemente à Rookie, e ela concordou com uma entrevista rápida mais tarde—eu especifiquei "em particular" com uma piscadela, mas eu acho que ela estava desviando o olhar e não percebeu minha tentativa de insinuação. Qualquer alternativa exigiria que reavaliasse minha avaliação do meu próprio carisma lésbico incrível, e meu ego é muito frágil para esse tipo de autorreflexão12. De qualquer forma, depois que a pista foi limpa para a próxima corrida, fui procurá-la para a entrevista prometida—e encontrei ela, atrás de uma fileira de banheiros químicos.

Lá, estacionada ao lado do magnífico conjunto de rodas da Rookie, estava Brenda, balançando para frente e para trás sugestivamente. Suas janelas tinham sido espelhadas, algum tipo de encanto de privacidade, sem dúvida, mas de vez em quando, o encantamento era brevemente interrompido por uma mão pressionando contra ele. Algumas das mãos estavam cobertas por tatuagens místicas; as outras usavam luvas de couro preto sem dedos. Eu passei o resto do dia deprimida e consegui uma carona com um outro piloto, "Pommy Pete", que falava com um sotaque britânico de classe alta tão nítido que devia ser falso. Pete dirigia um Aston Martin, que originalmente pertencia ao "James Bond verdadeiro, não ao dos filmes". Eu não acreditei nele, é claro, mas ele tinha um assento ejetor, então quem pode dizer?

Pete me levou em um passeio vertiginoso pelas pistas de arrancada das Regras Australianas, e as maravilhas que vimos lá poderiam preencher o equivalente a um jornal inteiro de colunas de esportes: um vagão de ossos movido a energia fantasma uivando pelas ruas de Perth, por volta de 1881; uma fênix real explodindo de um Pontiac Firebird acidentado e transformando um círculo de cem metros de salinas em vidro preto; uma corrida entre um par de ciborgues gêmeos idênticos, o vencedor escolhendo um pedaço de carne restante do perdedor como um troféu. Mas, apesar dos meus protestos, há uma quantidade de espaço limitado dedicado à nobre arte do jornalismo esportivo em cada edição do Augur-Haruspex13, então não posso colocar tudo aqui. Mais episódios de Sofia Vai Para Baixo podem ser encontrados em meu blog secreto, que só fica visível nos computadores da biblioteca pública durante os dias primos.

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License