SCP-103-PT

avaliação: +20+x

Item nº: SCP-103-PT

Classe do Objeto: Euclídeo

Procedimentos Especiais de Contenção: SCP-103-PT está contido em um viveiro para roedores com medidas de 100 cm² por 50 cm de altura construído em vidro AM III. A contenção possui aberturas circulares para a ventilação de 2 mm situadas a cerca de 5 cm da tampa e foi projetada para oferecer três ambientes que podem ser isolados, em caso de necessidade, por placas de vidro AM III inseridas lateralmente. A tampa da contenção só pode ser aberta para limpeza e reposição de viveres.

O confinamento de vidro está em uma sala fechada com paredes de aço 18 cm, uma janela de observação de vidro blindado e uma única porta de acesso fechada a vácuo. Caracterizando assim o viveiro de vidro como "contenção 01" e a sala monitorada como "contenção 02"

As observações, interações e entrevistas com o objeto são feitas por técnicos da Fundação através do vidro blindado, a vigilância consiste em sistema de monitoramento fechado. Conjuntos de aspersores de gás paralisante estrategicamente colocados no teto serão ativados em caso de tentativa de fuga da contenção 01.

O ambiente controlado de SCP-103-PT deve ser limpo e a serragem trocada a cada 7 dias, alimentos e água ajustados a cada 24 horas.

Em modelos de contenção anteriores era permitido aos funcionários de classe D, encarregados da limpeza até então, o manuseio do SCP-103-PT, para fins de observação e estudo, uma vez que o mesmo demonstrava satisfação ao ser tocado. Depois do Incidente 103-01 o contato com o objeto só é permitido em caso de coleta de material orgânico para testes.

Em seu viveiro o objeto anômalo possui roda de exercícios, objetos lúdicos de várias texturas para roer, serragem de boa qualidade, alimentos variados de uma dieta onívora e água a vontade. A comunicação entre SCP-103-PT e os pesquisadores se desenvolve através de um teclado ergonômico para o objeto em um dos ambientes da contenção 01.

Descrição: SCP-103-PT é um roedor fêmea, de aproximadamente 30 cm de comprimento com pelagem dourada e olhos acastanhados, grau de dureza dos dentes de acordo com a escala Mohs é maior que a do ferro e do aço, que é defino padrão para a maioria dos roedores. Sua espécie não foi atribuída por não se encaixar em nenhuma das chaves dicotômicas disponíveis, podendo ser classificado como parte do grupo Myomorpha que engloba todas as espécies de ratos conhecidas.

Análises filogenéticas indicam que o anômalo em questão está viva há mais de 12 mil anos, o que levanta a hipótese de que SCP-103-PT não pertença a uma espécie existente, ou que sua espécie jamais tenha sido documentada. Não foi possível ainda rastrear a origem de sua longevidade. Análises subsequentes indicam que o objeto possui DNA mitocondrial compatível com todas as espécies de ratos testadas.

Atinge altas pontuações nos testes de cognição, autoconsciência e senciência, demonstrando assim possuir uma consciência bem desenvolvida. Testes subsequentes demonstraram que entende a linguagem humana e possui domínio rudimentar da escrita. A introdução de um teclado adaptado ao tamanho e a ergonomia do objeto SCP permitiu melhor interação entre os pesquisadores e a anomalia. Quando interrogado a respeito de seu conhecimento do idioma, o espécime apenas digitou: “Eu aprendo, não difícil.”

Quando perguntado se possuía um nome, o indivíduo pediu para ser tratado apenas como "Mãe".

Testes de sangue indicam positivo para mais de 35 moléstias transmitidas de ratos para seres humanos. Uma vez que os patógenos parecem conviver em simbiose dentro do objeto anômalo, este não apresenta sintomas e está em perfeita saúde. Tais resultados levanta a teoria de que SCP-103-PT seja o paciente zero destas doenças.

Em experimentos de convivência com outros roedores se tornou nítido que SCP-103-PT tem a capacidade de comandar qualquer outro indivíduo do grupo taxonômico dos roedores. Todas as espécies testadas parecem responder tanto a sua presença, em um raio de até 1 metro quanto a suas vocalizações em um raio de mais de 10 metros.

SCP-103-PT permanece calmo e obedece de boa fé quando pedido que se dirija a um dos ambientes de seu viveiro para ser isolado enquanto sua água e comida são trocadas, ou a higiene de seu ambiente é feita. Também se comporta de forma tranquila quando submetido a experimentos, desde que seja explicado com antecedência a natureza do experimento.

Apesar da aparente docilidade, o comportamento de encarar o vidro blindado por longas horas sem piscar parece assumir que o objeto anômalo sabe se tratar de um espelho falso. Quando inquerido sobre isso, SCP-103-PT apenas respondeu: “Descobri quando eu passear”.

Parece também saber onde estão as câmeras de observação e os dispersores de gás. A obsessão em memorizar e observar o ambiente é perfeitamente cabível em roedores normais e parece ser mais aguçada em SCP-103-PT devido às suas capacidades cognitivas superiores quando comparado a outros roedores.

Descoberta: SCP-103-PT foi encontrado em um sobrado antigo no interior de ████████, sul do estado de Minas Gerais, depois de uma dedetização de emergência. O dono do sobrado o Sr. ████████████████ havia falecido recentemente, e os parentes procuravam eliminar a grande quantidade de roedores existentes no local.

O trabalho de dedetização matou todos os roedores da casa, menos o objeto anômalo que foi encontrado dentro de um “Rei dos Ratos” com mais de 50 roedores. O fato chamou a atenção de um dos agentes de campo da Fundação Lusófona, que acionou o processo de captura e quarentena do objeto.

Documentos na casa, indicam que o dono do sobrado em sua juventude, havia adquirido múmias de diversos animais, provenientes das escavações na cidade de Shag, Egito. As múmias apresentavam documentos de autenticidade expedidos pelo Museu do Egito. Uma múmia de roedor se mostrava maior que um roedor comum e apresentava faixas pintadas com hieróglifos antigos de acordo com o registro fotográfico.

A tradução do material foi feita por pesquisadores da Fundação e significa: “Mãe de toda praga e fome”.

Ao ser questionado sobre sua suposta mumificação o objeto anômalo apenas disse que dormiu demais e que acordou no sobrado, SCP-103-PT também afirma: “Eu gostava velho, me dava uvas”.

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License