Proposta Spatial
avaliação: +23+x

ACESSO RESTRITO POR ORDEM DO CONSELHO LUSÓFONO DE DIRETORES

O documento que você está prestes a acessar requer o Nível de Acesso de Segurança 5/001-PT.

Seu acesso a este arquivo será notado, arquivado e monitorado. No evento de um acesso não-autorizado, seu terminal se tornará inoperável. Oficiais da equipe de segurança serão enviados para apreendê-lo e escoltá-lo à uma cela de detenção para interrogatório. Tentativas de acessar este documento de um computador não conectado a intranet da Fundação resultará em terminação imediata independente do seu nível de permissão de acesso.


Item nº: 001-PT
Nível5
Classe de COntenção:
esotérica
Classe Secundária:
cernunnos
Classe de Disrupção:
vlam
Classe de Risco:
warning

Procedimentos Especiais de Contenção: Os procedimentos de contenção atuais visam gerir e controlar os efeitos anômalos do objeto enquanto no desenvolvimento e execução de procedimentos técnico-científicos para o beneficiamento de suas paratecnologias relevantes.

Estabelece-se o Projeto Baluarte, compreendido pela Força-Tarefa PT1-Θ — "Guardiões do Portão", para a administração de processos, recursos técnico-cientifícos e demais ativos e passivos relacionados ao objeto.

Designa-se um repositório especial estabelecido entre as instalações seguras Sítio PT7, PT17 e PT33, gerenciado pela IA Camomila, para o armazenamento categórico de todos os artefactos documentais relacionados ao Projeto Baluarte.

Configuram-se as Instalações como áreas de nível de biossegurança 4 (NB4). Designam-se os seguintes destacamentos da Força-Tarefa PT1-Θ, "Discípulos de Teseu" e "Fios de Ariadne", especialmente, para exploração e asseguração de recursos existentes nas Instalações.

Os departamentos relacionados com a manutenção e segurança de instalações deverão ter acesso a um dossiê atualizado, compreendendo informações básicas sobre a existência do objeto e seus procedimentos iniciais de contenção.

Demais indivíduos deverão ser instruídos sob as diretrizes de protocolos de desinformação interna, garantindo-lhes apenas o conhecimento superficial de como identificar manifestações do objeto para conseguinte comunicação aos entes para asseguração inicial destes fenômenos.

O local imediato com a manifestação de um portal de acesso à anomalia deverá ser isolado como uma Área de Projeção, mantida durante a vida útil ou desativação do acesso. Áreas de Projeção configuram áreas de nível de biossegurança 3 (NB3), que deverão ser isoladas com estruturas de bioconteção e monitoradas audiovisualmente.

Configura-se de uso obrigatório e compulsório o conjunto padrão de Equipamentos de Proteção Individuais, compreendido por Hazardous Materials Suits de Nível A1 adaptadas com armaduras corporais de NIJ Nível II e Aparelhos Respiratórios Isolantes de Circuito Aberto.

O transporte de materiais de Áreas de Projeção deverá ser realizado por intermédio Unidades de Suspensão Biológica adaptadas de acordo com a necessidade do material transportado; manipulação destes materiais está condicionada à ambientes de biossegurança de nível 3 e superior.

Indivíduos expostos à Essência deverão ser submetidos aos processos padrões de anamnese, exames físicos e psicológicos, de modo a qualificar sua saúde e auxiliar no diagnóstico, tratamento, acompanhamento terapêutico e fisiológico e monitoramento de possíveis efeitos causados pela exposição.


Descrição: SCP-001-PT é um conjunto de objetos anômalos inter-relacionados compreendidos na forma de estruturas especializadas, designadas Instalações, localizadas num espaço extradimensional cujos pontos de acessos superposicionam-se em delimitações geográficas reais do planeta Terra; seus pontos de acesso primários atuais localizam-se nos Sítios PT7, PT17 e PT33.

As Instalações configuram-se como complexos individuais de estruturas edificadas primariamente em concreto e aço, com infraestruturas funcionais de transmissão e condução de energia elétrica, de telefonia e rádio, água potável, acondicionamento térmico e de oxigênio; ainda não foram encontradas instalações responsáveis pela manutenção destes sistemas.

Certos pontos destas estruturas são reorganizados no espaço geográfico das Instalações, mantendo conjuntos de layout lógicos e operacionais, interligados por cômodos, vias de acesso de serviço-e-pessoal e pontos de controle de intersecções.

Acesso ao interior imediato das Instalações é realizado por meio de portas metálicas, invariavelmente identificadas por placas soldadas no centro superior de sua superfície e equipadas com uma fechadura de cartão perfurado.

Estes portais manifestam-se nas superfícies de paredes de locais designados como Áreas de Projeção, independentemente de obstáculos e sem causar prejuízo a sua integridade estrutural. Geograficamente, a posição das Instalações não está intrinsecamente ligada a posição externa dos portais de acesso.

Um cartão perfurado se manifestará por porta, em sua respectiva fechadura; caso o cartão seja armazenado em outro local no exterior das Instalações, o portal de acesso continuará presente, até que o cartão seja inutilizado ou retornado à fechadura; fazendo com que a porta desapareça ou seja alterada no próximo ciclo procedural.

    • _

    SUPERINTENDÊNCIA BRASILEIRA DO PARANORMAL

    Major Beato Eustáquio, Diretor do Departamento de Ocultismo

    BRASÍLIA, DISTRITO FEDERAL, ██ de ██████ de ████.

    DE: Tenente-Coronel Alcides Cintra Bueno Filho, Diretor da Coordenadoria de Arquivos Documentais

    PARA: Major Beato Eustáquio, Diretor do Departamento de Ocultismo

    ASSUNTO: Atualizações do Projeto Mímico.

    ADENDOS: /


    Major Beato, comunico-lhe sobre meu parecer conclusivo referente aos objetos gerados utilizando-se da tecnologia paranormal desenvolvida com o Projeto Mímico.

    Verifica-se a impossibilidade de utilizar esta tecnologia da maneira primariamente proposta, em decorrência das degenerações estruturais que ocorreram na documentação relacionada e outros objetos de interesse gerados, e replicados pelos dispositivos de contenção criados pela divisão de pesquisa, chamados casualmente de containers, obstante ao eficiente processo de manipulação de matéria.

    Inicialmente, objetos de interesse gerados ou replicados apresentam estruturas compatíveis com seus modelos de produção. Entretanto, observou-se que após um período de 48 horas, os componentes destes objetos-mímicos iniciam um processo espontâneo de "reorganização material", tornando textos ininteligíveis e comprometendo sistemas internos de demais objetos, a ponto de deixá-los inutilizáveis ou alterar completamente seu funcionamento.

    Dentre estes efeitos, foi notado que objetos armazenados reorganizam-se entre containers; alterando suas propriedades físicas com características de objetos que estariam, teoricamente, isolados.

    Deste modo, justifico meu parecer de INDEFERIMENTO da proposta de emprego do Projeto Mímico para os fins inicialmente propostos. Com ressalva para a reanálise da proposta após adequações de escopo relevantes.


    ORDEM E PROGRESSO


    • _

    SUPERINTENDÊNCIA BRASILEIRA DO PARANORMAL

    Comandante Ary Casaes Bezerra Cavalcanti

    CONFIDENCIAL

    PROJETO ESSÊNCIA DE HEFESTO

    GRUPO DE PESQUISA: █-██

    LÍDER DE PROJETO: Coronel Gentil Nogueira Paes, Diretor do Departamento de Engenharia Civil e Obras.

    STATUS: Em desenvolvimento.


    HISTÓRICO: Na data de ██/██/████, a pedido do Comandante Olavo Vianna Moog, o Grupo de Pesquisa █-██ foi formado para projetar e desenvolver um Objeto Paranormal, com o escopo de ser um material edificante de baixo custo, alta durabilidade e solidez estrutural.

    Na data de ██/██/████, os primeiros protótipos do material foram concluídos; testes indicaram a capacidade de produção de estruturas geométricas básicas com baixa coesão molecular entre as partículas da substância.

    Na data de ██/██/████, foi realizada reunião técnica com o Major Beato Eustáquio, Diretor do Departamento de Ocultismo, onde tomou-se ciência da possibilidade de desenvolver uma base química baseada no Objeto Paranormal ████, recuperado em 1944 pela Força Expedicionária Brasileira, vista suas características físicas de maleabilidade e alta resistência estrutural.

    Na data de ██/██/████, foram realizados os primeiros testes após sofisticação basal do material. Estruturações criadas demonstraram-se estáveis quando submetidas a aplicações diversas de estresse, inclusive na absorção de explosões, devido às fibras de aço adicionadas a mistura de concreto.

    Foram notadas capacidades adaptativas sutis no material e a capacidade de reintegração estrutural autônoma para a manutenção de danos; acredita-se que decorrente da inserção da fórmula baseada no Objeto Paranormal ████.

    Observa-se a necessidade de equipamentos de proteção e processos específicos durante o manuseio do material, e processos integrais de higienização corporal de todos os indivíduos expostos.

    Na data de ██/██/████, foi deferido pelo Major João Tarcísio Cartaxo, Diretor do Departamento de Engenharia, o pedido para o desenvolvimento de um sistema capaz de processar projeções técnicas e gerenciar, de maneira automatizada, modais de estruturas utilizando o material.


    OBSERVAÇÕES: Emite-se histórico parcial do PROJETO ESSÊNCIA DE HEFESTO para fins de auditoria prévia para análise e aprovação do escopo das edificações previstas no PROJETO █████████.


    ORDEM E PROGRESSO

No interior dos espaços interdimensionais gerados pela anomalia, há a presença constante de partículas de dióxido de silício e aço e com alterações anômalas em sua estrutura atômica, que são geradas e distribuídas homogeneamente pelas vias aéreas interiores das Instalações, formando um composto gasoso incapaz de ser filtrado por sistemas estruturais ou pessoais conhecidos pela Fundação.

Este sedimento, designado Essência, é capaz de acumular-se nos tecidos corporais de organismos multicelulares, progressivamente substituindo células por estruturas metálico-rochosas, um processo que, quando completado, resultará em uma condição denominada Biossíntese Espontânea Sílicótica2.

Vivissecções e necropsias indicam que este processo ocorre de maneira contínua, espontânea e ordenada, desenvolvendo-se primariamente no sistema nervoso de indivíduos afetados antes de estender-se para demais sistemas corporais.

A Essência é transportada através da corrente sanguínea, em uma massa organizada, até a artéria pulmonar, atravessando o átrio e ventrículos esquerdos do coração, por onde utiliza-se da artéria aorta para conduzir-se ao resto dos tecidos do corpo. Inicialmente, a Essência viaja até o polígono de Willis, chegando ao encéfalo.

Exames de ressonância magnética em campo demonstraram que, durante a exposição, a Essência primariamente espalha-se por toda a superfície da dura-máter, infiltrando-se na mesma e enredando-se através da aracnoide. Acredita-se que a Essência espalha-se pela aracnoide em um volume proporcional de onde seu material será mais necessário para substituir as áreas do encéfalo que causarão o efeito primário no sujeito afetado.

Após tal acontecimento, a Essência rapidamente começará o processo nomeado de Substituição Biológica de Baccarin3 nos lobos occipital e temporal do cérebro4. Calcula-se que a Essência leva menos de 15 segundos para atingir o encéfalo, dependendo apenas de um volume de 3 mililitros inspirados para causar seus efeitos mais imediatos.

Se o sujeito continuar exposto à Essência, esta continuará a infiltrar-se mais e mais na aracnoide, depositando-se gradativamente no córtex associativo límbico, na amígdala cerebelosa e no hipocampo5. Efeitos de longo prazo dessa substituição ainda estão sob estudo.

No entanto, esse efeito tornou-se apenas conhecido ao examinar sujeitos que inalaram grandes quantidades de Essência e foram observados por um longo período. O efeito mais imediato da Essência é que, basta uma exposição de poucos minutos (em casos observados, o tempo de exposição varia entre 4 e 5 minutos, em média) a ela para que o Sujeito afetado sofra de alucinações visuais e auditórias severas que causam grande aflição naqueles afetados.

Acredita-se que isso ocorra devido à rápida Substituição Biológica de Baccarin que ocorre nos lobos Occipital e Temporal do cérebro. Relatos de indivíduos resgatados possuem inúmeras disparidades entre detalhes temporais-espaciais, porém são congruentes com o objeto alvo destas obsessões.

    • _

    SUPERINTENDÊNCIA BRASILEIRA DO PARANORMAL

    Major Amílcar Lobo Moreira da Silva

    CONFIDENCIAL

    BRASÍLIA, DISTRITO FEDERAL, ██ de ██████ de ████.

    DE: Capitão Rodrigo Guimarães Cintra

    PARA: Major Amílcar Lobo Moreira da Silva, Diretor do Departamento Médico

    ASSUNTO: Atualização sobre Laudos Médicos do Projeto Essência de Hefesto

    ADENDOS: Minutas de Laudos e Relatórios de Observação de Indivíduos afetados pelo material Essência de Hefesto; Listagem de Menções à Honra.


    Prezado Major Amílcar, confirmo-lhe as informações recebidas conforme o comunicado emergencial emitido na data de ██/██/████ referente ao incidente do █████████ e o comprometimento integral das instalações médicas, bem como o desenvolvimento contínuo de pesquisas.

    Comunico-lhe a perda do Primeiro-Sargento Daniel Pereira que, enquanto no comando de um destacamento irregular de esquadra, junto com os demais homens, cumpriram honrosamente seu dever, assegurando a retirada da equipe médica das instalações durante os tumultos agravantes do incidente ante-mencionado, possibilitando a recuperação de uma parcela significativa dos materiais documentais das pesquisas médicas ali conduzidas.

    Dentre estes reportes documentais, apresento dois indivíduos de interesse:

    1. SEGUNDO-SARGENTO MANOEL TEIXEIRA, engenheiro de comunicações, inalou a Essência ao encontrar uma falha estrutural na parede durante os procedimentos de limpeza da central de rádio; expondo-se por um período de cerca de quinze minutos, resultando numa alteração significativa em sua memória de curto prazo.

    De acordo com seu histórico, o Segundo-Sargento Manoel Teixeira foi treinado no Centro de Instrução de Guerra Eletrônica (CIGE) antes de se juntar à Superintendência como Especialista em Comunicações de Curta e Longa distância.

    Em questionário efetuado em seu processo de anamnese, verificou-se que o Segundo-Sargento acredita ter vivido os últimos quinze anos de sua vida nas instalações do Projeto Essência de Hefesto; relatos produzidos implicam que suas memórias foram alteradas projetando e suplantando as características das instalações sobre locais, indivíduos e eventos de vivência verídicos.

    2. SEGUNDO-TENENTE PEDRO MIRANDA, técnico de enfermagem, exposto a Essência durante o tratamento emergencial de outros indivíduos contaminados.

    A contaminação do Segundo-Tenente Pedro Miranda é algo extremamente lamentável. Era um dos mais responsáveis e dedicados soldados a nossa disposição, voluntariou-se para liderar a equipe emergencial que tratava outros indivíduos expostos.

    Foram verificadas alterações psicofísicas relevantes em seu corpo, com a aparição de camadas cinzas de tecido duro e liso em sua cabeça, bem como perda de cabelo em áreas afetadas de seu couro cabeludo.

    Conseguintemente, notaram-se mudanças pontuais de personalidade, inicialmente sem prejuízo a demais funções profissionais. Verificou-se o desenvolvimento de uma espécie de mania e fanatismo relacionado às instalações, tendo o mesmo elaborado uma prosopopeia associada a própria estrutura.

    Este comportamento tornou-se generalizado entre os técnicos da equipe emergencial liderada pelo Segundo-Tenente, chegando a um ponto de insustentabilidade quando estes deliberadamente intensificaram os efeitos da Essência nos indivíduos afetados durante o incidente de ██/██/████. O Segundo-Tenente e sua equipe foram então apreendidos.

    Durante a evacuação das instalações, o Segundo-Tenente e sua equipe foram colocados em um coma induzido e presos em macas. Durante seu processo de transferência, de alguma forma, acordaram extremamente histéricos, libertaram-se e atacaram os demais presentes, o que resultou na execução sumária e coletiva dos atacantes, com exceção do Segundo-Tenente.

    Em perseguição, foi notado que o Segundo-Tenente balbuciava incoerentemente, esfregava-se violentamente contra as paredes, porém "navegava as instalações como se as conhecesse intimamente" apesar de historicamente nunca ter sido registrada sua presença fora do setor médico.

    Após cerca de um minuto de perseguição, contato visual com o Segundo-Tenente foi perdido e seu paradeiro atual é desconhecido. Não serão realizadas mais tentativas de busca e salvamento.


    ORDEM E PROGRESSO


    • _

    SÍTIO PT33

    DIRETORIA DE SEGURANÇA
    COORDENADORIA DE SEGURANÇA INTERNA


    REGISTRO DE EXPLORAÇÃO INICIAL DE ANOMALIA


    Descrição dos eventos que ocorreram na seção de atividades técnicas e engenharia do departamento médico do Sítio PT33, com a aparição de um portal de acesso do objeto anômalo na casa de bombas do sistema de prevenção e combate de incêndios da edificação, no dia 19/04/2018, as 13:49.

    O relato a seguir descreve o primeiro contato com uma manifestação física do objeto, anterior a seu arquivamento no banco de dados da Fundação Lusófona e o desenvolvimento de procedimentos especiais de contenção.

    Após vista inicial das características da anomalia, os protocolos de resposta rápida de reconhecimento permitiram a IA Camomila reconhecer a anomalia com base em documentos historiográficos da Superintendência Brasileira do Paranormal, garantindo a elaboração de um dossiê basal para gerenciar as operações iniciais de asseguração e contenção do objeto.

    Medidas de contenção paliativas foram realizadas na área de projeção. Simultaneamente, um Veículo Remotamente Operado (VRO) com equipamento exploratório6 foi introduzido no portal de acesso para realizar o reconhecimento da estruturação da anomalia.


    O portal de acesso em questão foi localizado durante uma vistoria emergencial geral das instalações do Sítio PT33; caracterizando-se como uma porta pesada de metal polido, identificado como uma placa soldada com os dizeres “Arsenal” e uma unidade de cartão perfurado ativa.

    Para asseguração do local foi designada a esquadra liderada pelo Primeiro-Sargento Bernardo Fernandez, compreendida pelo Cabo Pedro Tavares, Soldado Marcelo Pereira e Soldado Rafael Bartosz, equipados com armaduras corporais adaptadas com proteção biológica, equipamento bélico padrão e aparelhos respiratórios individuais.

    Realiza-se a abertura da porta de acesso pelo CB TAVARES, que abre-se com um estalo; partículas de poeira de coloração cinza são observadas flutuando na corrente de ar gerada pela diferença de pressão. SD PEREIRA e SD BARTOSZ adentram a anomalia, assegurando o ponto de entrada antes da liberação do VRO, designado GERALDO, no interior da estrutura.

    Observa-se que as partículas de poeira estão homogeneamente presentes no ar. O local imediato aparenta ser um depósito compartimentado, com múltiplas estações de triagem e prateleiras de serviço-pesado distribuídas ordenadamente.

    Verifica-se a presença de equipamentos computacionais e de escritório nas estações; os equipamentos nas prateleiras encontram-se encaixotados, com suas valises metálicas ou de madeira trancadas por cadeados pesados; os carregamentos encontram-se em bom estado de conservação, marcados com as insígnias da Superintendência Brasileira do Paranormal e do Exército Brasileiro.

    GERALDO percorre a área até encontrar uma porta metálica simples ao lado esquerdo de três portas rolantes de aço, onde permanece e aguarda enquanto a esquadra realiza a asseguração do local até seu encontro. CB TAVARES realiza a liberação da porta, permitindo o avanço de GERALDO.

    Constata-se que a área anterior encontra-se imediatamente conectada a um setor de armazenagem ainda mais amplo. Observam-se vários armários de aço e outros carregamentos dispostos ordenadamente em estações de armazenamento e triagem, e outros equipamentos de carregamento de carga; o piso de concreto perto destes locais possuí marcas de pneus.

    Observam-se portas metálicas rolantes de aço no final dos “corredores” destas estações. Observa-se, ao leste, uma porta metálica dupla, centralizada em relação a uma disposição simétrica de alcovas nas paredes, abrigando armários de aço. Ao oeste, observa-se uma disposição de painéis elétricos e mecânicos.

    GERALDO avança em direção a porta metálica dupla enquanto a esquadra dirige-se até os painéis. PS FERNANDEZ e SD BARTOSZ realizam a inspeção do equipamento técnico antes de restaurar integralmente a energia elétrica e o sistema de iluminação do local.

    Variações de áudio congruentes com passos e vozes humanas são captadas por GERALDO. Segundos após a notificação à esquadra, GERALDO é atingido por uma salva de projéteis de origem indefinida. O controle do VRO é perdido, com prejuízo parcial ao funcionamento de seu equipamento audiovisual.

    A esquadra move-se silenciosamente em direção ao VRO, encobrindo-se pelas estações. Confirma-se, a distância, o avistamento de quatro indivíduos não-identificados aproximando-se de GERALDO, vestindo equipamento de combate táctico com proteção biológica e armamento de classe militar. Tais indivíduos também utilizavam máscaras feitas de algum material similar a um polímero em seus rostos, presume-se que eram alguma espécie de equipamento respiratório isolante.

    PS FERNANDEZ confirma contato visual com um dos indivíduos, imediatamente alvejando-o. O indivíduo cai ao chão e é rapidamente arrastado para trás de um conjunto de caixas metálicas. CB TAVARES e SD PEREIRA avançam sob a proteção de sua cobertura, porém são forçados a parar devido a um intenso fogo de supressão emitido pelos outros membros da equipe desconhecida.

    Uma densa fumaça vermelha começa a encobrir o local, obscurecendo a visão da esquadra. PS FERNANDEZ e CB TAVARES iniciam um fogo de supressão em resposta, alternando com SD BARTOSZ e SD PEREIRA, visto uma suposta tentativa de manobra tática dos indivíduos não-identificados. PS FERNANDEZ solicita apoio tático por meio de reforços.

    Após ~70 segundos, a fumaça começa a dissipar-se. Observa-se que GERALDO encontra-se danificado no mesmo local. Identifica-se um rastro de sangue fresco, no piso de concreto, em direção a porta metálica dupla. Não há sinais dos indivíduos nem da porta anteriormente localizada.

    SD BARTOSZ inicia a triagem de GERALDO. CB TAVARES, ao realizar uma varredura da área imediata, indica ter realizado contato visual com uma silhueta movendo-se rapidamente em direção a entrada do armazém compartimentado.

    Neste momento, PS FERNANDEZ começa a balbuciar palavras ininteligíveis no rádio. O tempo percorrido no interior da anomalia é de cerca de 04:02. O mesmo começa a gritar e joga sua arma no chão, enquanto começa a chutar e desferir socos contra a parede a sua frente.

    O contato com este novo indivíduo não-identificado é confirmado. CB TAVARES dispara e atinge o indivíduo na região da panturrilha; o indivíduo percorre alguns centímetros antes de colapsar no chão. CB TAVARES move-se para assegurar o alvo, que não reluta, aparentemente em estado de choque; os primeiros-socorros são realizados em campo, enquanto o indivíduo balbucia de maneira inintelígivel.

    Enquanto CB TAVARES assegurava o indivíduo, SD PEREIRA tentava estabilizar a situação de PS FERNANDEZ, que agora estava gritando incoerentemente enquanto se atirava contra a parede. SD PEREIRA tenta mover PS FERNANDEZ a força, sem sucesso. Após alguns segundos de inação, SD PEREIRA emite gritos em seu rádio, como se tivesse levado um susto e começa a atirar aleatoriamente em direção as paredes. O barulho dos tiros aparentemente não é notado por SD PEREIRA.

    Neste momento, a esquadra liderada pelo Primeiro-Sargento Igor Novaes une-se a esquadra de PS FERNANDEZ. A esquadra, equipada com tasers de longo alcance, ao observar a situação que se discorria com SD PEREIRA e PS FERNANDES, utiliza seu armamento não letal para imobilizá-los, então rapidamente sai da sala levando ambos e providenciando suporte para o transporte do indivíduo assegurado até a unidade de tratamento médico do sítio e e a remoção de CB TAVARES, SD BARTOSZ e GERALDO de campo.

    Confirma-se a asseguração inicial do complexo.


    FIM DO REGISTRO.


    • _

    SÍTIO PT33

    DEPARTAMENTO MÉDICO
    DIRETORIA DO DEPARTAMENTO MÉDICO


    REGISTRO DE OCORRÊNCIA


    O Sujeito capturado durante a exploração inicial da anomalia foi levado à unidade de tratamento médico do Sítio PT33, onde rapidamente identificou-se uma grande letargia em seu corpo e um estado mental anormal. O mesmo balbuciava constantemente palavras incoerentes enquanto era atendido pela equipe de paramédicos do sítio. Constatou-se que o projétil perfurou o indivíduo na altura do gastrocnêmio lateral da perna esquerda, sem atingir nenhuma das estruturas mais importantes da área e poderia ser tratado rapidamente com uma sutura.

    Entretanto, enquanto a área era esterilizada, algo excepcional foi notado. O sangue do indivíduo tinha uma cor grafite e a pele ao redor da perfuração causada pelo projétil também possuía uma cor semelhante, apesar de mais clara.

    O responsável pela divisão de medicina de emergência do sítio PT33 foi contatado. Visto que claramente o indivíduo estava sob influência de alguma anomalia desconhecida e que os efeitos do pó acinzentado gerado pelo esfacelamento de porções do mesmo era desconhecido, foi tomada a decisão de colocar o indivíduo em contenção pesada enquanto os responsáveis pelo atendimento buscariam equipamento de proteção adequado, conforme os protocolos de biossegurança determinavam quando lidando com perigo biológico particulado.

    O indivíduo foi rapidamente transportado para uma unidade hospitalar de contenção pesada pela equipe de segurança, enquanto a equipe de emergência se preparava para atendê-lo. Durante o transporte, o indivíduo perdeu a consciência e sua perna esquerda começou a perder coesão molecular, lentamente dissolvendo-se em um denso pó cinza. O Sujeito faleceu dentro da unidade de contenção pesada pouco depois.

    Após deliberações do secretariado do departamento, foi autorizado pelo Dr. Nascimento7 a utilização de uma nova tecnologia experimental de contenção hermética de cadáveres, que manteria o corpo do Sujeito fisicamente coeso enquanto buscava-se uma solução para evitar que o mesmo se desintegrasse e pudesse passar por um processo de necropsia.


    Todos os envolvidos na operação de asseguração inicial do objeto também foram enviados para a unidade de tratamento médico do Sítio PT33. A maioria dos soldados passou pela triagem inicial sem apresentar qualquer problema psicofísico, sendo declarados aptos ao serviço. Entretanto, o Primeiro-Sargento Bernardo Fernandez e o Soldado Marcelo Pereira foram mantidos sob observação e tratados pela equipe paramédica devido a condição imposta a eles.

    Ambos foram reanimados em alguns minutos e, sob anamnese e avaliação psicológica, estavam completamente saudáveis, com exceção dos danos a perna de Fernandez por atacar a porta metálica com tanto vigor. Entretanto, de modo a entender o que causou o estado psicótico de ambos, foram submetidos a uma bateria de exames. Tais exames vieram a proporcionar o conhecimento atual a respeito do funcionamento da Essência, citado neste documento.

    O Primeiro-Sargento Bernardo Fernandez e o Soldado Marcelo Pereira foram colocados sob acompanhamento específico de forma a auxiliarem na compreensão dos efeitos da anomalia.


    FIM DO REGISTRO.


    • _

    SÍTIO PT33

    DEPARTAMENTO MÉDICO
    COORDENADORIA DO SETOR MÉDICO LEGAL


    GRAVAÇÃO DE RESULTADOS DE EXAME NECROSCÓPICO


    […]

    Gravando.

    Como costumeiro, gravarei preliminarmente a elaboração do relatório completo da necropsia do sujeito. Confio na minha auxiliar para realizar o relatório oficial e a transcrição desta gravação.

    Devido as circunstâncias especiais, estarei utilizando um traje de proteção biológica completo, em conjunto com um aparelho respiratório de circuito fechado; a necropsia será realizada na câmara de isolamento biológico do necrotério.

    […]

    Os procedimentos necroscópicos iniciam-se às cinco e trinta e três da manhã, e serão conduzidos pela Médica Legista Arturia Baccarin, sem assistência técnica.

    Devido as condições únicas, o cadáver não foi identificado, porquanto será referido por mim como “Sujeito” nesta gravação. Seu cadáver foi conservado por uma semana na Unidade de Suspensão Biológica8 e, após testes laboratoriais feitos nas amostras coletadas de seu cadáver, foi transferido para cá.

    O Sujeito é do sexo masculino, caucasiano, com uma idade aparente entre quarenta e cinquenta anos, um metro e setenta e seis de altura, pesando aproximadamente sessenta e sete quilos no início dos procedimentos.

    […]

    As camadas da derme do Sujeito apresentam quantidades excepcionais de um material mineral e metálico, conferindo aos tecidos um aspecto rochoso e duro. Acredito que isto está relacionado com a deposição natural, nos poros da pele, do componente, denominado “Essência”, que circula livremente pelo ar nas estruturas que o Sujeito foi recuperado.

    O livor mortis está estranhamente ausente do corpo do indivíduo, algo extremamente incomum.

    […]

    Verifico que o interior do corpo do Sujeito está preenchido por um pó cinza extremamente fino, preenchendo a cavidade torácica, os tecidos conjuntivo frouxo e adiposo aparentam estar integralizados por esta “Essência”. O tecido conjuntivo denso parece estar majoritariamente calcificado. Ou eu deveria dizer "silicalizado"?

    Entretanto, enquanto as camadas integralizadas da derme são duras e resistentes, esta variante interna do material possui coesão molecular baixíssima. Uma leve pressão dos meus dedos ou das pinças é suficiente para despedaçar porções inteiras de órgãos, o que sugere afetações extensivas pelo material. O material, quando desfeito, espalhe-se como um fino pó.

    Case-in-point, acidentalmente abri um buraco de cerca de vinte milímetros no lobo inferior do pulmão esquerdo durante a remoção do órgão.

    […]

    Durante a condução dos procedimentos verifiquei a inexistência de fluídos no sistema cardiovascular do Sujeito. Com esta evidência, presumo que a anomalia remova completamente as necessidades biológicas de entes afetados ou que aja alguma adaptação simbiótica, em que o material ganhe propriedades nutricionais, providenciando matéria energética para renovação celular enquanto consumido por ingestão, aspiração, ou até mesmo por exposição.

    Isto também explica a ausência do livor mortis do cadáver. Não há sangue em seu interior.

    […]

    Atesto que o Sujeito já encontra-se em um estado avançado de uma nova condição médica anômala a qual nomearei como "Biossíntese Espontânea", causando altíssimo prejuízo aos seus sistemas corporais.

    Cerca de oitenta porcento de suas células corporais encontram-se substituídas pela “Essência”; acredito que a interrupção deste processo de homogeneização seja em razão da remoção do Sujeito do ambiente das instalações, precludindo sua exposição ao material, que provavelmente mantinha a coesão dos tecidos.

    […]

    Durante a condução do processo de análise necroscópica, o cadáver do Sujeito começou a perder coesão molecular, degradando-se. Teorizo que isto ocorreu devido ao manejo do cadáver e sua reexposição a um ambiente com oxigênio.

    […]

    O Sujeito foi retornado a sua Unidade de Suspensão Biológica em caráter de urgência.

    […]

    Gravação encerrada.

    […]


    FIM DO REGISTRO.


    • _

    SÍTIO PT7

    DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA
    COORDENADORIA DE ASSUNTOS INTERNOS


    REGISTRO DE EXPLORAÇÃO DE ANOMALIA


    Descrição dos eventos que ocorreram na seção de contenção pesada do Sítio PT7 após a aparição de um portal de acesso de um objeto anômalo na parede sul do corredor C-02, no dia 07/05/2018 das 08:36 às 16:07. Medidas de contenção apropriadas foram realizadas e a anomalia pôde ser assegurada sem nenhuma perda considerável de equipamento ou de pessoal.

    A área de projeção seguem sob observação por funcionários do Sítio PT7 com auxílio remoto de pesquisadores do Sítio PT33 encarregados de estudar a anomalia. Funcionários sem autorização que presenciaram o portal de acesso da anomalia foram devidamente amnesticizados após interrogatório a fim de evitar o vazamento de informações privilegiadas.

    Segue também a visão geral das três expedições remotas conduzidas no interior do objeto, realizadas nos dias 08/05/2018, 09/05/2018 e 11/05/2018, além da única expedição realizada pessoalmente por funcionários da Fundação, no dia 10/05/2018.

    Novos registros da anomalia serão classificados de acordo com as diretrizes do Projeto Baluarte, uma vez que a equipe responsável pela análise do objeto no Sítio PT7 seja integrada a Força-Tarefa PT1-Θ.


    Inicialmente, os integrantes da equipe de segurança interna do Sítio PT7, Arthur Vargas dos Santos e Pedro Dapoza Vasconcelos, realizaram uma análise superficial do portal de acesso por conta própria, contactando o chefe da equipe de segurança interna para que um time de contenção fosse enviado. Nenhum dos funcionários mencionados entrou em contato físico com a anomalia em nenhum momento.

    Ao passo que o time de contenção assegurava a integridade do objeto e da área segura ao seu redor, o chefe da equipe de segurança interna do Sítio PT7 advertiu o Diretor do Sítio PT7, Jorge Valle Werneck, da possibilidade de uma tentativa de invasão ao complexo.

    Em consulta ao banco de dados gerais da Fundação Lusófona, verificou-se a existência de uma anomalia cognata em estudo no Sítio PT33, Dir. Werneck logo entrou em contato com o Dir. Machado que, após confirmação de que o portal de acesso encontrado no Sítio PT7 de fato pertencia às Instalações, enviou um protocolo detalhado para que a anomalia pudesse ser contida efetivamente.

    Estabelecimento de um perímetro seguro que impedisse a passagem de contaminantes químicos pelo ar, com a adição posterior de um posto de controle e limpeza de risco bioquímico, permitiu que testes posteriores pudessem ocorrer sem maiores complicações. Equipamentos foram enviados ao corredor onde o portal de acesso se encontrava e, no total, quatro incursões no interior do objeto foram realizadas.

    Todas as três primeiras incursões foram realizadas por drones de alcance médio equipados de câmeras associadas a dispositivos de visão noturna, tendo como princípio mapear a região interna da anomalia, detalhar os cômodos que compõem essa e registrar os objetos que encontram-se no interior de tais cômodos.

    Ao fim da expedição, foi determinado que a área das Instalações ligada ao Sítio PT7 é, na verdade, independente à estrutura localizada no Sítio PT33.

    Outro ponto determinado pela primeira incursão foram os cômodos pelos quais esta região do objeto é formado. Um total de quatro salas foram registradas, todas conectadas por uma série de corredores em uma encruzilhada, sendo que o portal de acesso da anomalia sempre se encontra no mesmo cômodo. Apesar de manter uma interligação fixa entre as salas, cada uma delas, com exceção do posto de controle, alteram sua posição aleatoriamente cada vez que uma nova incursão pelo portal de acesso é efetuada.

    O primeiro cômodo, onde se encontra o portal de acesso, é um posto de controle de aproximadamente 8 m² de área, mobiliado de uma mesa e uma cadeira de metal, dois armários metálicos, um computador desativado e um detector de metais pórtico, que aparenta estar inoperante, encontrado na divisa entre a sala e o corredor.

    O segundo cômodo verificado é um depósito de aproximadamente 20 m² de área, que abriga uma série de estantes industriais que, por sua vez, contém diferentes contêineres pequenos e caixotes com objetos, equipamentos e suprimentos diversos em seus interiores. É notável a existência de uma seção à parte deste depósito, separado do restante do cômodo por uma parede de grades sem nenhuma passagem aparente.

    No interior dessa seção se encontram, a princípio, uma série de dispositivos, armamentos e equipamentos experimentais desenvolvidos pela Superintendência Brasileira do Paranormal, alguns destes condizentes com descrições, diagramas e imagens encontradas em documentos recuperados da organização mencionada. Entretanto, observações superficiais da área revelaram danos consideráveis à estrutura em geral e a certos objetos armazenados em seu interior, presumidamente causados por um incêndio, dadas as condições do piso e das paredes do interior da seção.

    O terceiro cômodo é um arquivo morto/acervo documental de proporções indeterminadas, tanto de largura e comprimento quanto de altura, contendo quantidades imensuráveis de guarda-volumes para arquivos. Cada um desses contém caixas de papelão com inúmeros documentos de diferentes conteúdos, desde notas fiscais a detalhes de operações e projetos confidenciais da Superintendência Brasileira do Paranormal.

    Contudo, foram identificados documentos em branco, completamente redigidos, destruídos, falsos ou simplesmente indecifráveis em meio aos demais arquivos. Estes documentos aparentam serem gerados aleatoriamente, uma vez que seus conteúdos geralmente não condizem com as indicações das caixas ou das estantes onde se encontram.

    Esta sala é a única registrada que altera os conteúdos de seu interior a cada incursão efetuada na anomalia.

    O quarto cômodo é uma área administrativa de aproximadamente 10 m², mobiliada por um sofá, duas cadeiras, uma televisão de parede, dois armários metálicos, seis mesas de metal e quatro computadores anexados a seus respectivos monitores. Todos os aparelhos eletrônicos do cômodo encontram-se desativados.

    Uma característica notável da região é que duas mesas encontram-se viradas, com suas superfícies superiores direcionadas a uma das paredes. Os computadores que deveriam estar posicionados nessas mesas foram encontrados destruídos sobre o sofá da sala.

    Registros documentais encontrados na sala indicam um controle de movimentação de pessoal e material entre o posto de controle anteriormente mencionado e uma zona redigida.

    A quarta expedição realizada na anomalia, efetuada pelos agentes da equipe de segurança interna do Sítio PT7 Arthur Vargas dos Santos, Pedro Dapoza Vasconcelos, Nícolas Casara Damaceno e o líder do grupo, Osório Wagner, teve como princípio coletar objetos e documentos de interesse da instalação para análise e possível contenção no Sítio PT7. Um total de 23 itens foram recuperados sem nenhuma complicação.

    Dos objetos, destaca-se um suposto protótipo mais estável e potente de SCP-015-PT, que se encontra inoperante e dispositivos experimentais de geradores de pulsos eletromagnéticos portáteis e de inibidores de agentes de risco cognitivo, danificados ou simplesmente falhos.

    Dentre os documentos encontrados, é notável um diagrama completo de um veículo condizente com SCP-045-PT e avaliações médicas e pedidos de apreensão de instâncias de SCP-094-PT. Entretanto, verificou-se que os materiais bibliográficos apresentam conteúdos incongruentes com dados referenciais disponíveis no banco de dados do Sítio PT7.


    FIM DO REGISTRO.

    • _

    SÍTIO PT17

    DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA
    DIRETORIA DE SEGURANÇA INTERNA


    REGISTRO DE OCORRÊNCIA


    Este registro é a descrição dos eventos que ocorreram na seção de contenção pesada de patologias do departamento médico do Sítio PT17, com a aparição de um portal de acesso do objeto anômalo em um de seus corredores, no dia 13/05/2018, às 06:43.

    A equipe de segurança interna das instalações realizou o isolamento inicial do cômodo, a vistoria inicial da manifestação e a remoção do cartão perfurado do portal de acesso. Com a identificação de que a anomalia tratava-se do mesmo objeto anômalo aparente nos Sítios PT7 e PT33, a IA Camomila disponibilizou acesso extraordinário aos documentos do Projeto Baluarte à diretora do Sítio PT17, Dra. Nathalie Heinz-Peter para que ela agisse de acordo.

    Conseguintemente, a IA Camomila notificou a nova manifestação ao Diretor do Sítio PT33, Col. Tibério Machado, que entrou em contato com a Dra. Nathalie Heinz-Peter para sua integração ao Projeto Baluarte. Confirmada a integração, deu-se início a ordem de serviço de logística para transporte de materiais e recursos entre o Sítio PT33 e o Sítio PT17.

    Repassadas as diretrizes de contenção, a equipe de contenção biológica das instalações adequou a área de projeção do portal de acesso, colocando a postos um destacamento de dois operativos da Força-Tarefa Móvel PT9-β9, Capitão Bianca Videl e Primeiro-Tenente Ramon Ortega para acompanharem a vistoria interna da anomalia.

    Os equipamentos e os membros da Força-Tarefa PT1-Θ, Capitão Leonel Alvares, Primeiro Tenente Sabrina Pessoa, Primeiro Sargento Luiz Rocha e Primeiro Sargento Almir Amarantes foram receptados no Sítio PT17 no dia 13/05/2018, às 10:28.

    Para o registro de exploração da anomalia, verificar os arquivos anexados referentes a condução da Operação Aríete.


    FIM DO REGISTRO.



    • _

    SUPERINTENDÊNCIA BRASILEIRA DO PARANORMAL

    Coronel Gentil Nogueira Paes

    BRASÍLIA, DISTRITO FEDERAL, ██ de ██████ de ████.

    DE: Major João Tarcísio Cartaxo, Diretor do Departamento de Engenharia

    PARA: Coronel Gentil Nogueira Paes, Diretor do Departamento de Engenharia Civil e Obras

    ASSUNTO: Sistema de Automatização do Projeto Essência de Hefesto

    ADENDOS: /


    Coronel Gentil, informo-lhe a conclusão do desenvolvimento dos primeiros protótipos para a sistematização do controle da Essência de Hefesto.

    Sob minha supervisão, foram criadas matrizes computacionais que baseiam-se em modelos não-anômalos adaptados com os periféricos padrões utilizados por suas equipes de engenheiros e arquitetos, compreendidos por partes projetadas e criadas em conjunto com o Setor de Desenvolvimento Tecnológico, sob supervisão do Major Beato.

    Além de um funcionamento idiossincrático, estes sistemas utilizam uma linguagem de programação própria; por isto, foi emitido um número de manuais de operação padronizados para os indivíduos responsáveis pelo controle dos terminais, que poderão ser utilizados para administrar certas características destes projetos antes de sua execução pelos sistemas.

    Os computadores devem ser capazes de gerenciar, de maneira autônoma, processos com a Essência de Hefesto tendo como base projeções arquitetônicas documentais em seus bancos de dados e estruturas de interesse já edificadas.

    Aguardamos os testes finais para os ajustes e adequações necessárias antes da instalação conclusiva destas unidades, especialmente com relação ao isolamento dos sistemas para com as afetações causadas por sua exposição aos objetos do PROJETO MÍMICO.


    ORDEM E PROGRESSO

Com base na análise de dados de Camomila, infere-se que esta "Sala de Controle" seja a estrutura que abriga o núcleo logístico-operacional da anomalia; esta área especializada possui equipamentos de tecnologia da informação fundamentais para o funcionamento da infraestrutura das Instalações, incluindo seus layouts, assim como a lógica operacional e suas distribuições no espaço geográfico.

Este equipamento computacional10 é utilizado para controlar séries de operações logísticas-arquitetônicas, utilizando um complexo sistema paratecnológico que analisa, processa e gerencia informações para executar a organização, renovação e manutenção do espaço geográfico das Instalações.

A linguagem destes sistemas utiliza um mecanismo de cifras únicas que são distribuídas e elaboradas proceduralmente em macros referenciais aos seus atributos, com dois tipos de permutações: variáveis em significado, quantidade numérica e organização; invariáveis que se autoperpetuam com suas bases inalteradas entre as macros. Registros bibliográficos localizados no Sítio PT7 identificam estas cifras como uma linguagem de programação prototípica.

Dos conjuntos de artefactos bibliográficos encontrados, há uma série de volumes instrucionais; infere-se que estes referenciam os metodos padronizados para a operação do equipamento computacional. Entretanto, seus conteúdos encontram-se parcialmente cifrados e/ou claramente inintelígiveis; processos de reconstrução do conteúdo integral, utilizando-se de fragmentos de várias cópias distintas, encontram-se em andamento.

Dentre os artefactos recuperados, notam-se númeras de pranchas de projetos arquitetônicos de instalação e execução de infraestruturas, bem como seus memoriais descritivos e anotações de responsabilidade técnica; todos congruentes com características de estruturas encontradas na anomalia. A análise destes artefactos indica que as Instalações, originalmente, formavam um conjunto contíguo de edificações.

    • _

    SUPERINTENDÊNCIA BRASILEIRA DO PARANORMAL

    █████ ████ ████████ ███████

    BRASÍLIA, DISTRITO FEDERAL, ██ de ██████ de ████.

    DE: Capitão Leopoldo Madeira, █████ ██ █████ ██ ██████████ ████████ █ ██████████

    PARA: █████ ████ ████████ ████████ ███████ ██ ████████████ ██ ██████████

    ASSUNTO: URGENTE — Acompanhamento da Manutenção do Sistema Gerador do Projeto Essência de Hefesto

    ADENDOS: Relatório Técnico de Estabilidade com Anotação Técnica
    Estudo de Viabilidade de Controle de Danos com Anotação Técnica
    Laudo Técnico e Projeto de Prevenção e Controle de Danos com Anotação Técnica


    █████ ████████, em caráter extraordinário, encaminho a documentação técnica referente ao funcionamento dos sistemas de produção e distribuição sob supervisão da equipe especial do Primeiro-Tenente Augusto.

    De acordo com os documentos em anexo, atesta-se que é apenas uma questão de tempo até que ocorra uma falha catastrófica dos sistemas relevantes, atesto e dou fé no parecer de nossos engenheiros.

    Dadas as ocorrências envolvendo o material paranormal Essência de Hefesto e o gerenciamento do Projeto, tendo em vista sua consequente perda de recursos humanos e demais investimentos, com uma projeção conclusiva iminente para uma falha catastrófica.

    Tendo em vista nosso planejamento, haverá tempo para a evacuação de todos os funcionários e itens de maior-relevância presentes antes da fragmentação dos setores.

    Executaremos a Operação Santorini em até quarenta-e-oito horas após confirmação de seu recebimento desta mensagem.


    ORDEM E PROGRESSO


    • _

    SÍTIO PT1

    COMANDO SUPERINTENDENTE
    GABINETE DIRETORIAL


    MINUTA DE ATA DE REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO LUSÓFONO DE DIRETORES


    1. Reunião realizada no dia 24 de maio de 2018 às 5:30, presencialmente na instalação denominada “SÍTIO PT1”, conduzida pelo Terceiro Diretor do Conselho Lusófono de Diretores denominado “CL5-3” para a apreciação das solicitações formalizadas sob a designação “PROJETO BALUARTE” e demais atos relevantes, a pedido dos Srs. Tibério Machado, Nathalie Heinz-Peter e Jorge Valle Werneck.

    2. Mesa composta por “CL5-3” — Presidente, e a Inteligência Artificial Camomila — Secretária-Geral. Compreende-se o quórum mínimo para a deliberação e aprovação de quaisquer medidas relevantes.

    I. Considerando, dentre todas as características do objeto anômalo, sua importância logística, geográfica e historiográfica para a Fundação Lusófona, decide-se conceder, em caráter permanente, a classificação de OBJETO SCP sob a designação númerica especial “001-PT”, classificando-o como SCP-001-PT/BALUARTE.

    Com esta designação especial, aprova-se o gozo de todos os privilégios e responsabilidades relativas aos processos de segurança, contenção e proteção do objeto anômalo.

    Referente a solicitação formal, endereçada ao Conselho Lusófono de Diretores; os esforços técnico-científicos desenvolvidos pelas partes relevantes sob o então designado “PROJETO BALUARTE” defere-se a solicitação para oficialização do referido projeto como componente permanente de SCP-001-PT/BALUARTE, que estará sob a responsabilidade diretorial dos Srs. Tibério Machado, Nathalie Heinz-Peter e Jorge Valle Werneck para administrarem os ativos e passivos relevantes aos procedimentos e operações do objeto conforme as diretrizes aprovadas.

    II. Considerando as diretrizes aprovadas por este Conselho, em contrapartida a possibilidade de contenção total do objeto por meio de sua desativação parcial ou integral e, porquanto, caracterizando uma circunstância extraordinária, tendo em vista os procedimentos de exploração técnico-científica e de extensivo uso logístico das características do objeto anômalo, conforme proposto pelo PROJETO BALUARTE, designa-se a CLASSE DE CONTENÇÃO denominada “CERNUNNOS” para SCP-001-PT/BALUARTE.

    Esta designação extraordinária possui caráter PROVISÓRIO, que perdurará enquanto a produção técnica-científica desenvolvida pelo PROJETO BALUARTE continue atingindo excelência em suas funções primárias e secundárias dentro da organização e esteja de acordo com as quotas e cronogramas aprovados por este Conselho.

    III. Considerando a necessidade de supervisão qualitativa-administrativa do PROJETO BALUARTE e, consequentemente, de todos os processos relativos a SCP-001-PT/BALUARTE, designa-se a INTELIGÊNCIA ARTIFICAL CAMOMILA, sem prejuízo a suas funções atuais no projeto e nas instalações relevantes, para esta função.

    IV. Considerando as ações do Grupo de Interesse designado O RELICÁRIO na estrutura da instalação segura designada SÍTIO PT33, este Conselho, com base no parecer positivo da Superintendência de Finanças da Fundação Lusófona, decide DEFERIR a solicitação para o aumento de verba para fins de reestruturação edilícia e dos procedimentos de segurança das instalações designadas Sítio PT7, Sítio PT17 e Sítio PT33.

    V. Considerando o pedido formal do Sr. Tibério Machado, no uso extraordinário das atribuições deste Conselho como COMANDANTE-CHEFE das forças armadas da Fundação Lusófona, providencia a ativação da FORÇA-TAREFA PT33-Ω — “LOCKPICKING LAWYERS”.

    Atribui-se à Força-Tarefa, integrada nas divisões relevantes do Sítio PT33, com suporte dos demais corpos superintendentes da Fundação Lusófona, as funções de desenvolver sistemas, procedimentos, operações e outras demais tecnologias, anômalas ou não, para o contínuo aprimoramento e aplicação de medidas de segurança razoáveis a todas as instalações sob jurisdição da Fundação Lusófona.

    Sob a indicação do Sr. Tibério Machado, auditoria e aprovação deste Conselho, designa-se o Sr. Márcio Lobo, Major da reserva do Exército Brasileiro e atual Coordenador do Departamento de Segurança do Sítio PT33 para o comando desta Força-Tarefa.

    3. Nada mais havendo a tratar, a reunião foi encerrada, da qual lavrou-se eletronicamente a presente ata que lida e aprovada, foi assinada digitalmente por este Conselho.


    DOCUMENTO ASSINADO ELETRÔNICAMENTE PELO TERCEIRO DIRETOR DO CONSELHO LUSÓFONO DE DIRETORES — CL5-3.




Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License