Registro de Incidente 555-1
avaliação: 0+x

SCPs envolvidos: SCP-555, SCP-███

Funcionários envolvidos: [DADOS EXPURGADOS], Dr. ███████

Data: ███████, 19██

Local: ███████████ ███

Descrição:

Em ███████, 19██, uma brecha de contenção de SCP-███ fez com que um guarda de segurança se abrigasse na sala contendo o armário de contenção de SCP-555, junto com dois funcionários Classe-D e Dr. ███████.

Um Classe-D tentou arrancar a arma de fogo do guarda de seu coldre, enquanto o outro tentava atacar Dr. ███████. O guarda atirou no primeiro Classe-D, e o cadáver se aderiu ao exterior do gabinete. O guarda então atirou no Classe-D atacando Dr. ███████, e seu cadáver colidiu com o guarda, fazendo com que sua arma de fogo disparasse. O tiro ricocheteou na parede e atingiu Dr. ███████ na cabeça, matando-o. O guarda foi posteriormente esmagado pelo cadáver de Dr. ███████ contra o armário que continha o SCP, derrubando-o e matando-o. O campo do SCP entrou em progressão geométrica e puxou os cadáveres de múltiplos funcionários mortos por SCP-███ através das paredes de concreto reforçado. Eventualmente, SCP-███ foi contido e a situação com SCP-555 foi avaliada.

Pesquisadores não foram capazes de determinar o número exato de cadáveres presos a SCP-555, mas dezessete funcionários (incluindo aqueles na sala com SCP-555) foram relatados como desaparecidos após a contenção ter sido restabelecida para SCP-███. A matéria morta havia formado uma esfera aproximada de tecido humano em torno do SCP.

Um funcionário Classe-D preso no corredor no momento da brecha de contenção teve suas pernas esmagadas por SCP-███ e foi parcialmente enterrado na esfera. Esforços para libertá-lo se mostraram inúteis e, como a força de campo de SCP-555 aumentaria em uma quantidade enorme se o Classe D morresse nas proximidades do SCP (o suficiente para cobrir toda a instalação, incluindo o necrotério), a Fundação foi forçada a empreender medidas heroicas para mantê-lo vivo. Agentes de coagulação e ventilação mecânica foram administrados; não foram administrados analgésicos opiáceos ou anestésicos devido à chance de causar a morte do Classe D; ibuprofeno, aspirina e paracetamol foram administrados após a confirmação da ausência de alergias do Classe D a estes, com efeito marginal. Paralisante muscular foi injetado por via intramuscular em pequenas doses e amarras foram instaladas após 35 horas, quando o Classe D tentou cometer suicídio batendo a cabeça contra o material circundante e tentando se estrangular.

O SCP foi movido para uma câmara de teste próxima, com medidas tomadas para remover qualquer cadáver dentro de seu raio afetado. Nesse ponto, uma traqueotomia foi realizada no Classe D, visto que foi determinado que seus gritos estavam afetando as medidas, e uma mordaça representaria risco de asfixia. Tomografia de raios-X indicou que a densidade do material aderindo ao SCP aumentava em densidade com a proximidade, aproximando-se da densidade do ferro dentro de três polegadas da superfície do SCP. Determinou-se que o material mais próximo do SCP estava extremamente quente; o material teria passado de seu ponto de ebulição se não estivesse sob pressão. Curvas de resposta previstas mostravam que se qualquer quantidade significativa de matéria morta fosse adicionada, o campo se estenderia ao necrotério do sítio. Pesquisadores próximos ao SCP observaram sintomas em si mesmos proporcionais a uma força mecânica constante puxando suas epidermes, e foram alternados a cada três horas para prevenir sintomas semelhantes aos de queimaduras. Além disso, uma força pequena, mas mensurável, em indivíduos vivos foi detectada; experimentos mostraram que a força aumentava linearmente à medida que pequenas quantidades de material morto eram adicionadas. Foi tomada a decisão de remover o material morto o mais rápido possível.

Eventualmente, foi determinado que expor a matéria a uma substância significativamente cáustica (suficiente para transformar o material em compostos simples) faria com que ela parasse de ser atraída pelo campo do SCP, com uma diminuição proporcional na intensidade e densidade do campo. Pesquisadores então experimentaram com pequenas porções de tecido humano morto e, eventualmente, descobriram que campos magnéticos de potência extremamente alta abafariam o campo do SCP. O SCP foi lentamente baixado para uma solução de alta temperatura de hidróxido de sódio, com o Classe D voltado para cima para evitar morte prematura. Um sistema de aquecimento foi instalado uma vez que foi determinado que a descompressão dos cadáveres comprimidos e (agora) resfriados estava causando o congelamento da solução. Após algumas horas, o Classe D e o material morto em torno do SCP foram completamente dissolvidos. SCP-555 foi recuperado intacto, completamente não afetado pela compressão, calor ou soda cáustica.

O conhecimento obtido durante esses esforços de contenção levou à criação dos procedimentos de contenção atuais de SCP-555.

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License