Feliz Aniversário de Ninguém
avaliação: 0+x

Sítio-19

Havia um pacote em sua mesa. Dra. Rights se sentou com curiosidade, tirando o abridor de cartas de seu pequeno suporte e passando-o pela fita adesiva nas costuras do papelão. Parte da fita havia descascado um pouco e a tinta dos carimbos de “NÃO É UMA BOMBA” e “RISCO MEMÉTICO NÃO DETECTADO” havia desbotado.

Dentro havia uma carta, um porta-retrato e uma caixa de chocolates. Uma fina camada de poeira havia se assentado no conteúdo. Ela inclinou a cabeça para o lado, confusa com de quem ou de que isso era.

Ela abriu a carta com o movimento de um dedo e recostou-se na cadeira, deslizando os óculos de leitura da corrente que ela mantinha em volta do pescoço. Ela odiava o bagulho, mas era uma consequência de ficar velha. A carta era manuscrita em um papel timbrado caro e datada de alguns anos atrás.

“Olá, Doutora Rights. Se você está lendo isso, eu provavelmente estou morto, ou apenas esqueci de apareces. Um deles. De qualquer forma, eu queria dizer feliz aniversário,” ela olhou para o calendário e deu um leve suspiro de surpresa. Era seu aniversário, não que ela continuasse acompanhando. Os frequentes cenários XK tornavam acompanhar a data um pouco desafiador.

“Eu sei que você disse que se eu me lembrasse do seu aniversário, você me mataria, mas ei, ou estou morto ou ficando senil, então quem se importa. Espero que goste dos chocolates e tenha um dia decente. Pegue leve com a desgraça das crianças, pelo menos uma vez.” A carta não estava assinada, mas ela sentia que deveria saber quem a escrevera. O nome estava na ponta da língua, mas ela não conseguia entender quem era.

Ela tirou a moldura da caixa e olhou para ela. Era uma foto de grupo dos Pesquisadores da fundação do Sítio 19, nos primeiros dias, antes que toda a equipe tivesse sido concluída. Havia apenas algumas pessoas presentes na fotografia.

A equipe de nível de comando estava presente, e alguns outros funcionários de nível inferior com os quais a Doutora Rights havia feito amizade ao longo dos anos, mas havia um curioso espaço em branco perto do meio. Um dos outros doutores parecia estar pendurado no meio do ar, antes que ela se desse conta: Ela não conseguia ver quem estava lá.

Ela pegou a carta novamente e olhou para baixo perto do final. Certamente, havia um manuscrito que dizia, “Atenciosamente,” mas estava em branco depois disso. Ela pegou a caixa de chocolates, e o remetente também estava em branco.

A compreensão a atingiu como um trem. Seu pulso começou a bater em suas têmporas, e sua mandíbula cerrou conforme a raiva a inundava. Os pequenos óculos de leitura escorregaram da ponte do nariz, tilintando com a corrente fina.

Quem diabos eles pensavam que eram, apagando alguém de seu passado sem sua autorização? Um memético de deleção estrito era quase impensável de se usar em alguém com seu Nível.

Dra. Rights tremia de raiva, se levantando e saindo de seu escritório. Alguém iria ser mandado pro inferno por isso.


Sítio Dimensional-4

Em seu escritório, O5-2 estava cercada por uma montanha de papéis. Assistentes entravam e saíam do escritório apertado, passando por uma porta de cor estranha que doía de olhar.

Um homem alto de terno azul entrou no escritório, sacudindo a desorientação momentânea. "Overseer, você me chamou?"

O5-2 balançou a cabeça, “O memético foi distribuído?”

O assistente balançou a cabeça e disse baixinho, “Sim, senhora, todos os registros conhecidos e instâncias do nome Doutor-” sua voz ficou assustadoramente silenciosa e a sua boca turva enquanto ele falava o nome, “foram deletados.”

O5-2 balançou a cabeça mais uma vez e olhou novamente para o relatório à sua frente. "Bom. Comece a Diretiva Lendas imediatamente."

O assistente fez uma curva brusca e saiu de volta para o Sítio-4.

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License