Fuller e a Instalação de Diversão da Fábrica, O Finale: Acidentes Industriais
avaliação: 0+x

Veronica olhava com os olhos arregalados de terror para o gremlin a poucos centímetros à sua frente, suas presas amarelas fedorentas expostas em uma exibição ameaçadora, prontas para arrancar seu rosto em um instante se ele estivesse descontente.

"Eu, eu não sei onde o Fuller está," mentiu ela. "Ele nos enviou aqui sozinhos, ele pode estar em qualquer lugar do Multiverso agora."

Antes que o gremlin pudesse acusá-la de mentir, o sistema de som da Instalação de Diversão ganhou vida:

"Olá? Olá? Esta coisa está ligada?" perguntou uma voz com a qual tanto Veronica quanto Manny estavam inquietamente familiarizados. "Saudações, clientes da Instalação de Diversão da Fábrica. Estou aqui em nome da Unidade de Incidentes Incomuns do Departamento Federal de Investigação dos Estados Unidos - divisão de saúde e segurança. O que não deve surpreender ninguém, este parque temático falhou em sua inspeção de saúde e segurança. O mais alarmante são as altas concentrações de ferrugem alquímica no ar, um conhecido fator de risco no desenvolvimento de Pulmão de Ferro. Eu recomendo que todos consultem um alquimista sobre as opções de tratamento o mais rápido possível."

"Receio que este parque seja muito perigoso para a segurança pública para permanecer aberto, então terei que insistir que todos vocês evacuem de maneira calma e ordenada enquanto mando este monte de sucata pelos ares."

Uma cacofonia de engrenagens guinchando, caldeiras explodindo e gritos aterrorizados ressoou no ar, sacudindo o chão e os edifícios da Instalação de Diversão como um pequeno terremoto. Os braços mecatrônicos da Linha de Montagem cessaram sua estranha dança e, em vez disso, se voltaram uns contra os outros, se debatendo e batendo uns nos outros com ferocidade descontrolada, enviando faíscas e pedaços de metal voando em todas as direções.

Os gremlins abandonaram suas duas vítimas e fugiram para as sombras, seus braços erguidos sobre suas cabeças em uma tentativa desesperada de se proteger dos destroços voadores. Veronica e Manny pularam do carrinho, e com Manny se colocando entre ela e os mecatrônicos com defeito como proteção, eles correram o mais rápido que podiam.

A cena que os recebeu do lado de fora não era de segurança, no entanto. A montanha-russa havia sido empurrada além de seus limites, de modo que seus trilhos cederam e o trem de carros foi lançado ao chão. A Roda de Sísifo havia saído de seu eixo e agora rolava pelo recinto do parque, fazendo com que clientes fugissem em pânico e esmagando tudo em seu caminho. O mais preocupante era a Chaminé, que agora soltava fogo em vez de fumaça, e produzia um barulho profundo que sinalizava uma catástrofe iminente.

"Todos, por favor, permaneçam calmos!" Hasselflax gritava enquanto tentava desesperadamente desfazer o pandemônio que havia estourado. "É tudo parte da diversão!"

"Manny, os portões," disse Veronica, apontando para a entrada. Os portões tinham sido fechados, e vários guardas de segurança eidolônicos agora trabalhavam para repelir a multidão à força. "Eles não estão deixando ninguém sair."

"Com medo da publicidade negativa, imagino. Não há muitos guardas, você e eu podemos forçar passagem por eles. Vamos."

Eles não conseguiram dar mais do que alguns passos antes de Hasselfax correr na frente deles para detê-los.

"Opa opa opa, aonde vocês dois estão indo? Vocês acabaram de chegar aqui. Vocês não querem ir em mais algumas atrações? Comer um mingau? Ah, eu já dei um balão de chumbo pra vocês?"

"Saia da nossa frente," ordenou Manny.

"Não, vocês têm que ficar. Este é apenas um pequeno problema técnico," insistiu Hasselflax. Atrás dele, um porco monstruosamente gordo atravessou a parede da exposição da Fazenda da Fábrica, seu volume maciço apoiado em um par de pernas curtas que teriam sido fofas se não parecessem tão agonizantemente dolorosas. Lutando para ficar em pé sobre os cascos rachados e sangrando, o porco avançou e pegou um gremlin fugitivo em suas mandíbulas, mastigando-o com força suficiente para esmagá-lo em uma mordida. "Veja, agora os animais estão soltos. Ouvimos suas preocupações, nos preocupamos muito com o que vocês pensam."

Hasselflax sacou o walkie-talkie e o levou à boca.

"O que diabos o Aloysius está fazendo?" perguntou ele. "Alô, alguém?"

Manny tentou passar por Hasselflax novamente, mas o Moderador de Diversão empurrou de volta com uma força surpreendente e sacou um aguilhão de gado.

"Eu disse que vocês não vão a lugar nenhum!" gritou ele. "Vocês não sabem o que os Capatazes farão conosco se isso fracassar. Vocês têm que ficar! Vocês têm que se divertir!"

Manny deu um soco no rosto do Moderador, derrubando sua máscara.

O que eles viram debaixo da máscara os deu calafrios até os ossos.

Em vez de um rosto, havia um buraco cortado na frente da cabeça cinzenta do Moderador. Mas a palavra buraco não fazia justiça, visto que o interior do crânio não estava em lugar algum. Em vez disso, havia um vazio, de dimensões desconhecidas, mas certamente impossíveis. O ar podia ser visto fundo para as bordas do vazio e afundando para dentro, como se estivesse sendo resfriado e condensado pela pele frígida do ser e depois puxado para dentro da caverna vazia por sua pura densidade.

Sem a máscara para abafá-lo, o som fraco e ecoante do vento podia ser ouvido dentro da cavidade, e a escuridão oca do vazio era profunda o suficiente para se destacar mesmo nos arredores escuros e cheios de poluição do recinto do parque. Embora o vazio parecesse ter nada, os olhares de Manny e Veronica permaneceram fixos nele, como se estivessem olhando para algo abominável.

E então, em algum lugar no fundo daquele abismo, algo olhou de volta para eles.

Pensando que eles estavam paralisados, Hasselflax pulou para matá-los. Antes que ele conseguisse tocá-los, Manny voltou à vida e em um instante agarrou os dois pulsos de Hasseflax em um aperto forte.

"Veronica, vá para o portão agora! Eu te alcanço!" gritou Manny. Veronica, apavorada demais para discutir, fez o que ele disse. Com ela em segurança e fora do caminho, Manny sorriu e se inclinou em direção a Hasselflax. "Agora é a sua vez de ver o que está por trás do meu rosto."

Veronica não olhou para trás, nem mesmo ao som dos gritos de gelar o sangue de Hasselflax. À sua frente, os guardas eidolônicos de segurança haviam barricado com sucesso o portão principal e estavam mantendo a multidão afastada. Não havia como ela chegar aos guardas passando pela multidão, então ela teria que passar por cima.

Sacando seu baralho de cartas de truque, ela jogou todas as cartas numeradas no chão em uma grade de seis por seis. A grade ficou envolta em uma aura azul compartilhada que permitiu que ela levitasse as cartas como uma, mesmo com ela de pé sobre elas. Ela se levantou a cerca de três metros do chão, atraindo imediatamente a atenção dos guardas. Enquanto eles se atrapalhavam para trocar seus aguilhões de gado por armas, ela jogou um par de Coringas Selvagens na direção deles. As cartas giraram pelo ar em alta velocidade, decapitando os guardas e encharcando a multidão em suas vísceras amarelas pressurizadas.

Um Moderador jogou uma lata de mingau na cabeça de Veronica, atingindo-a com força suficiente para derrubá-la de sua plataforma levitante. Deitada no chão coberto de fuligem, segurando a cabeça em dor, ela olhou para cima para ver numerosos rostos sorridentes enferrujados, todos olhando para ela.

"Caralho, você acha que essas coisas dão em árvore?" um deles exigiu, gesticulando para os guardas eidolônicos caídos. "Prendam ela para que ela não cause mais problemas, e a gente lida com ela assim que as coisas se acalmarem."

Dois dos Moderadores a agarraram pelos braços antes que ela pudesse invocar suas cartas. Ela chutou e lutou enquanto eles a levantavam, apenas para deixá-la cair ao serem atingidos por rajadas de luz brancas, seus casacos e máscaras caindo no chão em pilhas fumegantes. Ela ergueu os olhos perplexa, apenas para ver Fuller parado segurando sua Arma Wondertainment Solar Hiper DivertidaTM.

"Fuller. Você, você me salvou – você está coberto de bosta amarela," disse ela.

"Parece que há muito dela por aí," disse ele com um sorriso, sinalizando com a cabeça para os restos dos guardas que Veronica tinha matado. "Bom trabalho."

Um par de mãos fortes agarrou Fuller por trás e o girou para que ele ficasse de cabeça para baixo na frente de Manny.

"O que você fez?" O Homem com o Rosto Virado para Baixo exigiu.

"Bem, de uma perspectiva puramente técnica, não tenho certeza. Eu só mexi com alguns botões até que todos os mostradores de aviso ficassem no vermelho," respondeu ele.

Manny rosnou para ele, mas manteve seu temperamento sob controle quando viu a multidão ainda tentando passar pelos portões trancados.

"Veronica, use suas cartas para cortar as correntes das trancas," disse ele. Ela balançou a cabeça e envolveu uma de suas cartas em uma aura vermelha afiada, puxando-a para trás em antecipação ao lançamento.

"Fiquem parados," ordenou uma voz sedosa, mas gutural, que reverberava pelos recintos do parque. Veronica congelou, sua carta ainda na mão, assim como Fuller e Manny e todos os outros clientes. "Contemplem."

Ao pedido da voz, todos se viraram para ver o ser ao qual ela pertencia. Ali, envolto na espessa poluição atmosférica, estava um Capataz da Fábrica.

Era difícil dizer o quão grande ele era, visto que sua forma estranha e o ambiente à sua volta dificultavam medir distâncias. Seu torso era humanoide, embora com as costas corcundas e a coluna curvada. Em vez de pernas, ele tinha uma cauda longa e serpentina sobre a qual deslizava pelo chão e, em vez de braços, ele tinha dois longos tentáculos. Sua cabeça estava sobre um pescoço longo e torcido e seus pequenos olhos estavam recuados em duas órbitas profundas e pretas. O mais perturbador de tudo era sua forma, que estava coberta por inúmeras criaturas pequenas, escuras e semi-humanoides tipo parasitas, seus olhos vermelho-ferrugem brilhando furiosamente na escuridão.

Herman ergueu a arma para atirar na criatura, ou exército de criaturas, mas se viu incapaz de atirar quando ela ergueu o tentáculo em um gesto claro de parar.

"Lamentamos a interrupção," sibilou o Capataz, todas as suas bocas se movendo em perfeito uníssono enquanto a voz única parecia vir de nenhuma delas. "Vocês serão compensados com oportunidades de emprego. Reportem-se ao centro administrativo para entrevistas, avaliações, reorientação e baldes sépticos complementares."

Todos ficaram parados, simultaneamente aterrorizados com as consequências de obedecer e de desobedecer. O Capataz rugiu para eles para instigá-los a agir, mas seu grito foi abafado pela erupção da chaminé atrás dele. Entulho derretido começou a chover sobre o parque como lava de um vulcão, com uma gota atingindo o capataz, o metal incandescente derrubando-o no chão.

Isso foi o suficiente para quebrar o domínio do Capataz sobre a multidão. Veronica se virou e jogou sua carta, cortando as correntes que mantinham os portões fechados. A multidão imediatamente abriu os portões e saiu correndo da Instalação de Diversão o mais rápido que seus pés podiam carregá-los.

"Não se esqueçam de carimbar suas mãos para reentrar," desse a atendente da cabine, lacrimejando apesar de seu sorriso indelével.

O Capataz ferido deslizou atrás da horda em fuga, saindo do portão com a ajuda de seu tentáculo restante. Não foi o terço de seu corpo que ele perdeu para a chuva de metal ardente que o parou, mas o ar fresco que estava além dos limites de seu domínio. Ele não podia arriscar isso em seu estado enfraquecido, então com um rosnado amargo ele relutantemente recuou de volta para o calor, escuridão e poluição sufocantes que era a Instalação de Diversão da Fábrica.


Na tenda do Mestre de Cerimônias, Herman Fuller recostava-se em sua cadeira com os pés sobre a mesa, fumando um charuto com satisfação presunçosa. À sua frente, O Homem com o Rosto Virado para Baixo estava sentado com os braços cruzados sobre o peito, decididamente menos satisfeito com o desenrolar dos acontecimentos.

"Estou de volta," anunciou Veronica ao entrar na barraca, segurando uma cópia do Viajante Semanal em uma mão e um pacote de seis Causta ColaTM da Doutor Wondertainment na outra. "Você tem certeza de que essas coisas são tudo o que precisamos para tirar essa maldita ferrugem dos nossos sistemas?"

"Positivo," disse Fuller enquanto abria uma garrafa e, em uma demonstração anormal de comportamento cavalheiresco, a entregava a Veronica. "Reggie usa isso para manter seu próprio Pulmão de Ferro sob controle. Essa coisa removeria até a ferrugem comum de pregos e, se você olhar de perto, você consegue ver um pouco da Luz Maravilha em cada bolha. Mais do que suficiente para se livrar de um pouco de Ferrugem da Fábrica."

Veronica toma um grande gole do refrigerante e então desdobra o jornal para ler a manchete.

" 'Instalação de Diversão da Fábrica Dá Fantasticamente Errado'," leu ela. "'Após apenas algumas horas de operação, as atrações da Instalação de Diversão sofreram uma série de mau funcionamentos desastrosos, exigindo a evacuação imediata do parque. A Instalação está agora completamente abandonada e enterrada em sua maior parte por uma enorme quantidade de entulho de ferro que parece ter vindo de uma explosão de fundidor. A Fábrica em si, emitiu uma declaração alegando que o parque de diversões era uma imitação não licenciada para lucrar com sua boa reputação e que eles nunca se rebaixariam a algo tão improdutivo quanto o entretenimento. Relatos de testemunhas sugerem que um agente da UIU pode ter estado envolvido na destruição da Instalação de Diversão, mas isso ainda não foi confirmado'."
"Blá blá blá, não há menção de nós aqui."

"Maravilhoso," Fuller sorriu.

"Maravilhoso? Você seriamente acredita que a Fábrica não sabe que foi você quem explodiu o parque temático deles?" exigiu Manny. "Quantas pessoas sabiam quem você era?"

"Vejamos; tinha a recepcionista no prédio da administração, alguns Moderadores na sala de controle, Aloysius, a Supermente dos eidolônicos que eu matei," respondeu Herman. "O Aloysius está morto, a recepcionista e os moderadores provavelmente estão mortos ou tomaram a deixa para fugir da Fábrica, então não vão falar de qualquer jeito, e os coletivos eidolônicos são notoriamente maus comunicadores. Eu não acho que A Fábrica saiba que fui eu, não com certeza, e mesmo que eles saibam, eles não vão se importar."

"Eles não vão se importar?"

"Você ouviu a Veronica, eles estão negando que a Instalação era deles para começar. Eles não estão mais no negócio de entretenimento anômalo, o que significa que não somos mais concorrentes, então eles não têm motivos para vir atrás de nós. A vingança não está em seu método. Não há lucro nisso."

"E que tal enviar uma mensagem para qualquer outra pessoa que possa tentar destruir seus bens. Isso não é lucrativo?"

"Para fazer isso, eles teriam que reconhecer publicamente que destruí a Instalação em primeiro lugar, e eles claramente decidiram que isso é uma má jogada. Eles se renegaram de toda a empresa e estão ansiosos para seguir em frente. Eu aplaudo a habilidade deles com a mídia."

"Você nem quer adicioná-los à sua lista de inimigos?" perguntou Veronica.

"Nem mesmo tentado. Está tudo bem com A Fábrica," concordou ele.

Manny sacudiu a cabeça com desdém, mas claramente não tinha nenhum resposta que ele achava que Herman também ouviria.

"Bem, eu te concedo isso, velho; você tem mais coragem do que eu pensava," disse ele.

"E não se esqueça disso," disse Fuller com uma balança de seu dedo. "Já que estamos no assunto de esquecer, me lembre de agradecer ao Wondertainment pela Arma Solar Hiper Divertida tê eme da próxima vez que vermos ele. Aquela coisa realmente salvou meu cu mais cedo."

"Epa," murmurou Veronica enquanto lia mais adiante no artigo do jornal.

"O que?" perguntou Fuller.

" 'Em uma declaração oficial do pequeno Larry Little da Torre Maravilha do Mundo Maravilhoso da Wondertainment, a notícia da Instalação de Diversão da Fábrica levou a Dr. Wondetainment a considerar a abertura de seu próprio parque temático'," leu ela em voz alta. " 'O projeto, temporariamente intitulado Wondertainment Land®, estará provavelmente localizado nos Estados Unidos continentais e espera criar um nicho para si mesmo como um destino de primeira na indústria anômala de turismo e entretenimento,'."

Fuller arrancou o jornal dela e começou a lê-lo ele mesmo, seu rosto ficando mais vermelho e o olho esquerdo se contraindo com mais fervor a cada palavra que passava.

"Ah, Fuller?"

"AQUELA DESCULPA ENJOATIVA DE UM FILHO DE AMANTE DE DIVERSÃO ESTÁ INVADINDO O MEU MERCADO!" gritou ele, jogando a garrafa de Causta ColaTM da Wondertainment em direção à luminária de chão, apenas para sua luminária nêmesis girar com força suficiente para golpeá-la de volta, atingindo-o na cabeça e nocauteando-o.

Manny e Veronica olharam indiferentes para seu corpo caído, tomando calmamente seus próprios refrigerantes enquanto ele jazia inconsciente no chão.

"Por que ele ainda deixa aquela luminária aqui?" perguntou Veronica.

"Diz ele que ele queima luminárias comuns muito rápido, então ele fez uma que podia resistir," respondeu Manny. "Eu acharia que seria humilhante perder tanto para uma luminária, mas isso sou eu."

« ATO III | Central |

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License