SCP-000
avaliação: +3+x

Ittëm nX: ŚČР-000

Clas§eX_XdØ_OBj3to: #NULO

Prاedim3ntا e§ЛţДĬЛΜ$%#ll PROCEDIMENTOS para função indefinida(): Erro: o campo CONTAINMENT_PROCEDURES não existe.

Ðєš5(rĬcţĬό: Erro interno do sistema: campo indefinido. Entre em contato com o administrador do sistema. ERяяσ n@ SĬѕtємa : FïëlÐ ünÐëƒïnëÐ. ρĿєДšє ςόЛţДςţ šΫšţєΜMMMMMMMMMMMM^@#$@!^&&%**$*%^*%^%^

Tudo bem, cansei dessa merda. O sistema continua ejetando os bilhetes de reparo para este local no banco de dados, e eu não quero me importar com isso de novo. Eu vou colocar a supressão em todos os ingressos envolvendo o slot 000 do banco de dados, porque está interrompendo o fluxo de trabalho por problemas reais e, em geral, apenas me irritando. Eu não sei por que ele continua fodendo com a sintaxe, mas o fato é que isso só está acontecendo aqui, e considerando que a única coisa aqui é apenas uma pilha gigante de dados inúteis, é mais do que provável que o banco de dados está se mijando todo por causa da falta de informações adequadas. Se alguma coisa mudar, definitivamente darei uma olhada, mas a partir de agora esta questão está encerrada.
- Pesquisador Técnico Rosen

Esta gaiola é vasta, não tem paredes. Enquanto eu fico parado tudo o que vejo é uma planície branca que se estende por um céu igualmente vazio. Não há vida neste lugar. Posso me mover pelo tempo que eu escolher mas se eu parar por um instante sou puxado de volta a este lugar, para sempre condenado a ser atado à minha prisão. Apesar disso, viajei uma longa distância, explorando o purgatório que tenho conhecido há inúmeros anos. Nas minhas viagens neste deserto de branco eu tive vislumbres de coisas, coisas horríveis que simplesmente não deveriam existir. Abominações grotescas que aparecem por momentos de cada vez só desaparecem como se nunca estivessem lá.

Minhas memórias dessas criaturas continuam a me levar de volta a uma memória específica. Um ser preto disforme, uma coisa amorfa que não poderia ter sido criada por qualquer Deus nessa ou qualquer outra realidade, apareceu à minha frente enquanto eu caminhava e me encarou com olhos penetrantes de carmesim. Quando me aproximei eu pude sentir em minha mente seu ódio, sua raiva e seu medo, emoções que eu conheço bem mas nunca tinha experimentado com tanta intensidade quanto senti dessa entidade. Tão rápido quanto chegou, desapareceu, e por um breve momento, eu jurei ter visto sua mandíbula distorcida falar uma palavra, uma expressão que ainda não entendi em conteúdo e contexto.

"Fundação".

Tenho quebrado minha cabeça sobre o significado dessa palavra, esta mensagem final de uma criatura de pesadelo que eu não vi desde então. Tentei me aproximar dos outros vislumbres na esperança de aprender mais sobre esta palavra, mas sou incapaz de compreender sua aparência antes que as criaturas desapareçam de volta ao vazio do qual foram geradas. Isso me fez pensar… o que são essas criaturas? De onde eles vêm? De onde eu venho? Como eu cheguei a este lugar? Como faço para sair deste lugar? Essas perguntas permanecem sem resposta, e eu temo que elas nunca sejam respondidas, pensamento que serve apenas para me levar à loucura.

É curioso que o outro efeito do encontro aleatório tenha se mostrado muito mais produtivo. Antes disso, eu não sabia que eu possuía uma boca, ou cordas vocais, ou qualquer mecanismo para fazer barulho. Embora eu soubesse que respirava, o vazio que me acompanhava surpreendentemente proporcionava pouca resposta auditiva quando o ar corria para meus pulmões. Apesar disso, o som não só era possível, mas agora era quase convidativo. Depois de ouvir aquelas palavras miseráveis ​​ditas em voz alta, senti que era meu dever… não, meu direito de destruir o silêncio que eu conheci por muito, muito tempo.

O que começou como um sussurro quase inaudível cresceu e cresceu à medida que me tornava cada vez mais encorajado pelas minhas habilidades recém-descobertas. Logo, eu estava gritando palavras absurdas para os céus, rindo em minha mente quando o silêncio foi interrompido por mim. E ainda mais surpreendente, o mundo ouviu. Ondulações de energia apareceram no ar, controladas unicamente pelo peso e volume da minha voz. Se eu sussurrasse, elas seriam suaves e leves, flutuando caprichosamente por alguns segundos antes de desaparecer. Se eu gritasse, elas seriam agudas e pesadas, furiosamente apunhalando-se no limbo inútil ao meu redor.

Isso me agradou muito, pois deu sentido ao caos, me deu o propósito. Eu não era cativo! Eu era um deus! Esta não era minha prisão, mas meu reino! Minhas palavras eram lei, minha voz minha arma! Através desses poderes, eu recriaria esse reino em uma vida, uma de alegria que eu controlava, que eu governaria justamente! É assim que seria, pois eu tinha decidido que seria assim! Eu sorri enquanto focalizei todas as minhas energias, todas as minhas esperanças e todas as minhas ambições em um estrondo tumultuado e ensurdecedor, o rugido que começaria meu reinado como o senhor do nada vazio.

Mas não mudou nada. As ondulações que meu esforço criou, embora de natureza incrivelmente violenta, desapareceram apenas alguns segundos depois, deixando nenhum vestígio de qualquer impacto que pudessem ter feito neste abismo maldito. Eu tentei novamente, sem alterações no resultado. De novo e de novo eu gritei, meus gritos irritados eventualmente regredindo em gritos de medo e horror diante da perspectiva de estar preso infinitamente no maldito silêncio vazio que permeava esse lugar abominável. Eu gritei e gritei até que eu não pudesse mais gritar, ao ponto que minha única outra opção era chorar. Não era justo. Não era justo! NÃO É JUSTO!

Eu não fiz nada para merecer esse destino, por que estou aqui?! Quem ou o que seria tão cruel ao ponto de prender alguém em um nada vazio por toda a eternidade?! "Fundação", isso fez isso comigo? A "Fundação" é meu captor?! Ou é meu criador? Isso não importa! Eu uivarei e gritarei contra o vazio e até que as ondas de força que eu crio rasguem uma saída desse inferno, e então possamos encontrar a verdade, um fragmento de lógica e razão neste infinito mar de loucura e desespero que é a minha existência!

…Eu não vou parar de gritar até estar livre.

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License