SCP-189
avaliação: +1+x

Item nº: SCP-189

Classe do Objeto: Seguro

Procedimentos Especiais de Contenção: Amostras de SCP-189 devem ser armazenadas na Instalação ██, com qualquer excedente destruído por incineração. Cobaias de teste infectadas com SCP-189 devem ser mantidas em uma câmara de contenção selada com uma câmara de ar que inclui um chuveiro químico. Funcionários interagindo com cobaias de teste devem vestir trajes protetores NBC padrão durante todo o tempo dentro da câmara de contenção e se submeter a um banho químico antes de sair da câmara de ar ao sair. Quando cobaias de teste morrem ou são exterminadas, seus restos devem ser selados em um recipiente hermético ou bolsa corporal, que está sujeita ao mesmo banho químico que os funcionários carregando-o para fora da câmara de contenção, e descartado por incineração.

Membros da equipe encontrados infestados com SCP-189 devem ser colocados em quarentena de acordo com o procedimento descrito acima para cobaias de teste e tratados com agente antiparasitário 189-A. Veja o Documento 189-█ para o procedimento de tratamento. Se uma infestação de SCP-189 for descoberta em qualquer indivíduo ou animal em uma instalação, todos os funcionários e animais naquela instalação devem ser inspecionados quanto à presença de SCP-189 conforme detalhado no Procedimento 189-█, qualquer membro da equipe tratado conforme descrito acima, quaisquer animais e/ou Classes-D não SCPs devem ser exterminados e incinerados, e a instalação submetida a uma limpeza completa com agente antiparasitário 189-A.

Caso algum caso de infestação de SCP-189 seja confirmado em pessoas ou animais fora da Fundação, todos os afetados devem ser imediatamente detidos e colocados em quarentena. Animais devem ser eutanasiados e incinerados, enquanto humanos devem ser tratados com agente antiparasitário 189-A para a infestação e então administrados amnésticos Classe C ou B. Quaisquer indivíduos que posam ter estado em contato próximo com o(s) infectado(s) e/ou entrado em seu veículo pessoal ou local de residência devem ser verificados quanto à possibilidade de infestação de SCP-189 e tratados, se necessário. Consulte o Documento 189-█ para obter histórias de acobertamento adequadas.

Descrição: SCP-189 é uma espécie de lombriga parasita (classificação taxonômica tentativa [DADOS EXPURGADOS]) capaz de infestar qualquer forma de vida mamífera. A infecção ocorre mais comumente como resultado de contato direto com a pele com uma ou mais bolsas de ovos. Essas bolsas de ovos são cobertas por "ganchos" microscópicos semelhantes aos das cutículas de algumas espécies de nematoides, que fixam as bolsas à superfície da pele. Contato com o sebo então faz com que os ovos dentro eclodam, momento em que as larvas procuram e se enterram em um ou mais folículos capilares próximos.

Um vez dentro do folículo, a larva se fixa na base da papila e começa a se alimentar dos capilares que alimentam a papila. Ao longo de 2-3 dias, a larva cresce e se torna adulta. Quando está totalmente amadurecido, o novo adulto se desprende da papila, separa a fibra capilar da raiz e envolve quase totalmente a papila e a matriz capilar. Deste ponto em diante, o verme se alimenta das células eliminadas pela matriz capilar (que normalmente formariam a fibra capilar) e começa a crescer mais.

Espécimes adultos de SCP-189 crescem apenas em comprimento, extrudando uma "cauda" que incorpora alguns dos pigmentos e queratina das células que eles consomem em uma cutícula externa. Isso, combinado com o fato de que o diâmetro da "cauda" de um espécime é geralmente semelhante ao do cabelo que normalmente cresceria no folículo hospedeiro, faz com que SCP-189 seja visualmente indistinguível de um cabelo normal, exceto por inspeção microscópica. Porém, alguns espécimes irão ocasionalmente flexionar, enrolar e desenrolar e/ou chicotear sua "cauda", particularmente em resposta a estimulação tátil. A razão para esse comportamento não é compreendida atualmente, assim como a razão para apenas alguns indivíduos se comportarem dessa maneira, embora tenha sido proposto que [DADOS EXPURGADOS].

Tal como acontece com muitas outras espécies de lombrigas, SCP-189 é hermafrodita, com ambos os conjuntos de genitais contidos na "cabeça" (a parte que envolve a papila e a matriz do cabelo). Ovos fertilizados são produzidos em grupos de 1-3 e envolvidos em uma bolsa protetora que é então incorporada à "cauda" em crescimento. As bolsas de ovos desenvolvem seus "ganchos" microscópicos e os ovos normalmente amadurecem até o tempo que a porção da cauda contendo eles tenha se estendido aproximadamente 1 mm além da superfície da pele do hospedeiro. Uma vez totalmente desenvolvido, o saco de ovos passa para o exterior da cauda do organismo, tornando-se frouxamente embutida em sua cutícula. Nesse ponto, se a bolsa de ovos for colocada em contato com uma superfície hospedeira adequada (incluindo a pele do hospedeiro atual), ela se fixa a essa superfície e é puxada para fora de seu pai. Este é o método principal que SCP-189 usa para infectar novos hospedeiros e para infectar ainda mais o hospedeiro atual.

A "cauda" de um espécime adulto de SCP-189 não é mais durável do que um cabelo normal, e sua "cabeça" não está mais fortemente presa ao folículo hospedeiro. A "cauda" pode ser cortada ou quebrada, ou o organismo inteiro puxado, por qualquer método que similarmente afetaria um cabelo. Seções cortadas da cauda de um adulto podem crescer uma nova "cabeça" e se regenerar em um indivíduo separado, mas apenas se puderem se prender a um hospedeiro adequado. A morte de um folículo infestado por um adulto SCP-189 (ou qualquer outro evento que causaria a perda do cabelo desse folículo) faz com que o indivíduo se desprenda de seu hospedeiro. Sem um hospedeiro, SCP-189 adultos morrem dentro de 1-6 horas. Ovos maduros podem permanecer viáveis por até █ anos após a morte de seu pai e, como tal, mesmo adultos mortos podem apresentar risco de infestação.

Quando um hospedeiro infectado morre, qualquer espécime adulto sobrevivente de SCP-189 continua a se alimentar e crescer, eventualmente enterrando-se nos tecidos do hospedeiro. Assim que a decomposição começa, no entanto, o espécime é morto pelas toxinas produzidas.

Adendo 1: SCP-189 foi descoberto pela primeira vez em 19██, quando Dr. A████ F██████ (então não afiliado à Fundação) viajou para uma área remota da floresta tropical de [DADOS EXPURGADOS] como parte de uma pesquisa de biodiversidade de seis meses. Dr. F██████ trouxe Kara, seu golden retriever de estimação de três anos, com com ele na expedição. Parece provável que o cachorro foi infestado pela primeira vez em algum momento durante esta viagem. Independentemente de quando a infestação começou, quando Dr. F██████ e Kara retornaram aos Estados Unidos, acredita-se que mais de 80% dos folículos do animal tinham sido infestados por SCP-189. Aproximadamente ██ dias após o seu retorno, Dr. F██████ estava acariciando Kara quando o "pelo" do cachorro começou a se mexer. Reconhecendo a natureza anormal da infestação, Dr. F██████ contatou Dr. I██ W███, um parasitologista, com um convite para estudar o organismo recém-descoberto. Foi quando os Drs. F██████ e W███ enviaram um artigo sobre SCP-189 para publicação que a Fundação tomou conhecimento de sua existência e imediatamente levou os Drs. F██████ and W███ sob custódia e apreendeu todos os seus materiais de pesquisa. Ambos os doutores foram posteriormente recrutados para a Fundação, com o Dr. W███ se tornando o pesquisador chefe responsável por SCP-189, e atualmente estacionado em [DADOS EXPURGADOS], investigando populações indígenas de SCP-189 para possível contenção ou erradicação.

Adendo 2: Desde que a Fundação tomou conhecimento de SCP-189, houve ██ incidentes de infestação fora da Fundação, resultando em ███ humanos e ████ animais infectados confirmados em várias partes do mundo. O monitoramento contínuo é necessária para garantir que tais incidentes não cheguem à atenção do público geral.

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License