SCP-074-PT
avaliação: +6+x
blank.png

Item nº: SCP-074-PT

Classe do Objeto: Euclídeo

Procedimentos Especiais de Contenção: Um relatório anual deverá ser entregue aos oficiais pela contenção de SCP-074-PT até a data limite de 8 de março. Tal relatório baseia-se na pesquisa dentro do campo meteorológico e topográfico no intuito de localizar a próxima aparição de SCP-074-PT. Áreas afetadas pela anomalia devem ser isoladas. Civis que tentem ultrapassar a área delimitada devem ser contidos e interrogados, recebendo amnéstico classe-A caso demonstrem qualquer conhecimento acerca da anomalia. Autoridades locais devem ser informadas que uma pesquisa de preservação ambiental está sendo feita pelo governo federal.

Caso haja um crescimento exacerbado nos limites padrões de SCP-074-PT, será necessária uma intervenção direta da Fundação no setor ambiental do município correspondente. Ações que constituem o desmatamento de até 2 hectares ou violações de forma arbitrária da Lei 11.428/20061devem ser paralisadas em até 72 horas desde seu início. Em uma quebra de contenção da anomalia no qual a mesma extrapola os limites iniciais de sua área estabelecida em até 75%, um processo de reflorestamento nas áreas adjacentes a anomalia deve ser feito o quão antes possível.

Recomenda-se que funcionários encarregados da segurança de SCP-074-PT se mantenham a uma distância mínima de 12 metros do limite 422. Maiores aproximações podem afetar negativamente a fauna e flora local. Não é permitido fumar, beber ou consumir qualquer alimento de origem animal ou vegetal perto dos seus limites. O uso de força letal contra qualquer entidade que entrar em contato com algum funcionário da Fundação, dentro da área delimitada, é estritamente proibido.

Descrição: SCP-074-PT é um evento que ocorre anualmente ao final de março na região sudeste do Brasil, mais predominantemente em áreas com intensa presença de mata atlântica, sendo categorizado por mudanças geológicas e meteorológicas em um espaço limitado de terreno que varia de 3 a 9 hectares. Uma depressão periférica é estabelecida a partir do processo de intemperismo no interior da zona afetada. Com o suceder dos dias de fixação meteorológica na região, um corpo d'água é formado sobre o relevo irregular. Sua profundidade média é de 2,8 m e estima-se que tenha um volume de 0,252 hm³, este último podendo variar a partir das ações humanas externas.

O desmatamento constante de vegetação ripária é o principal determinante para a expansão progressiva de SCP-074-PT. O evento continuará aumentando seu raio de atuação a medida que mais áreas forem sendo desmatadas, chegando ao fim no dia 20 de março. Ao final do episódio o lago começará a retroagir dando um espaço cada vez maior a vegetação local, trazendo deste modo o desaparecimento do corpo d'água e todos seus efeitos paranormais. O replantio em áreas distantes da anomalia tende a acelerar o retrocesso de SCP-074-PT.

Ao longo dos anos de estudo foram catalogadas mais de 18000 espécies vivendo no interior e nos arredores da anomalia. Não existem dados conclusivos que expliquem o surgimento de um nicho ecológico formado de modo tão célere. Alguns pesquisadores supõem que as variadas espécies são geradas por abiogênese. Nenhum animal ou planta analisado aparenta possuir qualquer tipo de habilidade anômala. Avaliações etológicas, no entanto, demostraram um aumento incomum nas relações heterotípicas harmônicas

Seres humanos que entram em contato com SCP-074-PT têm seu genoma modificado se tornando parte da flora local. As principais mudanças no interior de suas células aparecem nos primeiros minutos de permanência. As mais visíveis são: Alteração do formato irregular para uma geometria retangular fixa, adição de cloroplastos e formação de uma parede celular formada por celulose. A região da lombar é o ponto inicial de transmutação vegetal, a coluna vertebral aos poucos irá se converter em um caule, no qual se expande para o solo na forma de raízes e para o céu na forma de ramos. Em poucos minutos não existe mais sangue no interior da vítima, o sistema circulatório fora substituído por um complexo labirinto vascular que transporta seiva em seu interior.

Independente da presença do indivíduo no interior da anomalia as alterações genéticas continuarão até finalizar seu processo de metamorfose. As modificações genéticas em organismos humanos tendem a aparecer dentro de 3 metros do limite 42, cerca de 20 m do lago formado, tornando o processo mais rápido à medida que se aproxima do centro da anomalia.

Utilização de meios artificiais para a vigilância do objeto se mostraram ineficazes. Qualquer objeto artificial preso em seu interior tende a ser destruído por um processo rápido de corrosão, deste modo apenas imagens parciais foram coletadas para análise. Fora observado que a utilização de materiais que não tenham passado por uma formação industrial anterior apresenta uma maior durabilidade.

Entidades humanoides em intervalos de tempo infrequentes circulam no interior do objeto. Tais entidades atuam como guardiões de SCP-074-PT, agindo de forma agressiva mediante a qualquer ação considerada hostil3 pela entidade. Tais entidades são formadas a partir dos restos mortais humanos que perecem antes de sua transmutação total. Acredita-se que o evento seleciona, por meios ainda não determinados, indivíduos com pré-disposição para se tornarem seus protetores. Em anos de análise só foram observados e catalogados apenas dois tipos de entidades, a partir deste momento denominadas SCP-074-PT-α e SCP-074-PT-β.

SCP-074-PT-α: Configura-se em uma espécie de seres humanoides de altura média de 2.23 m. Seu corpo é constituído por uma biomassa vegetal com vias aéreas e globos oculares. Por meio de exames radiográficos foi possível, em algumas das instâncias, observar versões não-funcionais de órgãos humanos. Demonstra força sobre-humana e regeneração celular acelerada, tendo amplo controle sobre as formas de vida vegetal em seu entorno. SCP-074-PT-α é capaz de se comunicar através de vocalização, mesmo não possuindo cordas vocais ou meios visíveis de emitir tal som. O comportamento da entidade tende a ser neutro para com os funcionários da Fundação, agindo de forma hostil apenas quando provocado.

SCP-074-PT-β: Tem a aparência de um humano de sexo feminino portando asas típicas da ordem de insetos Lepidoptera. Seu comportamento tende a ser dócil, na maioria das vezes fugindo mediante a presença humana. Não existem dados conclusivos que expliquem sua formação biológica. Acredita-se que sejam a variação feminina de SCP-074-PT-α.

Adendo de descoberta: Em março de 1974 mudanças severas na composição geológica do parque ████, Zona Oeste de São Paulo, chamaram a atenção da Fundação. Uma equipe foi estabelecida para fazer a averiguação local fixando um assentamento. Segundo relatos do oficial responsável, três classes-D foram enviados para o interior da anomalia. Os indivíduos em poucos minutos, ao estar cerca de 20 metros do lago, se transmutaram em plantas da espécie pau-brasil (Paubrasilia echinata), jequitibá-rosa (Cariniana legalis) e eichler espinho-agulha (Xylosma ciliatifolia) respectivamente. A Fundação rapidamente isolou o local e montou um laboratório móvel de pesquisa biológica.

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License