Entrevista 882-1
avaliação: 0+x

Entrevistado: Richard Wright

Entrevistador: Dr. Gears

Prefácio: Richard Wright é identificado como um sobrevivente da pequena comunidade próxima à localização de recuperação inicial de SCP-882.

<Iniciar Registro de Áudio, [13:04]>

Dr. Gears: Por favor, se sente. Diga seu nome para a gravação, por favor.

Sr. Wright: Richard Logan Wright… mas todos me chamam de “Rich”.

Dr. Gears: Excelente, obrigado, Sr. Wright, você se lembra da data quando você viu o objeto em questão pela primeira vez?

Sr. Wright: Deus, quando foi isso… eu não tenho certesa, isso foi a algum tempo… Allen achou isso primeiro, ferrou o barco nele nisso. Ele disse alguns dos outros caras sobre, disse que eles podiam vender isso por um bocado para sucata. Todos nós pensamos que isso fosse um pedaço de um jato ou um navio de carga.

Dr. Gears: Em que ponto o aparelho começou a operar?

Sr. Wright: No dia seguinte. Coisa maldita soltou ferrugem como um cachorro empulgado. Começou rodando lentamente, aí ficou mais rápida. Até eu ver isso, já estava funcionando. Jimmy tentou ficar mais perto, tentou ver o que estava dando energia, ou porque estava tão quieto, mas ele tropeçou. Ganhou um corte feio no olho e correu de lá feito danado. Allen parecia meio estranho. Ficou perguntando se a gente ouvia alguma coisa. Sra. Parker pentou que parte daquilo era ouro, até tentou travar parte disso com um cano pra alcançar. Aquele cano prendeu rápido, e bateu nela bonito quando a engrenagem onde ele estava rodou. Depois disso a maioria das pessoas ficou longe.

Dr. Gears: Teve algum outro incidente de pessoas se machucando ou ouvindo barulhos?

Sr. Wright: Não no começo. Esse é o curioso, isso era tão quieto, todos meio que esqueceram disso por um tempo. Allen mantinha isso em um armazém velho no porto, e ninguém ia lá muito. Ele começou a ficar feio. Dizia que não conseguia dormia, que ele ficava ouvindo aquela coisa triturar de longe. Padre Pat começou a visitar, tentou falar com ele, disse pra ele se livrar disso. Ele ficou fora durante uns dias, aí de repente os dois aparecem juntos, felizes como moluscos… (sujeito se distancia, sacudindo levemente)

Dr. Gears: …Sr. Wright?

Sr. Wright: (sujeito esfrega rosto e sacode a cabeça) Estou bem, desculpe. Então Padre Pat e o velho Allen aparecem, frescos como margaridas. Dizem que entenderam a coisa. Eu não estava prestando muita atenção, essa coisa me deixava assombrado. Ouvia coisas do cômodo da loja… trituração e grunhidos, bem quietos. Então, eles disseram algo maldito sobre isso ser de outro lugar… que Deus fez isso. Isso bastou pra mim, e eu saí.

Dr. Gears: Você acreditou neles?

Sr. Wright: O quê, que isso era de Deus? Não, não… Eu não sei… Eu não sabia muito o que pensar. Essa maldita máquina ficava rodando longe, sem energia, e comendo metal também! Aquele cano que Sra. Parker bateu na coisa? Virou uma vara gigante de parafuso, parecendo que sempre esteve ali. Mais pessoas começaram a ter interesse, começaram a ouvir Allen e Padre Pat. Falaram pra todo mundo levar metal pra isso. Falaram pra eles que as engrenagens eram a voz de Deus, que ela ficava alta quando nos distanciávamos e baixa quando levávamos oferendas.

Dr. Gears: Você também levou metal pra isso, ou ficou um período extenso perto do objeto?

Sr. Wright: (sujeito fica em silêncio durante vários segundos) …O que diabos isso importa? Dava pra ouvir essa coisa na cidade inteira, o povo nem podia dormir! Só grasnindo, moendo, critando todas as horas da noite… dar metal ajudava. Droga, eu nem queria, eu sabia que não era Deus, eu nunca disse que era! Todo o resto estava caindo por cima dos outros pra fazer Allen e Padre Pat feliz, eu só queria um pouco de cochilo! Não tem uma droga de coisa errada com isso! (sujeito bate em mesa com as mãos, está extremamente chateado e respirando pesadamente)

Dr. Gears: Senhor, eu vou pedir que você se acalme. Eu estou fazendo perguntas, não acusando. Por favor volte ao seu assento.

Sr. Wright: (respira fundo várias vezes) Desculpe. Durante algumas semanas, tudo foi dado pra essa coisa. Era só… como as coisas eram. Nós éramos bem isolados, sabe? Não era como se tivéssemos muito. Você só faria umas viagens até o armazém e jogava qualquer metal que tivesse achado . Sempre parecia que tinham pessoas lá, só olhando isso. Isso fez um buraco no teto depois de um tempo. Padre Pat começou a ficar estranho, falando pra nós que não era o suficiente. Eu acho que o barulho estava dando nos nervos dele. Disse que precisava de algo mais significativo… (sujeito se distrai)

Dr. Gears: …Sr. Wright?

Sr. Wright: (se mantém em silêncio durante 48 segundos) Eu vim um uma noite, porque eu ouvi pessoas gritando do armazém. Padre Pat estava liderando uma oração pra essa coisa, mas não soava como nenhuma oração que eu conhecia. Pessoas vinham e ele se curvava até elas. Elas gritavam, e aí ele virava pra essa massa enorme de metal. Eu… eu pensei que ele estava fazendo comunhão… até eu ver a pinça na mão dele.

Dr. Gears: Desculpe, pinça?

Sr. Wright: Ele estava puxando os implantes das pessoas. Ele estava arrancando seus malditos dentes e dando para aquela coisa! (sujeito está gritando, aparenta estar extremamente chateado) Ele começou a gritar sobre isso não ser o bastante! Que aquilo precisava de mais , mas não tinha mais nada, mal tinha metal sobrando em qualquer lugar! Aí ele apontou para Allen. Ele disse que ele estava escondendo metal da grande máquina. Allen gritou que ele não tinha nada. Padre Pat disse que ele tinha um disco de metal no quadril. Todos levantaram de uma vez. Oh Deus, oh Deus… eles pegaram ele, todo mundo só pegou ele…. ele começou a gritar… (sujeito está chorando e gritando) Ele continuou gritando e gritando, e ninguém gritou, e ninguém se importou… Eu vi o braço dele entrar, vi todos os dedos quebrarem e puxar o resto do braço… e eu corri. O que eu podia ter feito? Jesus, eu não podia parar isso, tinham muitos, e aquela coisa estava gritando e gritando e gritando e Allen estava gritando e Padre Pat… (sujeito cai no chão, soluçando e gritando)

Dr. Gears: Essa entrevista está concluída. Obrigado, Sr. Wright. Segurança, por favor escolte Sr. Wright pra fora.

< Fim do Registro>

Declaração Final: Sr. Wright tentou se suicidar pouco tempo depois dessa entrevista. Sujeito atualmente está sendo mantido em guarda de suicídio e para observação.

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License