SCP-260
avaliação: +1+x

Item nº: SCP-260

Classe do Objeto: Euclídeo

Procedimentos Especiais de Contenção: A localização e o alvo atuais de SCP-260 devem ser rastreados por funcionários da Fundação. O alvo atual deve ser realocado entre ██████████ e █████'██ (devido à natureza do terreno intermediário), sempre que SCP-260 se aproximar do local.

Descrição: SCP-260 parece ser uma pequena rocha clástica cuja composição exata é desconhecida. Ela possui formações semelhantes a fenocristais que a identificam como uma forma de brecha ígnea. Em uma das partes maiores e mais lisas da superfície está inscrito o nome de um ser humano, transliterado para o cirílico, que muda com o tempo em intervalos bem definidos. SCP-260 mantém movimento contínuo ao longo de uma geodésica em todos os objetos que se encontram entre ele e o indivíduo atualmente nomeado na pedra (doravante o "alvo"). Sua velocidade no vácuo através de uma superfície sem atrito foi estimada em aproximadamente 1,22 centímetros por segundo, mas geralmente ele se move muito mais lentamente devido ao atrito atmosférico e superficial. (Uma estimativa precisa é impossível, visto que SCP-260 é conhecido por "grudar" na superfície de qualquer objeto em que esteja localizado no momento, evitando sua deposição em vácuo puro.)

SCP-260 não experimenta efeitos perceptíveis de erosão pelos objetos pelos quais se move. Testes demonstraram que a pedra possui resistência à compressão e elasticidade extremamente altas, superando as pressões exercidas sobre ela por tiros e prensas tensoras. Devido ao movimento contínuo da pedra, experimentos sérios sobre a sensibilidade química ou térmica não foram conduzidos; no entanto, é duvidoso que tal experimentos teriam sucesso, já que a composição da pedra sugere que ela já passou por condições de alta temperatura.

Após o contato superficial com o alvo, todas as tentativas de remover ou realocar o alvo ou o SCP se tornam inúteis. SCP-260 começa a penetrar no corpo do alvo na direção do tórax a uma velocidade de aproximadamente 0,5 centímetros por segundo. Todos os órgãos ao longo do caminho do SCP são pulverizados. Assim que os sinais vitais do alvo cessam, a pedra imediatamente sai do corpo pelo caminho mais curto (após o que o nome de um novo alvo aparece no mesmo espaço do nome anterior) e recomeça o movimento. Tipicamente, o novo alvo é a pessoa mais próxima da pedra no momento em que ela sai do corpo, mas algumas variações ocorreram (consulte o adendo para obter mais informações).

Adendo: Registro de Teste

Os cenários a seguir foram construídos como medidas preventivas potenciais para conter SCP-260.

Cenário 1: SCP-260 foi atraído para uma cela de concreto cúbica e trancado dentro.
Resultado: Ao alcançar a borda do chão e escalar metade da parede, SCP-260 cessou movimento. Observadores o descreveram como "oscilando" por alguns segundos entre sua coloração natural e uma "negativa fotográfica", após o que ele desapareceu. O alvo atual expirou logo em seguida. Uma autópsia revelou a presença da pedra no tórax do alvo, tendo perfurado a aorta e a artéria pulmonar. Alguns segundos após a descoberta, o nome do Dr. ███████, que realizou a autópsia, apareceu na pedra e ele foi imediatamente evacuado para um local mais seguro.

Cenário 2: SCP-260 foi atraído para um cilindro rotativo oco e aberto montado em um suporte fixo (doravante referido como uma "roda gerbil") com seu alvo atual colocado fora do cilindro, com o objetivo de permitir que o SCP continue seu movimento enquanto simultaneamente o retarda com o mínimo de esforço.
Resultado: Após 57 horas e 22 minutos, SCP-260 cessou movimento. Os eventos que se seguiram corresponderam bastante aos resultados do Cenário 1. Não foi realizada uma autópsia e foi ordenada a observação do cadáver nas 72 horas seguintes. Seguiram-se queixas sobre o falecido. Com 9 horas de observação, perfurações foram observadas no peito do cadáver, seguidas pelo surgimento total de SCP-260 na hora seguinte. Depois de permanecer parado por 47 minutos, o SCP começou a se mover em direção a um dos observadores, que foi transferido para outra sala para estudo continuado.
Nota 1: Este parece ser o comportamento normal da pedra quando ela não é removida do alvo após a morte. Outros experimentos confirmaram que a penetração de um caixão de madeira e 1,8 m (6 pés) de solo requer um pouco mais de 72 horas.
Nota 2: Devido ao fracasso deste método de contenção, não é recomendado que SCP-260 seja utilizado como fonte de energia.

Cenário 3: SCP-260 foi atraído para uma esfera de plástico lisa, transparente e oca (doravante "bola de hamster").
Resultado: Embora SCP-260 tenha sido impedido de escalar paredes e impedido de se teletransportar, o movimento do alvo permitiu que o SCP contornasse vários obstáculos e ela não o impediu de começar a penetração uma vez que a bola de hamster entrou em contato físico com o alvo. Neste ponto, o alvo entrou em pânico e tentou deixar as instalações, mas foi detido e exterminado por agentes da Fundação. SCP-260 piscou como antes, mas imediatamente passou a ter como alvo o Agente █████, que atirou no alvo, e mudou o movimento de acordo. O Agente █████ foi removido das proximidades e a bola de hamster foi destruída por tiros. SCP-260 ficou ileso.
Nota: Antes do extermínio do alvo, a bola de hamster contendo SCP-260 caiu da borda de um barranco durante sua perseguição. Observadores observaram que a bola caiu normalmente (em vez de agarrar a parede e manter sua velocidade como SCP-260 normalmente faz) e reteve seu impulso no fundo, fazendo com que SCP-260 seguisse o alvo em velocidades muito mais altas.

O Agente █████ foi dispensado de suas funções e está atualmente sujeito a transporte entre sítios na costa da Ásia e América do Norte, a fim de manter SCP-260 em uma geodésica no fundo do Oceano Pacífico que atravessa a Challenger Deep.

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License