Capone
avaliação: +11+x

"Fiquei com medo quando eu o vi pela minha primeira vez. Isso aconteceu assim como tinha me dito: as mensagens, as fotos, vê-lo em cada canto mais tarde. Eu era tão jovem, quem não teria perdido a sanidade?" William suspirou. Até então, ele tinha superado a criatura que o seguia. Não era como se ele fosse embora, não importava o quanto ele pedisse, implorasse ou tentasse subornar. Ele sabia que a melhor e única solução seria apenas acostumar-se à presença de Capone. Pelo menos ele teve o conforto de saber que ele não estava enlouquecendo.

"Acredite em mim, William; Eu sei que muitas pessoas reagiram do mesmo jeito. O medo é a reação mais comum ao desconhecido do que você pensaria." A Dra. Laura Breynz o consolou. Esses casos não eram exatamente comuns, mas eles eram comumente conhecidos.

"Não é nem que eu ainda tenha mais medo dele. Quero dizer, ele me faz pular quando eu o vejo de manhã, não acho que me acostumarei a isso; É só as más conotações que ele tem. "William rebateu.

"Eu sei que ele tem, mas aconteceu há dois anos. Eu sei que é difícil para você, especialmente com seus fantasmas do passado, mas você precisa continuar". Dr. Breynz afirmou. William simplesmente suspirou enquanto continuava. "Nossa sessão está quase acabando. Nós fizemos um progresso significativo, William. Eu quero que você faça algo por mim quando chegar em casa. Você tem algum dever de casa ou algo parecido?"

"Eu fiz tudo no meu intervalo".

"Bom. Quando você chegar em casa, eu quero que você pense em sua primeira experiência e escreva o quanto se sentir confortável em compartilhar. Está tudo bem?"

"Sim, obrigado por me ver".


Não foi muito tempo de condução do consultório médico para casa. Cinco, possivelmente uns dez minutos, se houvesse um trem. Ele sempre via a criatura através do espelho retrovisor quando ele dirigia, sentado no banco de trás. Parecia inocente, de um jeito próprio, de maneira estranha, acenando para William assim que o viu.

Apesar de tudo, William encontrou-se conversando com ele, como se falasse com um cachorro ou gato sobre o dia quando estivesse sozinho. Parecia ouvir quando ele falava, e depois de um tempo, ele podia jurar que entendeu. É difícil dizer com um rosto como esse, então, só conseguia reagir através de várias inclinações de cabeça e acenos, e mesmo assim, ele tinha que ensiná-lo a como acenar.

"Pelo menos eu sei que você está interessado".


Larga a mochila perto da porta, vai para o pátio, acena para Capone do espelho, frigorífico, bebida, cadeira, capota. A rotina da tarde do William era mais mecanizado do que deveria. Ele pensou em sua sessão com o Dr. Breynz. "Ela queria que eu tentasse recuperar a experiência quando o vi pela primeira vez, hein?" William murmurou enquanto pegava algumas folhas de papel e uma caneta. Pouco a pouco, ele juntou a sequência de eventos que levaram até este ponto.

Capone esteve comigo desde que eu tinha quinze anos. Lembro-me de que minha irmã de vinte anos, Sara, trouxe um aplicativo que ela havia baixado mais cedo na mesa de jantar uma noite. Ela não tinha ideia de como aquilo fazia isso, mas arriscou um palpite de que o acompanha através do GPS do seu telefone e lhe manda fotos dos lugares que esteve com um monstro "realmente fofo" colocado na foto para que pareça estar seguindo você.

Aquilo não parecia tão estranho. Lembro-me que os mapas do Google poderiam obter uma foto do solo decente na época, então só adicione o Photoshop para isso e você teria um truque. Além disso, sabíamos que não poderia ser um vírus. A loja de aplicativo verifica cada aplicativo para coisas assim antes de vendê-lo. A única coisa que eu achei legitimamente estranho sobre isso na época era que ele era tanto grátis quanto sem anúncios.

Sua explicação sobre aquilo parecia muito legal para mim, então pedi a Sara para que me ajudasse a baixá-lo no meu telefone. Ela me disse que, enquanto meu velho celular-abre-fecha tinha algo como uma loja de aplicativos, provavelmente não teria MalO. Isso não a impediu de procurar, no entanto.

Sara era uma boa irmã. Ela realmente poderia ter me dito para simplesmente deixa-la em paz, mas ela sempre tirava um tempo do dia para mim, empacotando meu almoço, brincando comigo, me levando para filmes classificados "+18", os quais eu era claramente muito jovem para ver. Tive a sorte de tê-la como tutora legal quando nossos pais foram embora.

Eu era muito jovem para processar tudo quando aconteceu, mas meus pais morreram de uma colisão frontal com um motorista bêbado. Sara cuidou de mim como minha tutora legal até eu me mudar para a faculdade. Deus sabe onde eu estaria se ela não o fizesse. Após alguns cliques, ela encontrou o aplicativo, o que foi uma surpresa para nós dois. Era óbvio que o meu telefone não tinha nenhum tipo de GPS, mas nenhum de nós tinha pensado nisso até muito, muito mais tarde. Logo recebi minha primeira foto.

Nunca vou entender a maneira como Sara viu o mundo, se essa fosse sua ideia de "fofo". A foto foi tirada no pátio da minha escola, com a criatura que eu logo chamaria de Capone sentado em um dos bancos. Você mal podia vê-lo, mas lá estava ele, coberto com o seu pelo preto e emaranhado, com suas garras parecendo facas, um conjunto de olhos brancos e aquele seu rosto, que era apenas um crânio pertencente a algum tipo de grande animal, olhando diretamente para nós com aquele grande sorriso de lobo.

Eu dei o telefone de volta a Sara, dizendo-lhe o quão aterrorizante era, e que eu não queria as mensagens mais. Ela apenas socou meu ombro brincando, dizendo: "Oh, não seja um bebê chorão. É tão fofo! Olhe como ele está feliz em te conhecer!" Olhei de volta para o rosto dele; Seu sorriso largo especificamente… Eu tenho que admitir, eu ri daquilo. Era apenas a pura tolice de tal afirmação que me fez continuar ouvindo-a.

"Eu tenho certeza que ele crescerá em você eventualmente… É o seguinte, se você conseguir aguenta-lo durante uma semana inteira, iremos ver o filme que você queria ver. Se ele ainda lhe der pesadelos, nós vamos excluí-lo. Se você acabar gostando, vamos rir sobre isso mais tarde, acordo fechado?" Olhei para a foto novamente. Parecia que receber uma foto de vez em quando era o rumo que isso estava tomando, e olhando em retrospectiva, eu provavelmente teria mantido quase nada se ela realmente quisesse; então concordei..

Sara ficou animada depois disso e garantiu-me que não me arrependeria enquanto me mostrava algumas das suas próprias imagens. Ela só tinha três até agora: uma em seu escritório, uma no parque e outra na estrada em que vivíamos, cada imagem contendo sua própria entidade claramente visível. Eu devo ter parecido nervoso ou algo assim, porque ela sugeriu que eu nomeasse a minha como ela fez com a "Cassandra" dela. Pensei um pouco sobre isso.

Deixe-me clarificar algo, pois parece surgir sempre que digo isso às pessoas: não nomeei meu MalO "Capone" por conta do incidente com meus pais; Eu nem sabia que a prisão deles envolvia álcool naquela época. Eu o nomeei depois de uma lição de história que achei divertida na escola onde o medo das pessoas tirou o melhor deles, e como meu professor colocou, acabou fazendo mais mal do que bem. Isso serviu como uma lembrança de que eu não deveria cometer o mesmo erro.

Eu vi um pouco de luz em tudo isso depois de dar um nome falso e pensar que não poderia ser tão ruim assim. Eu fui para a cama, e minha vida normal continuou por mais um pouco.

Eu continuei a receber fotos de Capone por um tempo, me seguindo na escola, no ponto de ônibus, na minha rua, praticamente em todos os lugares que eu fui. Não foi até o terceiro ou quarto dia, quando fui chamado da sala de aula. Eu estava pensando que eu estava com problemas por algo, mesmo que não soubesse o que, mas assim que vi Sara, esse sentimento foi sufocado. Ela parecia muito abalada. No instante em que ela me viu, ela imediatamente puxou meu braço e me levou para o carro.

Sara não parecia nada bem. Ela continuou fazendo perguntas sobre Capone, coisas como se eu o vi ou se eu recebi fotos dele comigo nas imagens. Eu não verifiquei nada hoje, mas quando chequei, haviam dois. Lembrei-me exatamente quando e onde essas mensagens foram tiradas, porque durante elas, fiz uma nota mental de que recebi alguns textos de Capone. Eles foram enviados assim que foram tirados.

Sara sabia que estávamos sendo perseguidos por alguma coisa, ela provavelmente não tinha ideia do que eram, e sabia que ela não tinha ideia de como eles estavam fazendo isso, mas sabia que eles sabiam onde vivíamos. Ela não conseguiu descobrir como excluí-lo. Ela disse que tentou tudo, mas não conseguiu encontrar uma maneira de tira-lo. Ela nem conseguiu encontrar para onde o aplicativo foi.

Eu nem tenho certeza do que estávamos planejando fazer, mas antes que pudéssemos planejar completamente um curso de ação, recebi outro texto. Sara congelou e olhou para mim, como se quisesse dizer "não olhe para isso". Se não o fizesse, eu poderia ter tido uma vida semi-normal agora. Teria sido notícia dentro daquela semana, e nós saberíamos…

Mas eu o fiz. Abri o telefone… e lá estávamos, apenas sentados ali, com aquele olhar de medo em nosso rosto. A foto foi claramente tirada do capô do carro em movimento, dando-nos uma visão clara do que estava atrás de nós. Ele ocupou a maior parte do banco de trás e elevou-se sobre mim. Ambos nos voltamos, preparando-nos para gritar para a monstruosidade atrás de nós, mas quando o fizemos, o assento estava vazio. Nós não sabíamos o que estava acontecendo, ou o que fazer disso, mas sentimos que a única coisa a se fazer era fugir, abandonando o carro.

Nós abandonamos o carro apressadamente, correu o resto do caminho até o apartamento e trancamos a porta atrás de nós. Nos trancamos no banheiro e esperamos. Nós ficamos lá, mesmo quando recebemos uma mensagem de Cassandra ou Capone, Sara gritaria com eles, perguntando por que eles estavam nos seguindo e implorando para que nos deixássemos sozinhos.

Nos sentimos impotentes contra eles. Tudo o que sentimos que poderíamos fazer é apenas sentar no banheiro e esperar que eles iriam embora. A sala parecia o nosso único paraíso seguro até… Nós fomos expostos a eles por muito tempo. Sara começou a entrar em pânico, dizendo que continuava a ver um deles atrás dela. Eu não estava vendo isso. Eu estava mais preocupado em tentar acalmá-la dizendo que talvez eles não estivessem realmente lá do que eu estava pensando em ver Capone no espelho.

Eu convenci Sara de que precisávamos sair do quarto por necessidade. Nós não poderíamos ficar no apartamento para sempre, e se eles quisessem nos pegar, eles já teriam feito isso. Chamamos a polícia e… Aqui estamos.

Nós dois obtivemos ajuda, mas eu tive a sorte. O caso de todos era diferente em termos de interação, mas para mim, Capone estava sempre no espelho ou alguma coisa reflexiva o suficiente para mostrar. Ele era previsível, e eu poderia encontrar maneiras de bloqueá-lo quando eu precisava disso.

Eu aprendi a esperar Capone, e depois de um tempo, ele cresceu em mim. Eu costumava ter uma cortina improvisada que eu puxaria os espelhos quando não queria vê-lo, mas comecei a usar essa cortina cada vez menos com o passar do tempo.

Capone sempre pareceu tentar interagir comigo, mesmo que não entendesse o que ele estava tentando dizer a maior parte do tempo. Comecei a cumprimentar Capone com uma onda casual enquanto passava por ele do espelho da sala de estar e, eventualmente, ele começou a acenar de volta. Ele se tornou um companheiro constante para mim, e eu me ajustei para Capone assim como ele se ajustou para mim.

Meu caso não era tão grave quanto o de Sara. Ela viu Cassandra aonde ela olhava. Em todos os cantos, apenas fora de vista, sobre ela enquanto dormia. Sara tirou sua própria vida há dois anos. Eu queria culpar os MalOs por isso, mas não posso. Seguir a pessoa que olha suas mensagens é apenas… o que eles fazem. Agora, sempre que vejo Capone, lembro-me do que fiz no carro naquele dia. Eu sabia que não deveria ter pegado esse texto. Se não o fizesse, ela ainda estaria aqui.

Faziam quase quatro horas que William começou a escrever, mas quase se sentiu aliviado. Ele nunca contou a ninguém sobre isso de forma tão detalhada antes; A maioria do que aconteceu foi entre ele e Capone. Ele olhou para a criatura no espelho do outro lado da sala por alguns segundos, pois deu a onda velha e familiar.

William ficou em silêncio por um minuto, olhando para Capone, e depois voltou para seus papéis. Ele sentiu a necessidade de fazer um último ponto.

Mas, novamente, como eu sabia? Eu não sei quem fez os MalOs, ou por quê. Eu nem sei se alguém realmente fez o aplicativo; Muitas coisas como essa foram criadas naturalmente, ou foram dadas alguma sorte de anomalia por pura chance. Seria muito sensível se alguma coisa física fosse culpada, mas não há nenhuma que eu possa encontrar legitimamente: nenhuma em MalOs, nenhuma em mim; apenas com chance.

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License