Máquina Dura
avaliação: 0+x

ANTERIOR: Êxtase e Exorcismo

PRIMEIRO: Os Poucos Escolhidos


O mundo está preto. A única coisa me dizendo que estou viva e acordada é a dor aguda na cabeça. Eu não consigo ver ou sentir absolutamente nada. Não sei por quanto tempo, a única coisa que posso fazer é remoer memórias ressurgidas que eu paguei alguns milhares de dólares para suprimir.

Então eu sinto um zumbido baixo. A sensação retorna ao meu pescoço, primeiro uma leve resistência — e então uma forte pressão nos ossos do pescoço. Estou girando. Meu pescoço está sendo esmagado. Minha traqueia está começando a ceder, mas não consigo dizer nada. Eu nem tenho certeza se estou respirando. Então eu ouço um clique e a pressão no meu pescoço diminui.

Eu silenciosamente suspiro de alívio.

A escuridão explode em uma explosão audiovisual, martelando meu cérebro com batidas pulsantes e estroboscópios induzidores de convulsões. Eu posso ouvir o rugido de uma multidão animada. Eu tento piscar e o mundo fica mais nítido, como uma câmera entrando em foco. Tudo parece irregular e supersaturado.

Então meus olhos se ajustam, jogando tudo em uma resolução nítida de 16K. Eu posso distinguir fios de cabelo individuais no corpo das pessoas e as gotas de suor nesses cabelos e os poros dos quais eles estão crescendo. Retículos e símbolos e luzes piscando gritam em meus olhos. Fechá-los não faz nada para parar isso.

Eu consigo sentir meu cérebro desligando em protesto. Informação inunda meu cérebro, mas há uma sensação atrás dos meus olhos como se estivesse caindo em um buraco. Meu subconsciente recém-calibrado começa a filtrar, compartimentalizar e descartar informações mais rápido do que um viciado comprando raspadinhas. Mais uma vez, meus olhos se ajustam. O mundo finalmente se resolve: nítido o suficiente para fazer 8K parecer suave sem levar meu cérebro a uma sobrecarga sensorial.

Eu olho para o meu novo corpo de ciborgue. Meus membros são castanhos claros; um torcer experimental das mãos me diz que elas estão revestidas por uma pele artificial de borracha, com eletrodos logo abaixo da superfície para me dar a sensação de toque. Não tenho mais pés, apenas pernas marrons que terminam em botas prateadas. Mais tinta prateada indica onde as roupas normalmente iriam. Linhas pretas distintas na parte de trás da palma da minha mão separam cada articulação e junta. Meus peitos são chocantemente de bom gosto pro MachineGod.

Eu dou uma olhada em minhas mãos e vejo que estou amarrada a uma cruz de metal, suspensa na frente do estrado de MachineGod. Então as travas de metal em torno de meus membros se soltam e eu caio no chão.

"Levante-se, minha campeã!" A voz de MachineGod ressoa do topo do estrado.

Eu luto para ficar de pé. Aberturas assobiam em meus joelhos enquanto dou alguns passos hesitantes. Meu corpo se sente mais pesado. Mais deliberado. Mais poderoso. É estranho e familiar ao mesmo tempo. Como usar o moletom de sua namorada.

Eu apalpo meu queixo com uma mão e meu rosto com a outra. Há uma manga neoprene cobrindo a conexão da cabeça ao pescoço; por baixo, eu posso sentir o começo de uma crista helicoidal que desaparece em meu pescoço. Isso explica a dor no pescoço: minha cabeça estava sendo literalmente parafusada no lugar. Se eu tivesse que apostar, o MachineGod provavelmente arrancou minha coluna e instalou uma variante dos substitutos de coluna da Anderson.

"Estranho," eu digo em voz alta e imediatamente me arrependo. Minha voz soa metálica; eu passo a mão sobre a boca e percebo que não tenho uma. Há pequenas portas de alto-falante para substituí-la. Posso sentir as vibrações subindo pela minha garganta, atingindo a base da minha língua, e então parando. Minha língua se sente errada: quando eu mexo ela, tem resistência e a sensação de unhas arranhando um quadro-negro. Faz sentido — ciborgues não precisam de dentes. Ou bocas. Mas os nervos ainda estão lá, e a sensação de unhas contra um quadro-negro se espalhou por todo o meu corpo.

Eu sequer quero contemplar o que ele fez na minha virilha.

Para me distrair desses pensamentos horríveis, eu continuo sentindo meu rosto. Minha mão se fecha em torno de um semicone metálico que se projeta do lado do meu crânio e um exame rápido revela outro do outro lado da minha cabeça.

Eu tenho orelhas de gato.

Este é um desenvolvimento extremamente indesejável.

MachineGod não me dá a chance de refletir sobre isso. "Eu dei a você minhas bênçãos. Seu corpo, talhado em uma máquina de guerra de um anjo caído. Sua mente, abençoada por meu ofanim."

"E as orelhas de gato?" Eu pergunto.

O canto de sua boca se ergue. "Um bônus."

Eu estou prestes a dizer a ele o que ele pode fazer com seu bônus quando ele estala os dedos. A multidão recua e seus apóstolos escorregam do trono para me cercar. Katanas saem de seus braços.

"Mas o que é isso?" Eu digo.

"Você acha que eu deixaria você sair sem conhecer o trabalho de meu ofanim com meus próprios olhos?" MachineGod diz com indignação falsa. "Eu gostaria que você demonstrasse a destreza dele — e a sua. Meus apóstolos devem testar seu aço."

Ele se inclina para frente sobre sua plataforma giratória e aperta um botão. Uma voz arranhada toca. "Lutem!"

A batida cai. Os apóstolos avançam.

A informação flui em meu olho. Eu vejo a composição das katanas de meus inimigos e uma sobreposição mostrando seus movimentos previstos. Eu evito o golpe do primeiro apóstolo e bato a palma da mão na parte plana de sua lâmina, quebrando-a. Então eu a acotovelo no rosto. Ela cai para trás e outro apóstolo salta sobre ela.

Eu sinto minha língua vibrar daquela forma horrível de novo, mas nenhum som sai. Informações explodem em meu rosto e são imediatamente sugadas. Meu subconsciente me diz que uma análise acústica do apóstolo detectou uma fraqueza estrutural no ombro da espada dele. Eu dou um passo em sua estocada e jogo uma cruz nele. Seu braço da espada cai de seu corpo.

O apóstolo nem mesmo vacila antes de jogar um golpe mortal com uma mão. Eu me abaixo sob ele facilmente. Ao contrário do resto dele, seu pescoço é feito de neoprene para maior flexibilidade. Ele também é mais vulnerável. Eu poderia facilmente arrancar os tubos de líquido refrigerante de dentro. Com o tipo de poder que o MachineGod enfiou sob seu capô, ele vai se ferver vivo em instantes. Tudo que preciso fazer é socar.

Duas horas atrás, eu teria feito exatamente isso. Em vez disso, eu envolvo minhas mãos em torno de sua cintura e faço um suplex nele, jogando-o ao chão com um CLANK. Então eu me empurro sobre ele em um salto mortal e deixo isso me levar para outro apóstolo. Minha pélvis inteira gira com um chiado hidráulico, enviando quatro chutes giratórios no rosto dela em um quarto de segundo.

Ela cai no chão antes de mim.

Mais oito apóstolos me atacam de uma vez. Seus movimentos são perfeitamente sincronizados; cada golpe de suas lâminas ocupa um arco no espaço que, juntos, me privam completamente de qualquer lugar para me esquivar. Se eu desviar de um, mais três vão me espetar como um kebab.

Mas a velocidade que estou experimentando é diferente da de demonarcóticos. Quando estou sob influência, tudo ao meu redor fica mais lento. Mas como Cyber-Rukmini, eu sou simplesmente mais rápida. Rápida o suficiente para detectar os defeitos minúsculos em sua fabricação, prever as trajetórias de seus ataques perfeitos e determinar os pontos ideais para atacar para interromper sua ofensiva.

Uma energia inquieta inunda o que resta do meu sistema nervoso. A voz na minha cabeça se torna uma aranha, arranhando o teto do meu cérebro e exigindo ser liberada. Então eu a libero.

As aberturas em volta da minha cintura rugem. Toda a parte superior do meu corpo se torna um topo. A aranha faz de meus membros marionetes, conduzindo-os em golpes e saltos precisos que desviam dos golpes perfeitos dos apóstolos e me deixam correr para a segurança. Em um instante, uma pinça perfeita se torna um trampolim: os apóstolos tendo alojado suas espadas nos ombros um do outro, criando uma teia de aço sobre a qual eu caio.

Oito braços são arrancados de seus encaixes. Oito androides desmembrados dão um passo chocado para trás. As oito pernas invisíveis da aranha se desprendem de meus membros. Eu pego uma espada e um braço do chão e os levanto no ar.

Eu travo o olhar com MachineGod. Ele inclina a cabeça. Então, dois braços perfeitos se estendem. Um polegar se levanta, o outro desce. A multidão espera com a respiração suspensa.

"Sua misericórdia é desperdiçada com meus apóstolos — e desonra a habilidade de meu ofanim."

"O que eu faço, com meu corpo novo, não é da sua conta," eu retruco.

MachineGod escarnece. "Que assim seja." Ele estala os dedos e uma figura emerge de trás de seu trono. Sou eu.

Ou pelo menos, meu corpo. A coisa que costumava ser eu está vestida com um maiô sling branco simples e salto alto. Seus membros são meus — MachineGod parece tê-los cortado nas juntas e desossado eles — mas meus novos olhos conseguem perceber caroços no peito que traem o endoesqueleto dentro, e veem marcas de queimadura onde MachineGod arrancou minha pele para chegar às minhas partes carnudas.

Eu sinto um vômito fantasma quando eu percebo que ele provavelmente costurou minha vagina à porra daquela coisa.

"Seu corpo orgânico e memórias vão me servir bem."

A ginóide se planta no braço do trono de MachineGod. Ela encosta a cabeça em seu ombro e me observa com frieza. Seus olhos e cabelos são muito reais — eu percebo com nojo que eles são meus.

Eu cerro meus olhos. "Certo," eu digo. "Eu não preciso mais dele."

MachineGod ri. "Então vá embora."

A multidão se abre para me deixar passar. Alliott me encontra na saída e saímos para a luz.

O segurança fecha as portas atrás de nós. Enquanto subimos as escadas de volta à sociedade normal, Alliott me lança um olhar irônico. "Você acha que talvez devesse ter perguntado a ele como usar seu corpo novo?"

Eu encolho os ombros. "Sim, bem… é pra isso que eu tenho você."

Ela exala pelo nariz. "É melhor você torcer que você venha com um manual. Vamos te levar pra casa e nos certificar de que MachineGod não instalou um cripto minerador em sua cabeça."

Nós subimos mais escadas para os maglevs elevados. Passo um cartão pré-pago na catraca.

"Falando em corpos, Jesus Cristo," Alliott diz. "Eu pensei que ele fosse vender seus pedaços ou algo assim, foi o que ele fez com os meus — não construir a porra de uma Boneca Real."

"Porra, nem me lembre." Eu estremeço. "Aqueles eram meus membros, e a porra dos meus olhos — meu Deus, eu vou ter que voltar lá mais tarde e explodi-la. Ele também."

"Conte comigo," diz Alliott.

"Novo tópico," eu digo. "Como que realmente parecia? Quando ele me desmontou?"

"Oh, uh…" Alliott faz uma pausa. "Não sei."

"Espera, pensei que ele tinha me desmembrado na frente daquele bando todo de psicopatas."

"Bem, sim, ele fez essa parte, mas então todo o equipamento cirúrgico se virou sob o trono dele," diz Alliott. "Não queria que as pessoas vissem como a salsicha era feita, eu acho."

"Então o que, vocês só ficaram dançando enquanto ele me ciborguizava?"

"Quero dizer… mais ou menos?"

"Mais ou menos? O que você quer dizer com mais ou menos?"

O maglev para com um leve sopro de ar. Nós entramos e sentamos em um par de assentos vazios perto das portas. Algumas pessoas olham feio para o casal ciborgue, mas a gente ignora eles. Minha máscara de festa foi substituída por um painel frontal e meus fones de gato por orelhas de gato de verdade, mas ainda somos apenas alguns esquisitões em uma cidade de milhares.

"O que você quer dizer com mais ou menos?" Eu pergunto novamente.

Alliott morde o lábio por um momento. "Em vez disso, ele transmitiu suas memórias. Nas telas. Sobre você e Natasha e Diya e tudo isso. O que aconteceu entre vocês."

Meu peito se aperta. "Oh." Uma memória fantasma ressurge e de repente a única coisa que me impede de chorar é minha falta de canais lacrimais.

"Escute, Alliott — eu não, eu não sei o que dizer, ok?" Eu murmuro.

"Ei," Alliott diz suavemente. "Está tudo bem. Está tudo bem. Olha, foi fodido. Eu não vou discutir com isso."

Ela aperta minha mão entre as dela.

"Mas seja lá o que você tenha feito, a Natasha fez pior. Pra você, pra mim… pra Alex."

Eu puxo minha mão das dela.

"Olha," eu digo. "Natasha e eu… eu quero odiá-la. Mas eu me odeio mais. Eu odeio o que fiz e odeio o que — o que deixei acontecer e é tudo culpa minha, porra."

"Não, não é," diz Alliott. Ela agarra minha mão de novo. "Ouça. Você não fez ela arrancar seu coração. Você não fez ela trabalhar pra Oneiroi. Você não fez ela matar minha melhor amiga. Ela fez tudo isso. Você não pode ser o seu pior inimigo. Se alguém sabe disso, sou eu."

Eu não menciono que Alex atirou primeiro.

"Você não pode se questionar, ok?" Alliott diz com força. "Isso é o que ela quer. Ela quer que você tropece ou escorregue ou volte correndo para ela e você é melhor do que isso. Ok?"

"Ok," eu digo.

Alliott me dá um beijo na bochecha. "Nós vamos encontrar aquela vadia e enterrá-la."

O trem chega a nossa parada.

"Segure esse ódio, Ruku," diz Alliott enquanto pisamos na plataforma. "É o que ela merece."

Nós voltamos para a KMZ de mãos dadas. O Inside Man está à nossa espera na recepção. A primeira coisa que ele diz quando nos vê é, "Onde diabos está meu espartilho?"

Eu paro em surpresa. "Ah, porra."

"Aw, qualé, eu gostava daquele espartilho!" o Homem reclama.

"Você ia vender ele!" Eu digo enquanto entramos no elevador. Mas, na verdade, eu meio que sinto muito por ver ele ir embora. Eu estava usando aquela coisa há tantas semanas que ela estava começando a derreter na minha pele. Agora ela só se foi, como o resto do meu corpo.

Mas tenho algo muito melhor do que um espartilho de combate para mostrar, e esse algo é a razão de estarmos na KMZ. No momento em que entramos no quarto de Alliott, começamos a vasculhar meu novo corpo de ciborgue. O Inside Man descobre uma variedade de portas sob minha axila. Alliott procura um cabo adequado para conectar em seu laptop. Ela o encontra embaixo da cama, limpa a poeira e o conecta no meu braço. "Certo, agora vamos ver qual software você está executando."

Ela bate nas teclas por um minuto.

"Ok, hmm. Parece que o MachineGod instalou Archvile em você. É uma Arch distro, aquelas que ele usa para os apóstolos dele. Super rápido. Me dê um minuto para executar um antivírus."

Enquanto ela está olhando para a tela, o Homem dá um toque experimental na minha orelha. Involuntariamente, um miado alto vem do alto-falante em meu rosto.

Eu imediatamente coloco a mão sobre ele. Alliott e o Homem me olham como se eu tivesse um braço saindo da cabeça. E então o Inside Man toca na minha orelha novamente. Novamente eu mio como um gato no calor, e eles explodem em gargalhadas pelos mais longos vinte segundos da minha vida.

"Meu Deus, isso é tão excelente," o Homem ri, tocando em ambas as minha orelhas. Alliot apoia o laptop e se aproxima de mim. Eu fico lá, meu rosto queimando, enquanto os dois tocam minhas orelhas e explodem em risadas a cada vinte segundos pelos próximos cinco minutos. Finalmente, Alliott para de rir por tempo suficiente para verificar o antivírus.

"Parece — parece que," ela diz, rindo, "que você está — hehehehe — limpa."

Eu tampo meus ouvidos. "Você pode tipo, fazer algo sobre isso?"

Ela dá um sorriso de orelha a orelha. "Não — pfffftt — não posso."

Eu não acredito nela por um instante.

"Poderia ser muito pior," ela diz com conhecimento. "o MachineGod é um sacana, mas ele é um idiota honorável. Todas as suas suas entranhas estão ai, não tem malware, tudo que ele pegou foi seu antigo corpo. Agora vamos ver se ele deixou um MELEIA em algum lugar…"

Acontece que ele deixou vários MELEIAs. Meu corpo novo foi aparentemente adaptado de um cadáver cibernético que realmente sobreviveu a uma queda desprotegida de órbita. MachineGod colocou pele nova, trocou o esqueleto por cerâmica, e —

"Colocou uma bomba nuclear em seu peito?" diz Alliott. "Ok, não, um bateria nuclear. Jesus, quem usa energia nuclear? É 2019 — espera, é 2019, certo?"

"Sim."

"Obrigada. Sim, é a porra de 2019, ele nunca ouviu falar do efeito taumelétrico?"

O Inside Man franze a testa. "Eu não faço ideia do que você está falando."

"Certo, desculpe, meu engenheiro táumico interno. De qualquer forma, vamos ver… bateria nuclear, oooh, propulsores indutivos pulsados nos cotovelos, amortecedores de fricção, uma engine de predição de combate, ah sim, lâminas de braço integrada… Ah! Puxe o polegar esquerdo para trás. Bem forte mesmo. Polegar esquerdo!"

Eu pego meu polegar esquerdo, fecho os olhos e puxo. Em vez de arrancar meu polegar como eu meio que esperava, eu ouço o barulho de cliques de maquinário. Eu abro os olhos.

Meu braço se remodelou em um canhão largo e atarracado. Meus dedos se espalharam ao longo da borda em painéis curvos, imprensando um cano de prata. Aletas ao longo do meu braço se abriram e a parte de baixo do meu braço se empurrou para baixo, formando uma coronha. Meu polegar deslizou para trás na metade do caminho até o cotovelo. Seis polegadas de aço preto escuro estão aparecendo de cima — provavelmente aquelas lâminas de braço que Alliott mencionou. Uma parte é mosquete, uma parte é de baioneta.

"Ohhhhh eu não gosto disso. Eu não gosto disso nem um pouco," eu digo.

O Inside Man parece quase verde.

"Não se preocupe," diz Alliott. "Empurre o polegar de volta pro lugar."

Eu envolvo minha mão em volta do meu polegar e empurro. Há resistência no início, e tenho medo de que meu polegar se parta. Mas então ele desliza perfeitamente de volta ao lugar. Enquanto ele faz isso, meu braço se remodela: as aberturas se fecham, a coronha se achata e meus dedos deslizam de volta ao longo dos trilhos para seu lugar.

Eu flexiono minha mão com cautela. Ela funciona bem.

"Graças a Deus. Ok," eu digo. "Vamos ver como essas lâminas de braço funcionam."

Eu flexiono meus pulsos experimentalmente. Um par de tantos embutidos desliza do meu pulso e empala as almofadas do sofá.

"Ah, tomar no cu," eu digo. "Tinha que ser tantos."

"O que tem de errado com tantos?" diz Alliott.

"O Geist de Chicago ama tantos."

"Ohhh," Alliott diz pensativamente. "Os nazistas weebs."

"Sim."

"Eu posso resolver isso," ela diz. Ela vasculha as latas e encontra um par de lâminas grossas de prata com pontas achatadas. "Essas são chamadas de khandas. Elas são basicamente sabres da Índia. Aqui, dê uma olhada."

Eu estendo a mão e pego a lâmina de suas mãos. Ela tem um peso satisfatório e gosto bastante da ideia de substituir minhas lâminas weeb com aço indiano.

"Você pode encaixar elas pra mim?" Eu pergunto.

Ela balança a cabeça. "Me dá um minuto para encontrar as ferramentas."

"Oh, obrigada!"

Alliott dá uma piscadela. "É por minha conta." Ela localiza uma furadeira e um conjunto de chaves de fenda e começa a trabalhar, desparafusando as placas de proteção no meu pulso para expor a fiação abaixo. Logo abaixo dos fios, podemos ver as caixas finas e translúcidas contendo as provocações.

"A caixa é muito pequena," diz Alliott. "Vamos, temos que fazer maiores."

Alguns minutos depois, nós saímos dos elevadores para o espaço de criação do quarto andar. Duas pessoas passam por nós, carregando um traje MJOLNIR em tamanho real. Tem uma garota com orelhas de raposa que quase certamente são de verdade esvoaçando entre alguns cortadores a laser no canto. Nas mesas de centro, algumas pessoas estão costurando Nomex no forro de seus streetwear, Tem uma ciborgue sentada em uma cadeira de dentista contra a parede, ilegalmente fazendo overclock de seu próprio cérebro positrônico. Algumas pessoas estão perto de uma máquina de fliperama do Pac-Man, bebendo cerveja caseira.

É bom ver que algumas coisas nunca mudam.

Alliot me guia para a seção de cosplay do andar. Ela me faz sentar em frente a uma mesa comprida e colocar meu braço sobre ela. Ela tira várias medidas de meu braço exposto, rabiscando números em um bloco de notas, então desliza para um computador próximo e abre um software de CAD. Eu a vejo modelar uma caixa de plástico grossa com fundo com mola e então enviar os dados pra impressora 3D. Em minutos, ela cospe um par de caixas translúcidas do tamanho de khandas com parafusos que se alinham perfeitamente aos orifícios no meu braço.

Alliott joga as duas caixas na mesa e começa a fazer uma cirurgia eletrônica no meu pulso. Enquanto ela desconecta os fios e os agrupa para acessar os tantos, uma carranca se forma em seu rosto. "Hmm… o encaixe da caixa está conectado à sua fiação sensorial. Isso vai doer, mas não pode ser evitado. Eu vou ser o mais gentil que eu puder, ok?"

Eu faço um som exalando. "Só faça seja lá o que você precisa fazer."

"Você disse isso, não eu," ela responde. Ela pega uma chave de fenda e começa a desparafusar os cantos da caixa. Eu sinto meu braço se desfazendo e respiro fundo. Alliott faz uma pausa e aperta minha mão boa de forma tranquilizadora.

"Por que isso parece tão estranho?" Eu digo.

Alliott encolhe os ombros. "MachineGod não realmente pensa como nós — seu atributo de imperador romano é apenas um envoltório de personalidade. Eu não consigo te dizer o que ele estava pensando quando ele projetou as partes mais estranhas deste corpo."

Aliott pega uma chave de fenda e levanta a caixa. Ela desliza parcialmente. Surpreendemente, meu braço se sente muito melhor quando está feito. Eu expiro com alívio. "Me foda."

Ela bufa. "Segure isso, ok?"

"Hã?"

"As khandas. Temos que colocar elas nas caixas."

"Oh!" Com minha mão boa, eu prendo a lâmina grossa na mesa. Alliott cuidadosamente desliza a caixa ao redor dela, parando assim que ouvimos um clique. Então ela empurra a khanda em meu pulso e puxa a caixa para baixo. Dói como um filho da puta.

"Ppporra!" Eu sibilo.

"Desculpe!" Alliott exclama. "Desculpe - desculpe!"

"Está… está tudo bem," eu digo fracamente. "Não se preocupe com isso." Eu nem sabia que ciborgues podiam ter dores latejantes.

Alliott cuidadosamente parafusa a caixa no lugar, reconecta os fios em meu braço, e desliza minhas placas de proteção de pulso de volta. "Quer tentar?" ela diz.

Eu me levanto cautelosamente e agito meu pulso. Um sabre de meio metro desliza do meu braço. Eu balanço ele experimentalmente. A arma parece muito mais pesada do que os tantos; é satisfatório sem ser desajeitado. Cinquenta centímetros de aço hindu contra trinta de aço japonês? Aço hindu vence.

"Valeu a pena," eu digo.

Nós repetimos o processo com a outra mão. É um pouco mais complicado com o canhão de braço dentro, mas Alliott é boa no que faz. Estou até acostumada com a dor.

Alliott balança a cabeça em aprovação enquanto ela me observa praticar com meu novo armamento corpo a corpo. No momento em que retraio as lâminas, ela estende a mão e dá um toque na minha orelha. Eu faço beicinho, ou faço minha melhor impressão de um.

"Você fica fofa quando seus braços estão cruzados," ela diz.

"Oh meu Deus, arrumem um quarto," o Inside Man diz. Eu nem percebi que ela tinha vindo conosco.

Alliott olha para ele. "Eu arrumei."

"Bem, vá usá-lo."

Ela escarnece ele e agarra minha mão. "Certo. Vamos. Estamos falando do MachineGod — ele deve ter instalado algumas melhorias de quarto. Eu quero ver de que tipo."

"Hã?!" Eu digo surpresa. "Não deveríamos — quero dizer, nós não — nós não deveríamos estar planejando como invadir a Lua?"

"Se é tudo igual para você," diz Alliott, me arrastando em direção ao elevador, "eu prefiro ir direto pra transa."


PRÓXIMO: Cace e Obedeça


Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License