SCP-013-BR
avaliação: +3+x

Item nº: SCP-013-BR

Nível de Ameaça: Amarelo

Classe do Objeto: Euclídeo

Procedimentos Especiais de Contenção: SCP-013-BR será detido em um quarto subterrâneo de 6 x 6 x 4 m, estruturado para evitar vazamentos de radiação τ: uma camada de 5 cm de espessura de imãs de ferrite sobre uma parede de tijolos com 20 cm, e no exterior 10 cm de chumbo envolvidos em uma gaiola de Faraday.

O telhado é de fibra de vidro altamente resistente, com pequenas aberturas para ventilação, inserção de material e alimento, bem como retirada de SCP-013-2. Caixas de som blindadas contra interferência magnética penduradas no teto tocam samba constantemente. Uma escotilha permite acesso de pessoal autorizado, embora raramente seja necessário, e nessas instâncias quem adentre a sala deve dar preferência a períodos de repouso de SCP-013 ou não entrar no recinto utilizando máscaras e trajes de proteção pelo risco de perturbar o SCP e causar um incidente.

SCP-013-BR tem acesso à papeis e materiais de escrita. Nenhum utensílio eletrônico será permitido na proximidade da cela, incluindo implantes médicos.

Descrição: SCP-013-BR é um homem de 1,75 m de altura e peso aproximado em 75 kg, com extensa presença de próteses eletrônicas ao longo de seu corpo (todas os acréscimos estão listados em um documento anexo). O material desses implantes varia entre metálico, cerâmico e biomecânico.

Sua pele tem diversas cicatrizes e emblemas queimados similares a um triângulo. Ele respira normalmente e se sustenta com uma ração semanal que provém 200 kcal e 500 ml de água, sem nenhum produto de excreção resultante.

SCP-013-BR constantemente emite raios τ, uma forma inédita de radiação que confunde a percepção temporal de humanos, e corrompe dados eletrônicos (particularmente ligados à data e hora), com a emissão aumentando em situações desconfortáveis ou diminuindo quando o SCP está acomodado. Durante a busca da Fundação por SCP-013, o SCP demonstrou possuir poderes de teletransporte, possivelmente permitindo se deslocar ao longo do espaço e tempo. Porém a dificuldade na captura e impossibilidade de rastreamento fez a Fundação não testar essa habilidade.

SCP-013-BR é fluente em português e demonstrou saber palavras em variados idiomas, mas seus padrões de fala são incoerentes, com frases desconexas.

SCP-013-BR frequentemente escreve composições musicais, referidas adiante como SCP-013-BR-2. As letras de SCP-013-BR-2 costumam conter fatos históricos contados de forma confusa e cheia de anacronismos, frequentemente causados ou presenciados por figuras de variadas épocas e locais.
Como os textos ocasionalmente ajudam na descoberta de anomalias, sambas são tocados para inspirar SCP-013-BR a continuar compondo.

A Fundação percebeu SCP-013-BR pela primeira vez em 2013, ao perceber sinais de uma radiação inusitada vindo de um prédio de escritórios em █████ ██████, ██████████. Seguindo uma incursão da Fundação, SCP-013-BR foi encontrado em um armário no quarto andar, sendo sedado e trazido para o veículo de extração. Enquanto a van estava no caminho para o Site-██, a radiação τ acumulada afetou o time e o equipamento, que logo perceberam estar ███ km fora do caminho.

Quando SCP-013-BR acordou, se incomodou com a aparência dos agentes a maioria dos quais usavam roupas de proteção com máscaras de oxigênio, e desapareceu. A assinatura radioativa só foi reencontrada dois anos depois em Berlim; a Fundação conseguiu afixar um rastreador no corpo de SCP-013-BR antes de seu desaparecimento. Os dados de rastreamento surgiam esporadicamente em locais díspares, mas ao seguir um rastro que terminava em Minas Gerais, o braço brasileiro da Fundação capturou SCP-013-BR. O localizador não se encontrava no corpo de SCP-013-BR, e novas transmissões de dados deste artefato continuam sendo recebidas.

Adendo: Pesquisa em variados bancos de dados indicam que SCP-013-BR pode ter sido █████████ █████ █████, também conhecido ██████ █████, de ████████, um sambista preso em 1966 por perturbar a paz na estação de trem ███ █████ ██ (hoje conhecida ██████ ██ ██████). Mandado para um sanatório em ██████████, foi relatado como desaparecido em 1968, deixando para trás uma cama destruída e cinzas no chão do quarto. Uma tentativa de falar com SCP-013-BR perguntando se este reconhecia o nome █████████ █████ █████ e sua história resultaram no SCP entrando em estado catatônico e emitindo grande quantidade de radiação τ, que afetou maquinário e pessoal em um raio de 5 metros antes de sedativos serem administrados. Novas tentativas de contato estão vetadas até segunda ordem.

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License