SCP-171
avaliação: 0+x
171-1.jpg

SCP-171 no dia do primeiro contato.

Item nº: SCP-171

Classe do Objeto: Euclídeo

Procedimentos Especiais de Contenção: Uma piscina de água salgada de 4500 litros localizada na Área de Bio-pesquisa 12 é atualmente a localização de pesquisa de SCP-171. Apesar de não ser imediatamente perigoso, o mínimo contato físico entre secreções de SCP-171 e seus hospedeiros deve ser observado. Toda comunicação entre hospedeiros e observadores deve ser gravada e transcrita. Hospedeiros humanos devem ser alimentados com uma dieta vegetariana de sua preferência. Outros hospedeiros animais devem ser alimentados apropriadamente. Água salgada fresca deve ser circulada em seu tanque regularmente.

Descrição: Originalmente, acreditava-se que SCP-171 era uma colônia de organismos microscópicos similar a SCP-968 ou SCP-165, mas investigações posteriores revelaram SCP-171 como uma entidade única abrangendo 300 metros quadrados quando foi encontrado pela primeira vez. SCP-171 é uma matriz em forma de teia de pequenas e finas gavinhas de neurônios, glândulas mucosas, e fibras musculares suspensas em uma espuma de sua própria criação. Não é capaz de se locomover e não ataca ou se alimenta ativamente de outros organismos vivos; ao invés disso, tenta formar um relacionamento simbiótico com todos os organismos aos quais tem contato.

171-2.jpg

Crianças brincando na espuma de SCP-171 pouco tempo antes de começarem a experimentar a integração.

Os flagelos dos músculos ao redor das fibras neurais transforma o muco, sal marinho, água, e outras secreções em bolhas, formando um grande apoio de espuma. Qualquer criatura que passar uma quantidade de tempo significativa em contato com a matriz de SCP-171 corre o risco de ser integrada em uma consciência coletiva integrada por ela. As pessoas que ficam cobertas pela espuma de SCP-171 descrevem uma sensação de cócegas ou formigamento, o que pesquisadores observaram como sendo fibras de SCP-171 penetrando a pele para integrar diretamente no sistema nervoso do sujeito. Com o tempo, os neurônios motores simples dos sujeitos são expandidos em um elaborado vínculo de comunicação de via dupla, permitindo aos cérebros dos hospedeiros que se comuniquem uns com os outros e com a entidade de SCP-171. Com o tempo, a individualidade dos sujeitos é incorporada e compartilhada com outros na matriz SCP-171, resultando em uma consciência coletiva na qual personalidades individuais não existem.

Existem atualmente 19 sujeitos humanos hospedados em SCP-171 (11 civis, 8 Funcionários Classe-D). Os sujeitos são capazes de atravessar a espuma sem perder o contato consciente com o coletivo enquanto neuroreceptores na pele do sujeito se formam para permitir comunicação química entre o sujeito e SCP-171 da mesma maneira que os axônios terminais se comunicam com os dendritos no cérebro. Esses receptores na pele parecem manchas claras ou transparentes, com ligeiro relevo e muito sensíveis ao toque. Alguns sujeitos desaparecem na espuma de SCP-171 e não são vistos novamente por vários meses. Como sobrevivem sem água fresca ou fontes de sustentação ainda é desconhecido.

171-3.jpg

Originalmente, toda a costa era coberta de espuma.

Outros hospedeiros incluem: 2 marsuínos australianos (originalmente 4), 4 gaivotas de praia (3 foram eutanasiadas), 41 peixes de várias espécies (eutanasiados para estudo), 27 caranguejos de praia (eutanasiados para estudo), e 1 canino. Dentro de duas horas, a maioria dos sujeitos começou a formar neuroreceptores na pele e receber contato neural com SCP-171. Após três horas, um laço psicológico foi estabelecido entre os sujeitos e o coletivo. Após 6 horas, uma integração e dependência completos no coletivo havia evoluído. A partir deste momento, remover o sujeito do contato com SCP-171 resulta em um comportamento maníaco e violento seguido de uma eventual falha psicológica completa do indivíduo, levando a um estado vegetativo da mente (4 indivíduos foram perdidos dessa forma).

Quando entrevistados, todos os hospedeiros falam com a mesma consciência coletiva como se fossem parte de uma única entidade. O coletivo está ciente de si mesmo e de sua composição de diversos indivíduos, e até mesmo lamenta pela perda de cada persona individual. SCP-171 diz aos pesquisadores que compreende o que é, mas não de onde veio, explicando que sua própria inteligência e a inteligência dos hospedeiros que incorporou eram muito simples para entender ou lembrar de sua origem. Pesquisadores notaram uma mudança na personalidade de SCP-171 depois de integrar Funcionários Classe-D e escolheu não permitir a inclusão de pessoas violentas, não-amigáveis ou malévolas desse momento em diante. SCP-171 expressou que através de meditação e compreensão, escolhe evitar o consumo de outros animais quando possível.

Adendo 171-1: SCP-171 foi primeiramente encontrado por banhistas e surfistas em 12 de Agosto de 2007, na costa Australiana perto de Yamba, em New South Wales. Quando civis que brincavam na espuma começaram a experimentar condições de pele anormais, os oficiais da CDC contataram membros da SCP quando eles foram incapazes de explicar a anomalia.

Adendo 171-2: Pessoas que querem ser voluntariamente integradas a SCP-171 devem primeiro ser sujeitas a uma avaliação psicológica completa para garantir sua saúde mental, com ênfase especial em uma possível desconexão da humanidade e potenciais tendências suicidas. Eles devem ser repetidamente avisados que tal integração é permanente, e que não existe evidência que mostre que SCP-171 de nenhuma forma exibe um estado de 'consciência superior', ou indubitavelmente uma consciência significativamente diferente da nossa. Se o sujeito persistir em desejar a integração, e se for mostrado que o sujeito toma essa decisão em um estado de mente sã, então ele tem permissão de fazê-lo.

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License