Arquivo da GRU-P "MATA-MOSCAS"
avaliação: +1+x

A seguinte documentação parcial relativa ao objeto de interesse "MATA-MOSCAS" foi adquirida pelo agente [REDIGIDO], do qual há poucas duvidas. O trabalho para verificar a autenticidade dos arquivos recuperados está em andamento; as anomalias descritas receberam os números de classificação provisória E-501 e E-502, com fontes locais no território da RSSA da Mordóvia encarregadas de verificar a existência de E-501.

OSI "MATA-MOSCAS" DIVISÃO "P" DEPARTAMENTO III
APROVADO 11.III.1966 IMPRESSÃO Nº: 1
ASSINADO .................. S
CHEFE DO DEPARTAMENTO III-P-9-GRU D.Nº: 27-III-1966
FUNCIONÁRIO RESPONSÁVEL: Igor S. Petlyar к.т.н.
DETALHES: OSI "MATA-MOSCAS" é a designação de uma subespécie de Fomes fomentarius, provisoriamente designada Fomes fomentarius copiosus. A aparência, habitat e nutrição da F. fomentarius copiosus se assemelha aos de sua superespécie, e análises de combustão da amostra não mostram diferenças na composição.

F. fomentarius copiosus foi designada objeto de interesse especial devido a características anormais associadas ao crescimento e às propriedades físicas de seu corpo de frutificação.

O micélio da F. fomentarius copiosus não parece penetrar significativamente no hospedeiro, com atividade saprotrófica muito limitada; as áreas características de madeira em decomposição demarcadas por camadas pseudoscleróticas estão quase ausentes. Estudos de longo prazo de espécimes em segmentos de madeira hospedeira em uma câmara selada mostram que há ganho de massa líquida conforme os corpos de frutificação crescem e amadurecem; isso sugere que o espécime obtém nutrientes de outro lugar.

Além disso, o corpo de frutificação da F. fomentarius copiosus exibe atomismo. Uma tentativa de remover uma seção do mesmo resulta em nenhuma alteração ao volume ou massa do corpo de frutificação, no entanto, um segmento idêntico ao de uma amostra de controle semelhantemente cortada de F. fomentarius é produzida, independente da direção do corte. Esta propriedade não é preservada no segmento removido.

Atear fogo a um corpo de frutificação faz com que ele entre em combustão até se extinguir, enquanto espontaneamente aumenta em massa e voluma a uma taxa de cerca de 20g/hora, com cinzas e fragmentos se soltando. Nenhum limite superior espontâneo foi observado até o momento, com o experimento mais longo durando três (3) meses e alcançando uma massa combinada de aproximadamente 40kg de detritos.

Consulte o Apêndice A para dados sobre a ocorrência. A espécie parece ser endêmica de florestas na RSSA da Mordóvia.

Usos propostos:
(i) Suprimento barato de combustível - REJEITADO. Elevado teor de água e resistência dos corpos de frutificação à dessecação; segmentos podem ser processados normalmente mas com valor econômico limitado devido ao trabalho requerido.
(ii) Produção de feltro - APROVADO - coleta de material barata e conveniente. Camarada I. Kalugin elogiado; pela estimativa, poderia ajudar a exceder as metas de produção em 135%. Prova de funcionamento do feltro a ser produzido e exaustivamente testado até 01. I. 1967.

RESUMO DE INCIDENTE DIVISÃO "P" DEPARTAMENTO II
23.VI.1966 D.Nº:32-II-1966
EM ANEXO AO DOCUMENTO 27-III-1966
Em 19.VI.1966, um incêndio ocorreu na Unidade II da Planta de Processamento de Madeira do 28 de Outubro próxima a [REDIGIDO], Oblast de Nijni Novgorod. A brigada de incêndio enviada descobriu que o local continha grandes quantidades (aproximadamente 2000 metros cúbicos) de matéria desconhecida, o que aparentemente causou danos estruturais, resultando no curto-circuito dos cabos de alimentação, levando ao incêndio.

O agente da GRU-P infiltrado, "KOLYA", foi alertado, e solicitou ARC do comando local. Amostras não queimadas obtidas se mostraram como sendo restos de tecidos de corpos de frutificação de Fomus fomentarius. Investigação pendente.

REGISTRO DE ENTREVISTA DIVISÃO "P" DEPARTAMENTO II
24.VI.1966 D.Nº:
EM ANEXO AO DOCUMENTO 32-II-1966
Em anexo está a transcrição da entrevista de Ivan V. Fedorov, um dos funcionários da Planta de Processamento de Madeira do 28 de Outubro onde o incidente 32-II-1966 aconteceu. O entrevistador é o agente "ROMANOV" se passando por um funcionário do escritório de milícia local inspecionando uma possível tentativa de sabotagem

R: Foi uma honra trabalhar contigo, camarada. Tem um minuto?
IVF: Fale com o Igor, estou no inter-
R: Receio que não. Sargento Petrovsky, escritório de milícia distrital. Mostre-me seus documentos.
IVF: Aqui…
R: Ivan Vasilievic Fedorov, não é? Certo, camarada Fedorov. Diz aqui que você era um operador na terceira seção. Você sabe que houve um incêndio em seu local de trabalho há dois dias?
IVF: Se é por isso.. Eu não fiz nada! Eu estava no bar à noite, é só perguntar ao Sergej, Misha ou ao Leonid. E então fui pra casa, minha esposa pode-
R: Calma, camarada. Não o acusamos de nada. E vou ser franco com você, não suspeitamos do pessoal da fábrica - há algumas ideias sobre como o acidente aconteceu, e tudo o que estou aqui para fazer é esclarecer alguns detalhes. Então, vamos acabar com isso, hein?
IVF: Certo.
R: Excelente. Agora, seus documentos dizem 'operador', mas esse é um termo amplo. O que exatamente você faz aqui?
IVF: Eu… Eu opero o cortador.
R: Que cortador? Me conte em detalhes.
IVF: Bem, é o cortador. Você enfia um tronco, ele é cortado em tábuas, elas são banhadas, modeladas e depois deixadas para secar. Sou eu que o mantém alimentado e cortando na taxa certa e tudo mais.
R: Banhadas?
IVF: Sim. É alguma coisa que evita que a madeira estrague. Impregnação, esse é o nome elegante pra isso. Veja, nós somos de primeira classe, nossas tábuas vão para pisos e armários e tudo isso. Mobília.
R: Certo. Agora, pro clássico. Você notou algo de estranho durante o último turno?
IVF: Na verdade, não. Tudo correu bem, dada a porcaria que eles mandaram pra gente. Eu juro, camarada, eles querem que a gente trance um chicote da merda, quando você olha pros objetivos e pro material.
R: Quem quer?
IVF: Todo mundo. Mas isso é culpa dos madeireiros. Metade dos troncos que eles nos enviaram eram obviamente lixo, todos escondidos sob os bonitos. Essa merda deveria servir de lenha. Então quando nós- uh.
R: Continue.
IVF: Bem…
R: Ouça, eu não vou tirar isso de você como fios de um cobertor de feltro. Assumirei que você não se preocupou em rejeitar a merda que lhe enviaram ou avisar seu chefe. Eu não me importo - não somos o comitê de negligência no local de trabalho. Agora, vá em frente e abra a boca.
IVF: Sim, acertou. Veja, se fizéssemos alguma coisa, isso iria foder com nossa fábrica tentando conseguir prêmios por exceder as metas - e nossos bônus iriam pra puta que o pariu. Então cortamos a madeira de qualquer jeito e torcemos pra ninguém perceber a descoloração tão cedo ou, se percebessem, que não falassem sobre isso. Afinal, não é culpa nossa - eles podem chorar com os fornecedores.
R: Suponho.
IVF: Mas, é aqui que fica interessante! Alguns de nós estávamos meio nervosos sobre isso e fomos inspecionar as tábuas que saíram - olhe, há algumas coisas que você pode fazer para tornar tal dano um pouco menos óbvio. Mas, a madeira saiu boa. Eu não teria acreditado só de olhar a casca, mas o sabugo não havia sido comido, nenhuma linha, boa cor, boa dureza, tudo! Portanto, no papel estava tudo bem - ninguém poderia nos culpar por mandar em frente madeira que parece boa pelas especificações.
R: Entendo. Você notou mais alguma coisa?
IVF: Na verdade, não. Já estava feliz o bastante com como conseguimos nos safar dos filhos da puta, depois fomos tomar alguns drinques para comemorar depois do turno… e depois de manhã, eu ouvi que houve um incêndio de noite.
R: Obrigado, camarada, isso será tudo. Posso aparecer novamente pra você assinar uma declaração, mas, até lá.
Investigações adicionais confirmaram que as árvores entregadas estavam infestadas com Fomus fomentarius copiosus. Arquivo anexado ao arquivo OSI "MATA-MOSCAS" junto com o relatório de incidente.

OSI "MATA-MOSCAS" ADD.25.VIII.1966 DIVISÃO "P" DEPARTAMENTO III
APROVADO 30.VIII.1966 IMPRESSÃO Nº: 1
ASSINADO .................. S
CHEFE DO DEPARTAMENTO III-P-9-GRU D.Nº: 59-III-1966
EM ANEXO AO DOCUMENTO 27-III-1966
FUNCIONÁRIO RESPONSÁVEL: Igor S. Petlyar к.т.н.
DETALHES: Desde sua descoberta, trabalho adicional foi realizado em espécimes de Fomus fomentarius copiosus, motivado pelo incidente descrito no documento 32-II-1966. Os principais resultados experimentais são os seguintes:
O uso de um fungicida sistêmico no espécime de Fomus fomentarius copiosus exibindo atomismo resulta na reificação de grandes quantidades de tecidos mortos de F. fomentarius copiosus. O tecido reifica em uma escala de tempo correspondente à absorção de tal fungicida e à manifestação de seus efeitos, conforme confirmado pelo teste do grupo de controle de espécimes de F. fomentarius.

Verificou-se que a quantidade de tecido reificado é uma função da massa viva do corpo de frutificação antes da aplicação. Experimentação com pequenos corpos de frutificação revelou a seguinte relação empírica assumindo a saturação do fungicida: mr = mem/K, onde mr é a massa reificada, m a massa original do corpo de frutificação e K = 6,046 gramas; válido para corpos de frutificação acima de aproximadamente 5g.

Tentativas de seção repetida de tais corpos mostrou que o mesmo limite se aplica ao comportamento pseudo-atomista anômalo (denominado atomismo formóide mais adiante) descoberto antes - depois de ser seccionado 457 vezes, a amostra experimental de aproximadamente 50g deixou de reificar matéria fúngica.

Juntamente com informações conhecidas sobre o micélio da F. fomentarius copiosus, a hipótese predominante atualmente é que os tecidos de uma F. fomentarius copiosus crescem em uma direção espacial perpendicular aos vetores unitários do espaço tridimensional, com tecido morto ou removido sendo solto e forçado no ponto local pela massa de matéria circundante, que se manifesta como reificação. Essas descobertas são consistentes com a teoria quadriespacial proposta pelo acadêmico G. Chutayev. O foco da pesquisa atual é examinar a pressão da reificação do tecido como meio de verificar a hipótese declarada - se válida, a curva de pressão deve mostrar uma diminuição linear com a quantidade de tecido reificado.

Usos propostos:
(i) [REDIGIDO] - APROVADO - CONSULTE D.Nº: 257-III-1973
(ii) [REDIGIDO] - REJEITADO - Baixa probabilidade de sucesso; estudo de viabilidade necessário. APROVADO em 21.XII.1971 em escopo limitado - CONSULTE D.Nº: 83-III-1972

PROJETO "MATA-MOSCAS" DIVISÃO "P" DEPARTAMENTO III
APROVADO EM 21.IX.1967 IMPRESSÃO Nº: 1
ASSINADO .................. CS
CHEFE DO DEPARTAMENTO III-P-9-GRU D.Nº: 257-III-1973
ALVO DO PROJETO: Desenvolver e testar um dispositivo pseudo-explosivo furtivo utilizando OSI "MATA-MOSCAS" como carga útil.
CHEFE DO PROJETO: Igor S. Petlyar к.т.н.
30.IV.1972 BEM-SUCEDIDO
DETALHES: O dispositivo pseudo-explosivo 7S12 "MATA-MOSCAS" consiste em um corpo de baquelite contendo dentro de si uma instância de aproximadamente 150g do OSI "MATA-MOSCAS", um recipiente de papel de cera de 200 ml cheio com solução de Benomyl e uma abertura para haste de acionamento. Uma haste de acionamento de baquelite está fixada ao dispositivo por meio de fita adesiva. (consulte as páginas 1-3 do Apêndice A - documentação técnica em anexo)

O operador ativa 7S12 "MATA-MOSCAS" inserindo à força a haste de acionamento na abertura da haste de acionamento, penetrando no recipiente de papel de cera. Um dispositivo funcional se ativa dentro de duas (2) horas após ser ativado.

A ativação é caracterizada por um ganho de matéria rápido (aprox. 200kg/s) do componente ativo, resultando em uma expansão à força de pico de pressão de [REDIGIDO], até atingir a massa final de aprox. 60 toneladas e o volume correspondente de aprox. 200 metros cúbicos sem restrições.

O protótipo do dispositivo pseudo-explosivo 7S12 foi bem-sucedido em causar uma ruptura no casco de um avião de carga An-12 descomissionado dentro de 30 segundos após a ativação.

Variantes de design utilizando vidro, madeira, papel encerado ou conchas de metal para fins específicos anexados - consulte as páginas 4-13 da documentação técnica em anexo. Consulte as páginas 14-20 para um design de interruptor de homem morto proposto para uso como proteção para equipamentos e instalações vitais.

RESUMO DE INCIDENTE divisão "P" DEPARTAMENTO II
02.VII.1971 D.Nº:32-II-1971
EM ANEXO AO DOCUMENTO 27-III-1966
DETALHES: Em 27.VI.1971, F. Malenkin, um residente de [REDIGIDO], Oblast de Nijni Novgorod, relatou a captura de um "dragão". O animal capturado parecia externamente com um espécime de Vipera berus com policefalia congênita; no entanto, remover ou esmagar uma cabeça faria com que múltiplas cabeças aparecessem no corpo do animal.

O espécime foi contido e transferido para a instalação segura "KALINA". Devido a pesquisas preliminares mostrando semelhanças entre as propriedades do animal capturado e as propriedades do OSI "MATA-MOSCAS", pesquisas adicionais serão dirigidos pelo grupo de pesquisa "MATA-MOSCAS" do Departamento III.

PROJETO "CÉRBERO" DIVISÃO "P" DEPARTAMENTO III
APROVADO EM 21.XII.1971 IMPRESSÃO Nº: 1
ASSINADO .................. CS
CHEFE DO DEPARTAMENTO III-P-9-GRU D.Nº: 83-III-1972
ALVO DO PROJETO: Criar um cão de guarda de propósito especial baseado no Cão de Guarda de Moscou, exibindo atomismo formóide análogo ao do OSI "MATA-MOSCAS"
CHEFE DO PROJETO: Jurij T. Fedenko к.т.н.1
DETALHES: As demandas da segurança nacional, especificamente, a de proteger instalações importantes contra a infiltração externa de agentes imperialistas que estão se tornando mais penetrantes e engenhosos; e a exfiltração de entidades específicas (consulte os arquivos "HOGWEED", "ALECHIN", "DONBASS" para instâncias-chave de demanda específica) impõem requisitos cada vez maiores de prontidão e efetividade das forças encarregadas de tal. Especialmente na proteção de terreno e detecção, rastreamento e detenção de intrusos, o cão de guarda tem sido um acessório indispensável; no entanto, a resiliência costuma ser um problema.

O projeto "CÉRBERO" visa induzir o atomismo formóide em cães da raça Cão de Guarda de Moscou e seu subsequente treinamento, resultando em um cão de guarda resiliente temporariamente resistente à maioria das formas de dano físico. Se for bem-sucedido, o projeto abrirá caminho para a ampliação do escopo de uso do cão de guarda do tipo "CÉRBERO" no contexto de operações de segurança militar e civil, bem como explorar os efeitos da indução do atomismo formóide em organismos superiores.

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License