Riscocognitivo de Abacaxi
avaliação: +1+x

Ato I - Cena I


O bar integrado da cafeteria do Sítio-96. Oito banquinhos vermelhos estavam alinhados no bar, que tem uma prateleira de três níveis contendo várias bebidas alcoólicas, bem como uma série de garrafas de plástico com símbolos numéricos e rótulos de advertência.

O barman, Dana Parry, acabara de limpar o balcão do bar. Na outra extremidade do bar, sentada em um banquinho, está a barwoman temporária, Jazz Korbachev, que está usando seu telefone, desatenta. Jazz é uma engenheira da Fundação e está trabalhando no bar.

Dana caminha até a porta (à direita do palco) e troca a placa de "Desculpe, estamos fechados" suspensa por uma que dizia "Estamos abertos, Entre!". Ao retornar ao bar, uma mulher com um jaleco entra, que Dana claramente reconhece. A mulher é a Dra. Evelyn Ledd, uma pesquisadora da ala temporal do Sítio. Ela rapidamente caminha até o bar e se senta. Seu rosto está trancado em um olhar vazio e ela tem bolsas enormes sob os olhos.

DANA
Jesus, Evelyn, eu não te vejo desde a semana passada, você está horrível.

EVELYN

DANA
Evelyn?

EVELYN


Dana estala os dedos na frente de Evelyn, que mal reage.

DANA
Evelyn, você tá bem?

EVELYN
Olá, Dana.

DANA
(suspirando)
Quanto tempo foi dessa vez?

EVELYN
Quatro anos.

DANA
Desculpa, o que?

EVELYN
Mil, quinhentos e vinte e oito dias.

DANA
Oh… oh meu deus. Oh meu deus.

EVELYN
(soluçando em suas mãos)
Eu não consigo… eu não aguento mais, Dana. Eu não aguento mais, eu preciso… sair… eu preciso ir a algum lugar, eu preciso-

DANA
Você não precisa se demitir, você só precisa de algo para beber.

EVELYN
O que, essa porcaria amarela?

DANA
Ela funciona. Ela vai ajudar.

EVELYN
Ela nem mesmo tem o nome certo.

DANA
Eu vou te fazer uma.


Dana rapidamente pega uma garrafa de suco de abacaxi e coloca uma pequena quantidade em uma coqueteleira, também adicionando um pouco de rum branco e uma gota de líquido viscoso de um recipiente de plástico com uma série de rótulos de advertência colados aleatoriamente em sua superfície. Ele despeja a bebida da coqueteleira - uma lama amarela espumosa que enche o copo de Evelyn até a borda.

DANA
Evelyn, por favor, tome.


Evelyn, tremendo, olha para a bebida. Ela se senta, imóvel, por um período desconfortavelmente longo de tempo, antes de estender a mão para o copo. Assim que ela faz contato com ele, ela o leva á boca e bebe tudo em um só gole. Colocando o copo de volta no balcão, Evelyn lentamente se levanta e caminha até uma poltrona nos fundos do bar (esquerda do palco), onde ela se senta, e não cinco segundos depois, está dormindo.

JAZZ
Jesus cristo, quatro anos. É melhor eles estarem pagando a ela por esse tempo.

DANA
(limpando o interior do copo de Evelyn com um pano)
É inimaginável o que isso faz com alguém. Eu só espero que a Correção Patafísica seja suficiente para desfazer um poucos daqueles danos.


Enquanto Dana faz outro lote da bebida amarela, quatro homens em macacões laranjas entram. Cada um se senta na mesa mais distante da porta e começam a conversar entre si. Depois de um tempo, um deles caminha até o bar.

D-411
Olá Dana.

DANA
Boa tarde, quatro onze.

D-411
Ahh, qualé, você pode me chamar pelo meu nome verdadeiro. Só desta vez?

DANA
Você sabe que não posso.


Dana se vira e pega duas garrafas não marcadas de um líquido azul e as coloca na coqueteleira. Depois de algumas sacudidas, ele derrama um líquido vermelho inexplicavelmente brilhante em 4 copos e os dá para D-411 em uma bandeja.

D-411
Bem, talvez na próxima então, hein?

DANA
Claro, claro.


D-411 leva a bandeja de volta para a mesa e cada homem pega um copo e começa a beber sua bebida.

JAZZ
Esse ai tem uma queda por você.

DANA
E dai?

JAZZ
Você tem uma queda por ele?

DANA
Inapropriado e irrelevante.

JAZZ
Eu te entendo.

DANA
Nojento.

JAZZ
Qual é, só admita, você tem uma-

DANA
Eu não tenho a porra de uma… Eu sou casado!

JAZZ
Eu sei, eu sei, eu só to me divertindo um pouco.

DANA
Bem, pare com isso, certo? Não preciso de um algum Nível 4 comendo meu cu porque acha que estou ficando atrevido com os prisioneiros de verdade que mantemos aqui, o que, para ficar bem claro, não estou.

JAZZ
Certo, certo, entendi. Desculpe.

DANA
Completamente desnecessário…

JAZZ
Sinto muito, ok? Genuinamente.


Pausa curta.

DANA
Eu… tudo bem, nós não precisamos nos preocupar com isso, está tudo bem.

JAZZ

DANA
(suspirando)
Como está o trabalho?

JAZZ
Assumo que você não esteja se referindo a este, agora?

DANA
Não, não o serviço de bar. Seu trabalho real.

JAZZ
Não muito ruim. Romano e eu estamos trabalhando com algumas alas ultramarinas em algumas coisas. Não posso dizer muito mais, você sabe como é.

DANA
Alas ultramarinas, hein. Alguma tecnologia experimental ou algo assim?

JAZZ
Só alguns detalhes de contenção de longa distância e outra coisa que é… meio chata.

DANA
Eu conheço esse sentimento.

JAZZ
Heh, sim, embora isso não seja exatamente algo que eu possar ficar procrastinando… é meio que um grande negócio. Tem uma enorme bolsa de energia na-

DANA
Uhhh, é melhor parar por aí, hein? Não queira que as informações erradas caiam em blah blah blah et cétera.


Jazz ri silenciosamente.

JAZZ
Certo.


Dana termina de limpar os copos e começa a separar as garrafas na prateleira. Jazz continua usando seu telefone. Um dos funcionários Classe-D sai do bar, enquanto os outros três permanecem à mesa, falando baixinho. De repente, um tiro ecoa nos bastidores.

JAZZ
Puta que pariu, Dana, coloque a gente em confinamento.

DANA
Merda, merda, merda, merda…


Dana remexe embaixo do bar, procurando por algo. Depois de um segundo, ele se levanta, segurando uma chave. Ele corre até a entrada do bar e abre uma pequena escotilha rotulada "confinamento".

D-411
Whoa, espere ai, vocês tem certeza de que é uma brecha? Foi apenas um tiro.


Dana para e pensa por um segundo antes de se afastar da escotilha.

DANA
Eu… acho que você está certo. Deixa eu ir lá ver.


Dana joga a chave para Jazz, que por pouco a pega.

DANA
Se alguém começar a gritar, confinamento.


Jazz balança a cabeça. Dana sai do bar e desce do palco.

DANA
(de fora do palco)
Puta merda!


Jazz corre para o painel de confinamento, mas Dana corre de volta e a para.

DANA
Pare, pare! Não nos coloque em confinamento, não é uma brecha.

JAZZ
O que é então?

DANA
Romano… Romano deu um tiro em si mesmo.


Todo mundo está sem palavras. Dana se abaixa lentamente até o chão, seu rosto cheio de choque.

JAZZ
Eu… o quê?

DANA
(Segurando as lágrimas)
Eu corri pelo escritório dele e ele… tinha um buraco… ele estava no chão… e a arma…

D-411
Ei, uhh, devemos ir?

JAZZ
Ninguém se mova, ninguém faça nada.


Vários pesquisadores e funcionários passam correndo pela porta do bar. Uma comoção pode ser ouvida fora do palco.

DANA
Eu… porra…


Dana se levanta e agarra a coqueteleira que ele usara para o líquido amarelo. Ele pega o copo mais próximo e derrama uma camada minúscula.

JAZZ
Oh… você tem certeza, Dana? Você nunca foi capaz de suportar a Correção Patafísica.

DANA
Eu me viro.


Dana bebe a fina camada de líquido. Ele estremece por um momento, antes de respirar um suspiro de alívio.

DANA
Ugh, eu tinha me esquecido como esse treco faz você se sentir nojento.

JAZZ
Mas está melhor?

DANA
Sim, claro.


Um homem baixo em um terno de negócios corre para a sala. O homem é Michael Handler, um contador da Fundação.

MICHAEL
Ei pessoal, não precisam se alarmar. Nada brechou contenção, vocês podem todos cuidar de seus próprios negócios.

DANA
Whoa, whoa, Michael.


Dana anda até Michael.

DANA
(sussurrando)
O que caralhos aconteceu com o Romano?

MICHAEL
(sussurrando)
Não temos certeza ainda. Pelo que estava na tela de seu laptop, parecia que um projeto em que ele estava trabalhando falhou, mas ninguém sabe ao certo o que é ainda.

DANA
(sussurrando)
Jesus, isso é horrível.

MICHAEL
(sussurrando)
De fato. Ouça, eu vou espalhar a palavra, mas não se preocupe, não é nada para se alarmar.

DANA
(sussurrando)
Espere, se você não se importar, qual projeto?

MICHAEL
(sussurrando)
Ah… eu não sei, algo a ver com a Coreia do Norte. Eu te aviso se eu ouvir mais alguma coisa.

DANA
Obrigado, Michael. Boa sorte e vá com Deus.


Michael Handler sai do bar. Dana volta ao bar e começa a limpar seu próprio copo. Enquanto os funcionários Classe-D restantes saem do bar, Jazz vai até Dana.

JAZZ
Então, o que foi isso?

DANA
Parece que Romano teve um projeto falhado.

JAZZ
Entendo… você… você sabe que projeto?

DANA
Handler disse que tinha algo a ver com a Coreia do Norte, por quê?

JAZZ

DANA
(para de limpar o copo, parecendo preocupado)
Por que, Jazz?

JAZZ

DANA
Jazz?

JAZZ
Puta merda.


Jazz sai correndo do bar e para fora do palco. Dana pragueja baixinho e corre logo atrás.

Fim Da Cena

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License