SCP-1027
rating: 0+x
1027.png

Um espécime de SCP-1027 fora de contenção. Foto pertencente ao The Stranger (O Estranho).

Item nº: SCP-1027

Classe do Objeto: Euclídeo

Procedimentos Especiais de Contenção: SCP-1027 deve ser alojado em um tanque de contenção padrão, imerso em uma solução salina. O pessoal designado deve evitar contato físico direto com SCP-1027, com exceção da equipe de alimentação. SCP-1027 deve receber um (1) cérebro de animal bovino fresco por semana. Todo o pessoal envolvido na alimentação de SCP-1027 deve usar equipamentos de bio-proteção de Nível-4. Em caso de exposição ao SCP-1027, o pessoal afetado deve ser imediatamente tratado como instâncias de SCP-1027 e submetido a protocolos de contenção padrão.

Descrição: SCP-1027 se assemelha ao sistema nervoso central de um ser humano (Homo sapiens) que se adaptou à vida fora do corpo humano. Os espécimes atualmente em posse da Fundação medem de 1,1 metros (medidos desde o ápice do cérebro até a base do nervo ciático) até 1,5 metros. Em anexo estão as estruturas sensoriais básicas associadas ao funcionamento humano, incluindo estruturas nervosas sensoriais, olhos e cóclea. SCP-1027 parece ser capaz de interpretar sinais desses sistemas da mesma maneira que um indivíduo humano. No entanto, todas as estruturas neurais dentro de SCP-1027 são capazes de se mover em extensões variadas. Esse movimento é mais perceptível enquanto SCP-1027 é imerso em um meio líquido.

Composição neural em SCP-1027 parece semelhante ao de um ser humano, com exceção da neuróglia. O revestimento de mielina que cobre as células de SCP-1027 é aproximadamente 300% da espessura da encontrada em um ser humano adulto saudável. Além disso, verificou-se que os revestimentos gliais em neurônios de SCP-1027 se estendem por toda a extensão das células e são aparentemente permeáveis aos compostos de neurotransmissores. Como resultado, SCP-1027 é capaz de se sustentar fora do ambiente de um corpo vivo, embora seja mais confortável em uma solução de água salgada.

SCP-1027 parece alimentar-se principalmente dos neurotransmissores encontrados no tecido cerebral de animais. O consumo ocorre por um processo semelhante à osmose, em que a neuróglia de SCP-1027 extrai e absorve certos compostos. O processo exato pelo qual isso é realizado é desconhecido. As condições alimentares regulares tornam SCP-1027 muito mais dócil, reduzindo o risco de exposição. No entanto, parece que SCP-1027 é capaz de sobreviver por longos períodos sem alimentação, e não se sabe neste momento se há realmente uma necessidade biológica para esses produtos químicos.

Quando apresentado por uma presa viva, SCP-1027 irá aparentemente, fundir-se com o seu sistema nervoso, drenando agentes neurotransmissores ao longo do tempo, levando à morte. No entanto, quando exposto a um humano vivo ou recentemente falecido (menos de 12 horas antes da exposição), SCP-1027 irá se infiltrar no cérebro através do canal auditivo. Ao romper as membranas meníngeas, os gânglios neurais de SCP-1027 liberarão uma alta dose de um composto de dopamina aparentemente modificado diretamente no cérebro, além de um impulso elétrico medido em aproximadamente 150 milivolts. Esta combinação foi mostrada iniciando a atividade cerebral básica em 9█% dos casos. O sistema nervoso do indivíduo começará a se modificar em uma nova instância de SCP-1027. A neuróglia aumenta em tamanho e todo o sistema nervoso central se-soltar do corpo do hospedeiro por decomposição acelerada. Até hoje, nenhum espécime de SCP-1027 demonstrou possuir qualquer memória antes de se-soltar e ter um nível de inteligência funcional equivalente ao de um primata inferior.

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License