SCP-100
avaliação: 0+x
1YBBZ.png
Frente da Loja de SCP-100's

Item nº: SCP-100

Classe do Objeto: Euclídeo

Procedimentos Especiais de Contenção: SCP-100 deve ser mantido com seis (6) guardas patrulhando o interior do perímetro e dois (2) guardas dedicados a monitorar o interior e o exterior de ambos os armazéns e da construção residencial, com trocas de turno ocorrendo a cada três (3) horas. Qualquer indivíduo não autorizado encontrado dentro de SCP-100 deve ser detido e submetido a interrogatório, antes da administração de amnésicos e da soltura.

Três (3) guardas devem permanecer dentro da loja de SCP-100, com rotações ocorrendo a cada 8 (oito) horas. A entrada da frente da loja deve permanecer bloqueada em todos os momentos, com chaves fornecidas aos funcionários essenciais. Placas de "Propriedade Privada" e "Não Entre" devem ser mantidos na frente da loja para impedir que motoristas estacionem em SCP-100.

Qualquer construto criado por SCP-100-1 deve ser removido de dentro da área de SCP-100 e convertido, por derretimento, em escória, com exceção de SCP-100-2-A e SCP-100-2-B. Caso SCP-100-1 torne-se não cooperativo, SCP-100-2-A e SCP-100-2-B podem ser removidos de SCP-100 até que SCP-100-1 se torne cooperativo novamente.

Descrição: SCP-100 é um ferro-velho abandonado, localizado a oitenta (80) quilômetros de █████████, Carolina do Sul, conhecido como "Jubileu de Sucata do Joe Jamaicano". O ferro-velho abrange cerca de cinco mil (5.000) metros quadrados de terra cercada, que consistem em dois armazéns, uma loja e um pequeno edifício residencial, bem como terrenos abandonados e terrenos utilizados para armazenamento. SCP-100 contém cerca de mil e quinhentos (1.500) veículos, compactados e não compactados, bem como cerca de mil e quatrocentos (1.400) quilos de sucata separada, com um valor estimado em US $5.000 (R$ 11.992,99)1.

Os efeitos anômalos de SCP-100 se manifestam através SCP-100-1 e suas construções, incluindo SCP-100-2-A e SCP-100-2-B. A autonomia é perdida quando SCP-100-1 ou um de seus objetos atravessa o perímetro cercado de SCP-100, permanecendo neste estado até a reintrodução.

SCP-100-1 é uma construção humanoide autônoma, sapiente composta principalmente de tubos de cobre, fios de cobre sem isolamento, e latas de alumínio. SCP-100-1 não possui capacidade de comunicação escrita ou verbal, mas no entanto, possui a capacidade de se comunicar usando uma linguagem de sinais rudimentar. SCP-100-1 não apresenta, em grande parte, interesse em conversas sobre assuntos fora vendas, e as informações obtidas a partir dele têm sido limitadas. SCP-100-1 parece possuir habilidade em artesanato, demonstrando a capacidade de operar ferramentas como soldadores, furadeiras e serras elétricas, bem como máquinas pesadas, como um compressor carro e uma empilhadeira.

SCP-100-1 possui a capacidade de criar construções autônomas semelhantes a si mesmo, utilizando o material disponível em SCP-100. SCP-100-1 tende a criar quatro (4) animais específicos - iguanas, crocodilos, tartarugas e flamingos - no entanto, SCP-100-1 já foi observado criando outras espécies, tais como animais domésticos. Para manter a sua cooperação, foi permitido a SCP-100-1 manter dois (2) objetos, rotulados SCP-100-2-A e SCP-100-2-B.

QB--KG_o7qM.jpg
SCP-100-2-A and SCP-100-2-B patrulhando a reparação da grade temporária

SCP-100-2-A e SCP-100-2-B são construções que lembram superficialmente insetos, e que, presume-se, foram criados por SCP-100-1, uma vez que ocupam SCP-100 desde a descoberta inicial do próprio SCP-100. Os nomes "Raymone" e "Beatrice" encontram-se soldados nas costas de SCP-100-2-A e SCP-100-2-B, respectivamente. Eles parecem possuir as funções de companheiros e também de guardas para SCP-100, patrulhando o perímetro do SCP-100, exceto durante os momentos de interação com SCP-100-1.

SCP-100-1 parece seguir um cronograma ritualístico, repetindo as mesmas ações todos os dias.

  • Das 08:00 as 15:00, SCP-100-1 entra na loja de SCP-100, se sentando atrás de um balcão e tentando negociar com qualquer ser humano no interior da loja. Ocasionalmente, SCP-100-1 retorna prematuramente ao ferro-velho, por razões desconhecidas.
  • Das 15:00 as 16:00, SCP-100-1 interage com SCP-100-2-A e SCP-100-2-B, comunicando-se com a mão e o braço fazendo gestos vagos. Estas interações normalmente consistem na manutenção, reparos e outras atividades que se assemelham a "brincar de pegar" e "esconde-esconde".
  • Das 16:00 as 20:00, SCP-100-1 executa várias tarefas, incluindo o balanço do material dentro de SCP-100, a limpeza e manutenção de ferramentas e da maquinaria pesada, e também a limpeza dos interiores e exteriores dos edifícios presentes em SCP-100.
  • Das 20:00 as 00:00 SCP-100-1 realiza o que são entendidos como atos de lazer, que vão desde a criação de novas construções, interações com SCP-100-2-A e SCP-100-2-B, e patrulha de SCP-100.
  • Das 00:00 a 08:00, SCP-100-1 entra no edifício residencial, onde permanece sentado em uma mesa pela duração deste tempo.

Em casos em que um ser humano entra na loja de SCP-100 durante o intervalo de tempo em que SCP-100-1 encontra-se sentado atrás do balcão, SCP-100-1 tentará negociar com ele, usando uma variedade de gestos para transmitir ideias. A maioria das tentativas de SCP-100-1 consistem em vender sucata, esculturas de criação própria, ou serviços de reparo, no entanto, ele também já foi visto executando compra de sucata. Apesar da incapacidade de SCP-100-1 de ler, ele possui a capacidade de realizar a contas matemáticas básicas, como demonstrado pelas vendas.

As vendas efetuadas por SCP-100-1 tipicamente possuem algum grau de injustiça. SCP-100-1 já foi observado utilizando balanças intencionalmente viciadas e também contaminando pilhas de sucata com metais mais baratos. A entidade também demonstra conhecimento da área de efeito de SCP-100, uma vez que SCP-100-1 costuma vender construtos frequentemente, apesar de os objetos perderem a autonomia ao sair de SCP-100. Tentativas de confrontar SCP-100-1 sobre estes fatos são recebidas com um tanto irritação como indiferença, com a entidade apontando para um aviso colocado na parede escrito "Não haverá reembolso, mermão!" independentemente de seu estado emocional.

SCP-100 foi descoberto em 11/09/76, após relatos de estranhas máquinas que operariam no ferro-velho. Esses rumores foram descreditados como sendo lendas urbanas, e um agente da Fundação foi enviado para SCP-100 para atuar como o proprietário do terreno até que a contenção fosse realizada sob o pretexto de venda da propriedade. Uma cerca de madeira foi construída ao longo do perímetro de SCP-100, janelas de mão-única foram instaladas na loja, e uma estrada que atravessa a cidade vizinha de █████████ atualmente redireciona a maioria do tráfego civil.

Adendo 100-A: Os registros mostram que a propriedade do terreno é de um "Joseph Duval", com um endereço para correspondência com o mesmo nome. Empresas de serviços públicos locais relatam que o pagamento das contas da propriedade haviam cessado a aproximadamente três (3) meses antes da descoberta de SCP-100, que fora encontrado abandonado, salvo por SCP-100-1, SCP-100-2-A, SCP-100-2-B, e diversas figuras aviárias e caninas que se presumem serem feitas por SCP-100-1. A varredura inicial dos edifícios revelou que o edifício residencial encontra-se praticamente vazio, com o único sinal de antigos ocupantes sendo uma nota encontrada colada na porta da loja. (ver Documento 100-A)

Incidente 100-A: Em 06/03/05, SCP-100-1 criou uma construção humanoide, autônoma de 10 (dez) centímetros de altura, foi a primeira vez SCP-100-1 fez esta ação. O esforço significativo no trabalho fez a construção ser colocada em destaque na comparação com os outros, com maior detalhe aplicado à construção, incluindo características faciais e "J.J" soldada à parte posterior da construção, composta principalmente de aço inoxidável. SCP-100-1 colocou o construto no balcão da loja durante este evento, e os objetos foram vistos utilizando gestos vagos, aparentemente para se comunicarem um com o outro. Após a apreensão dessa construção, SCP-100-1 permaneceu sentado no interior do edifício residencial de SCP-100 por um total de 10 (dez) dias.

Documento 100-A: A seguir está uma cópia da nota encontrada após a descoberta de SCP-100.

SAÍ PRA LANCHA, VÊ AI COM O MEU ASSISTENTE –J.J.


Artigo Original

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License