SCP-2323
avaliação: 0+x
2323.jpg

SCP-2323-A-07 com uma presa não anômala

Item nº: SCP-2323

Classe do Objeto: Euclídeo

Procedimentos Especiais de Contenção: Pelo menos uns dos espécimes restantes de SCP-2323-A deverão ser contidos. A caça de voo livre e a alimentação são necessárias para a manutenção contínua de SCP-2323. O invólucro aviário com rede externa padrão (incluindo bloqueios como perímetros) é suficiente para contenção. Use gaiolas padrão para abrigar os espécimes de SCP-2323-A, conforme necessário para manutenção do invólucro, cuidados veterinários, intempéries, transporte ou pesquisa. Os terrenos fechados devem incluir uma variedade de plantas com flores polinizadas por insetos. A contenção deve incluir um mínimo de 1 m de arame farpado (com teor de ferro metálico de 90% ou mais) por um espécime de SCP-2323-A adulto, amarrado e elevado 1-3 m acima do solo (com espaçamento mínimo de 0,25 metros entre os filamentos).

Todos espécimes de SCP-2323-A devem ser marcados com marcas de rastreamento ornitológico padrão, microchips e dispositivo GPS. Espécimes que violem a contenção devem ser recuperados ou destruídos imediatamente. Quaisquer espécimes de Lanius excubitor que tenham sido expostos ao SCP-2323 e não sejam necessários para manutenção desta anomalia ou para pesquisa devem ser destruídos.

NOTA: Esta anomalia não contém as entidades de presa anômalas de SCP-2323. Estes parecem estar presentes no ambiente onde quer que ocorram flores polinizadas por insetos [veja 1].

Descrição: SCP-2323 é um comportamento anômalo pode ser observado nos picanços (Lanius excubitor). É memético na espécie hospedeira e é tanto aprendível como transmissível (taxa de transmissão bem sucedida de 64% para pássaros capturados e 87% para filhotes criados em cativeiro)[veja 2]. Organismos portadores (designados como SCP-2323-A) são espécimes não anômalos de L. excubitor, apresentando sinais vitais típicos e comportamentos observáveis.

Enquanto os espécimes de SCP-2323-A demonstrarão caça e alimentação não anômalas, usando espinhos naturais e arame farpado para empalar as presas,1 eles mostram uma preferência observável por SCP-2323. Enquanto engajados em SCP-2323, os espécimes de SCP-2323-A são observados a capturar entidades não visíveis (tanto no solo quanto no ar) e usam exclusivamente o arame farpado para alimentação. Se arame farpado (ou outro alto teor de ferro metálico como os "espinhos") não está presente, SCP-2323-A não se engaja em SCP-2323, mas alimenta-se inteiramente de presas não-anômalas. Vocalizações não identificadas das entidades podem ser detectadas em gravações de áudio de alta frequência de SCP-2323. Enquanto as entidades permanecem não visíveis durante a alimentação, as farpas de arame utilizadas para alimentação em entidades não visíveis tornam-se revestidas de sangue. Este sangue é de um animal com pelos, mas não corresponde a nenhum animal com pelos conhecido [veja 1].

A partir de 1986 (terceiro ano da contenção), clareiras circulares com um raio médio de 0,36 metros apareceram anualmente nos recintos. Estas clareiras são circundadas por um conjunto de corpos de frutificação fúngica de uma espécie de macrofungos não anômalos já presentes no ambiente, e contêm objetos anômalos (veja Adendo- Trecho do Documento SCP-2323-D). Essas anomalias aparecem à noite, normalmente entre março e agosto, com a maior frequência ocorrendo entre 20 de abril e 10 de maio. Nem a videovigilância nem a observação direta puderam observar essas clareiras sendo feitas ou os objetos aparecendo; esses fenômenos ocorrem somente quando e onde a observação não está sendo feita. A observação contínua de vídeo do invólucro impede totalmente a manifestação dessas anomalias.

Atualmente, os espécimes (SCP-2323-A-07 e A-10) são contidos na Área-██ com os espécimes (A-12, A-13, e A-14). Dois espécimes (SCP-2323-A-09 e A-11) são contidos na Área-██. SCP-2323-A-08, um espécime adulto do sexo masculino, está sendo usado para pesquisa em Área-██.

Adendo-Trecho do Documento SCP-2323-D: Os itens a seguir foram recuperados de uma clareira circular (com um raio de 0,41 m) no recinto contendo SCP-2323-A-03 e SCP-2323-A-04 em Maio de 1988. Esses itens são típicos de objetos que aparecem dentro de SCP-2323 durante a primavera.

  • Uma pedra de calcário com uma forma retangular, 155 mm X 50 mm x 20 mm, mostrando sinais de ter sido trabalhado com ferramentas manuais de pedra com uma superfície média de impacto de 3,7 mm.
  • Uma pele de um roedor comum (Microtus arvalis), encontrado coberto sobre a pedra. Manchas de sangue neste couro corresponderam ao sangue desconhecido encontrado em farpas de arame no mesmo compartimento de SCP-2323.
  • Duas corda com 80 mm de comprimento, feitos de seda da aranha e tecida com um raio transversal médio de 1,2 mm. Cada corda foi passada sob a pedra de calcário, 12 mm de cada extremidade e terminada em armações (raio de 4.3 mm) em cada extremidade. Essas armações continham traços de sangue anômalo de animais com pelo.
  • Um ramo de 403 mm de comprimento do espinheiro comum (Crataegus monogyna) despojado de folhas e bagas e "plantado" na vertical no chão. Os espinhos foram decorados com penas descartadas de SCP-2323-A-03 e A-04 presos com cordões da seda de aranha e tufos de pelo de um Canis lupus.2 Este foi localizado a 73 mm do centro de uma pedra calcária, perpendicular ao seu eixo longitudinal.

Adendo SCP-2323-G:
Análise das pelotas regurgitadas dos espécimes de SCP-2323-A:

56% do material recuperado de pelotas analisadas consiste em material não anômalo, como pele e ossos de roedores, bem como fragmentos de quitina não digeridos. O material restante é anômalo:

  • 7% consiste em couros de animais não digeridos (principalmente roedores) e têxteis de tecidos feitos da seda de aranha e fibras vegetais.
  • 6% consiste em ferramentas de pedra (massa média de 1,4 g) mostrando técnicas neolíticas avançadas, incluindo facas, pontas de flechas e pontas de lança.
  • 31% consiste em fragmentos ósseos, que além do tamanho (comprimento médio de 1,5 mm) são idênticos aos espécimes humanos.
Bibliography
1. Ryan, Uwe, e Watanabe, Comportamento de Caça Anômalo dos excubitores de Lanius, Registro de Anomalias Biológicas, Publicação Interna da Fundação, Março de 1987.
2. Ryan, Uwe, e Watanabe, Transmissão Memética de Comportamento de Caça Anômalo dos excubitores de Lanius, Registro de Anomalias Biológicas, Publicação Interna da Fundação, Janeiro de 1991.
Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License