Avatara
avaliação: 0+x

A melhor maneira de conquistar os inimigos de alguém é fazer amizade com eles.

"Nós mandamos doze operativos para aquela casa de fazenda e nunca mais tivemos notícias deles. Os robôs que enviamos desligaram-se antes de passar pela porta. Estabelecemos um perímetro ao redor da casa e agora todos em um raio de vinte metros parecem ter costurado tumores em seus rostos. O maldito lugar é um moedor de carne."

"Bem, o 'moedor de carne' está se expandindo. Não podemos explodi-lo sem descobrir o que está dentro; nós dois nos lembramos de Kodiak. Alguém precisa entrar e investigar."

"Quem é louco o suficiente para se matar conscientemente?"

"… vá pegar a Tau-5."


O primeiro abraçou a escuridão com felicidade. O segundo sucumbiu sem resistência. O terceiro não conseguiu permanecer consciente. A quarta morreu segurando o peito e se contorcendo.


"Agora, esse é um tipo de anomalia com o qual não lidamos antes, então estamos testando em campo alguns equipamentos novos. Eles são baseados em tecnologia dos Laboratórios Prometheus; essencialmente, o dispositivo gera algum tipo de campo que força as células internas a permanecerem em um estágio G0 independentemente das influências externas. Impede o câncer e outras mutações, mas também impede a cura. Nós não sabemos realmente que… tipo de campo é esse… mas temos certeza de que seja o que for, ele vai impedir seu equipamento de entrar em curto", explicou o técnico, entregando aos quatro mochilas grandes e volumosas.

Os quatro membros da Samsara balançaram a cabeça, olhando para o mecanismo de aparência complicada zumbindo dentro das mochilas.

"Ei, tenham cuidado com isso, ok! Sem solavancos repentinos. Ele é meio volátil. Nós sequer pudemos testá-lo em Classes-D sem fazer o Comitê de Éticas ter um acesso de raiva, então…" o técnico se atrapalhou.

"Vocês estão testando isso em nós" Irantu disse.

"Uh… eu não colocaria assim… mas uh… sim?"

"Ok."

Nanku olhou dentro da mochila novamente e ligou o dispositivo. Ele detonou com um CRUMP abafado.

Ela olhou para cima. Os ossos do lado esquerdo de seu rosto haviam se fundido; pedaços de olho aninhados na cratera sangrenta que restou de seu nariz.

"Acho que algo entrou no meu olho…"

O técnico respingou o resto de seu rosto com vômito. Demorou vários segundos para ela começar a limpar o ácido estomacal e os restos de salada de atum. "Oh… er, ugh, ew, ew! Isso é nojento!" ela ofegou tardiamente.

"Isso foi bom. Você parecia normal e com nojo", Irantu a elogiou.

"Obrigada!" ela respondeu, forçando uma nota de leviandade em sua voz.

O técnico continuou arfando mesmo depois que seu café da manhã e lanche pré-almoço acabaram no chão.


Na primeira vez em que eles nasceram, eles estavam enrolados em úteros rosas de plástico cheios de líquido. Eles podiam respirar. Eles podiam gargarejar palavras através dos respiradores. Eles podiam sentir o calor do fluído. Eles podiam realizar integração e derivação em sua mente. Eles não podiam sentir.

Os cientistas que os observavam comemoraram brevemente e começaram a rabiscar notas em seus PDAs.

A quarta vez que eles nasceram foi a primeira vez que eles estavam com defeito: parecendo arlequins infantis horríveis. A primeira acordou e começou a explorar os pequenos confins de seu útero, ansiosa para experimentar o renascimento. O segundo acordou silenciosamente, sugando as tetas artificiais dentro das pequenas esferas rosadas. O terceiro sonhava com o vazio, aquecendo-se no abafado lub-dub, lub-dub de seu ambiente. A quarta gritou, batendo pateticamente com os punhos subdesenvolvidos e escalonados contra a dura concha de plástico.

Muito acima deles, homens e mulheres em jalecos totalmente brancos rabiscavam notas antes de ativar os esterilizadores de útero.


Irantu espiou dentro da toca da casa da fazenda, espingarda em punho. Os cabelos em seu pescoço se arrepiaram quando a anomalia na casa colidiu com o dispositivo amarrado às costas. Os membros de Nanku já estavam inchados com tecido maligno. Ela puxou a faca e começou a serrar o mais silenciosamente que podia, praticando estremecimentos quando perfurou carne não cancerosa.

Com o rosto livre de balas ou tumores, Irantu esgueirou-se para dentro da toca. Munru o seguiu, rapidamente se movendo para o outro lado da sala. Onru entrou em terceiro e, finalmente, Nanku, que havia trocado sua faca por uma pistola.

Um cântico em uma linguagem pouco clara vinha do andar de cima. Irantu espiou pela porta do corredor e teve o primeiro vislumbre de um cadáver bloqueando o corredor.

O esquadrão avançou com cuidado, armas apontadas para a massa borbulhante de carne vestida com uma armadura corporal da Fundação. Irantu a cutucou com o cano da espingarda.

Ela não reagiu.

"Morto", ele respondeu baixinho.

Enquanto varriam a cozinha, a sala de estar, a sala de jantar e o banheiro, o esquadrão notou os cadáveres em cada cômodo, jogados sobre os móveis como travesseiros dementes.

"Eles estão todos apontando na mesma direção", murmurou Nanku, a voz abafada pelas neoplasias que enchiam suas bochechas.

"Deve ter algum significado com as vozes no andar de cima. Todas as salas do térreo estão vazias?" perguntou Irantu.

Onru balançou a cabeça.

Irantu pegou seu rádio e ligou brevemente.

"O andar térreo está vazio. Encontramos seis corpos; todos de FTM. Todos cobertos de tumores semelhantes aos corpos descobertos do lado de fora. Indo para o segundo andar."

As salas do segundo andar também estavam desprovidas de corpos vivos.

"Adorável", comentou Munru, olhando para uma massa pulsante na cama em forma de foguete de uma criança.

"Emoção errada, eu acho…" Nanku confundiu, arrancando os tumores que haviam surgido em seu rosto e, subsequentemente, enfiando-os na boca. "Hm, isso tem gosto de biscoitos de champanhe."

"Posso ver?"

"Aqui," Irantu sibilou do corredor. Munru e Nanku imediatamente calaram a boca e apontaram suas armas para a porta agressora. Cinco bolhas de carne estavam na frente dela, todas apoiadas em posições que sugeriam que morreram tentando alcançar a maçaneta.

"O canto está vindo de dentro. Eu só consigo ouvir uma voz. Essa porta é a única entrada, então eu sugiro que a gente invada."

"Entendido", Munru balançou a cabeça. O resto do esquadrão se virou e tapou os ouvidos enquanto ele tirava uma granada de atordoamento do cinto, chutava a porta e a arremessava para dentro com um movimento suave.


A décima segunda vez também foi a décima terceira. Duas cópias de cada um foram criadas e carregadas com as memórias e pensamentos do original, e então colocadas em salas aparentemente privadas para uma discussão. Frente ao outro, eles começaram a sessão discutindo a natureza de seu renascimento e o que isso significava para a natureza da consciência. Eles concluíram a sessão assegurando um ao outro que isso era apenas um experimento e uma forma de autogratificação.

Esses resultados foram anotados com interesse pelo décimo quarto.


Eles entraram no quarto, armas em punho e olhos fixos na figura cantando na cama na outra extremidade. Suas feições estavam escondidas sob uma massa retorcida de carne cancerosa protuberante sob uma camiseta e jeans surrados, como um modelo de pin-up obeso.

ғᴏʀɴᴇᴄᴀ ᴀ ᴇʟᴇ sᴜᴀ ᴄᴀʀɴᴇ

Irantu cutucou a massa com o cano de sua espingarda, o que fez nada exceto fazê-la cantar um pouco mais rápido. Seu rádio ganhou vida.

"Quais são seus status?"

"Encontramos a fonte da anomalia", ele respondeu. "Grande massa cônica de tecido canceroso, com cerca de um metro de altura. Cantando em uma língua desconhecida. Parece ter sido humano."

"Entendido. Estamos conversando com alguns pesquisadores agora… tudo bem. Vocês estão autorizados a neutralizar a ameaça. Suas armas devem resolver o problema. Rápido. A anomalia está se expandindo a uma taxa cada vez maior."

"Confirmado", observou Irantu. Ele acenou para o grupo dar alguns passos para trás e disparar alguns tiros hesitantes na massa, que ricochetearam para as paredes.

sᴀᴄɪᴇ sᴜᴀ sᴇᴅᴇ

Irantu olhou para a massa, pegou um pouco de cérebro e tutano espalhados e cobriu a luva com isso. Desta vez, ele conseguiu fazer uma marca na massa.

ᴅᴇ sᴜᴀ ᴄᴀʀɴᴇ ᴘᴀʀᴀ Qᴜᴇ ᴇʟᴇ ᴘᴏssᴀ ғᴀᴢᴇʀ ᴅᴇ ᴠᴏᴄᴇs ᴅᴇᴜsᴇs

Irantu pensou por um momento. "Nanku, me dê sua pistola."

Ela obedientemente deu um passo à frente e a entregou.

Irantu esvaziou o cartucho no pescoço dela. Mesmo antes que ela pudesse tombar, ele começou a cortar os tendões de seu pescoço com sua faca de combate. Onru e Munru o ajudaram a terminar de decapitá-la.

Enquanto o resto do esquadrão saia da sala, ele pegou uma granada de fragmentação do cinto de Nanku, a enfiou na boca dela, puxou o pino e socou a cabeça dela profundamente na massa cancerosa em um único movimento suave. E então pulou para fora da sala.

A gigantesca massa neoplásmica explodiu, cobrindo a sala com fragmentos de músculos, intestino, tecido cerebral e medula óssea.

Irantu se levantou e falou em seu rádio. "Anomalia neutralizada, câmbio."

Seu rádio ganhou vida. "O efeito cessou de se espalhar por fora. Anomalia confirmada neutralizada. Qual é a sua situação, câmbio?"

"Nanku está morta. O resto de nós está ileso, câmbio."

"Entendido. Saiam da estrutura imediatamente; estamos queimando ela em T menos cinco minutos, câmbio."

ᴘᴇɢᴜᴇ ᴏ ᴛᴏᴍᴏ sᴀɢʀᴀᴅᴏ

Munru voltou para a sala e foi para os restos da anomalia, removendo os detritos até encontrar um pequeno livro de couro manchado de carne enterrado embaixo. Ele o guardou em seu uniforme.


O fim veio de repente, quando todos se viram diante dos canos de um grupo de fundamentalistas religiosos irritados.

O primeiro foi neutralizado. O segundo foi eliminado. O terceiro foi executado. A quarta foi massacrada. Dos poucos que escaparam de serem alinhados contra a parede, quase nenhum sobreviveu à explosão que destruiu a instalação.

Vários metros abaixo do solo, quatro tonéis de backup ganharam vida, orquestrados por um clonador ligeiramente danificado contendo quatro homens e mulheres que haviam sacrificado suas vidas pela imortalidade.

Eles morreram naquela máquina; vidas, amores, pensamentos, sentimentos, a capacidade de criar e sua humanidade apagados por um disco rígido danificado.


Os três estavam estudando o livro quando Nanku foi escoltada até a cela. O lado de sua cabeça estava ligeiramente amassado, com alguns pontos e uma mancha descolorida indicando onde eles haviam enxertado osso de uma encarnação anterior abortada.

"Olá!" ela os cumprimentou.

"Silêncio", Munru a repreendeu.

"O que… vocês estão lendo?"

"Um livro que encontramos em seu corpo."

"É sobre… o que?"

"Como 'invocar' um deus…"

Munru tentou e falhou em fazer cotações aéreas.

"É um bom livro."

"Eles te deixaram… manter ele?"

"Ninguém disse nada sobre ele."

"Posso ler ele… com vocês?"

"Estamos quase terminando. Estamos lendo há duas semanas."

"Posso ler o que sobrou?"


Os corpos cresceram mas não havia nada para habitá-los. A inteligência havia morrido nas unidades quebradas da máquina. Tudo que restara foi um único modelo, dois gêneros e quatro nomes.

Máquinas não são nada se não forem boas em aritmética. Mentes não são nada se não forem boas na criação. Corpos são nada. Um modelo mais um nome mais um gênero mais um corpo é igual a um ser. Um ser é igual a um quarto dos corpos disponíveis. Quatro seres equivalem a uma tarefa concluída.

Aritmética simples.

Uma máquina não é nada se não for boa para completar tarefas.


"…Ele é um bom livro."

"Talvez nós poderíamos… visitar o lugar no livro?"

"Nós poderíamos aprender mais sobre como agir como pessoas."

"Podemos?"


Uma parede danificada desmoronou quando um grupo de homens e mulheres vestidos de preto entrou na câmara de clonagem. Atrás deles, estava o último manipulador sobrevivente.

"Para o que estamos olhando aqui, Doutor?" perguntou uma das mulheres vestidas de preto, olhando para as conchas de carne nuas quase inexpressivas.

"Um projeto antigo que quase me matou há uma década. Acho que será um recurso útil."


Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License