SCP-317
avaliação: 0+x

Item nº: SCP-317

Classe do Objeto: Seguro

Procedimentos Especiais de Contenção: SCP-371-1 deve ser preservado em um tanque de nitrogênio líquido. Solicitações de amostras de tecido de SCP-317-1 devem ser feitas por escrito; todas as pesquisas em amostras de tecido de SCP-317-1 devem estar em conformidade com os protocolos de risco biológico classe-5.

Análise de SCP-317-2 deve ser feita em instalações de sala limpa classe-3. Solicitações para análise de 317-2 devem ser feitas por escrito.

SCP-317-3 foi desmontado; as partes estão armazenadas em ██ locais diferentes. Solicitações para análise de 317-3 devem ser feitas por escrito a dois funcionários de nível O5 diferentes. Dois componentes de SCP-317-3 não podem ser colocados a menos de 100 km um do outro.

Descrição: SCP-317-1 é o cadáver de uma entidade reptiliana sapiente provisoriamente identificada como uma espécie previamente desconhecida de paquicefalossaurídeo. O indivíduo era bípede, do sexo feminino, com 3 m de altura e usava roupas feitas de polímeros sintéticos; o indivíduo também usava lentes corretivas. Indivíduo era amplamente herbívoro e tinha dígitos preênseis.

O metabolismo do indivíduo era adaptado a um conteúdo de oxigênio atmosférico maior e, portanto, utilizava um dispositivo respirador quando não estava em seus aposentos.

Análise bioquímica pós-mortem (rodopsinas, mitocôndrias, genes homeobox, citocromo P450) confirma que SCP-317-1 compartilhava ancestralidade comum com a vida terrestre atual. Os registros da autópsia estão disponíveis no arquivo 317-B-685.

Nos quarenta dias entre sua chegada à custódia da Fundação e sua morte por infecção por lactobacilos, SCP-317-1 aprendeu a se comunicar por meio de uma combinação de linguagem de sinais, vocalizações grosseiras e desenhos; o arquivo de vídeo 317-B-36 mostra sessões de entrevista com SCP-317-1. Desenhos feitos por SCP-317-1 estão disponíveis no arquivo 317-B-42 (acesso geral: figuras anatômicas básicas; interações entre si mesmo e funcionários da Fundação; demonstração de conhecimento de matemática; demonstração de conhecimento de química; demonstração de conhecimento de física nuclear) e no arquivo 317-B-58 (acesso restrito: diagramas de circuitos, esquemas mecânicos, [DADOS EXPURGADOS]).

SCP-317-2 são os bens pessoais de SCP-317-1: uma túnica, um manto, um cinto de ferramentas, seis ferramentas, lentes corretivas, uma máscara de oxigênio, três tanques de oxigênio vazios, uma bolsa de documentos danificada por fogo feita de polímeros sintéticos e seu conteúdo danificado por fogo, e uma câmera digital danificada por cujo conteúdo era irrecuperável.

SCP-317-3 são os restos danificados por fogo do que se acredita ter sido uma máquina do tempo, que SCP-317-1 estava tentando consertar no momento em que foi levado sob custódia pela Fundação. Testes preliminares dos componentes intactos revelaram [DADOS EXPURGADOS], ponto no qual todos os testes foram interrompidos e SCP-317-3 desmontado.

Observações: Tem algo de errado com esse, pessoal. Uma civilização tecnológica deveria ter deixado algum vestígio no registro estratigráfico. Se houve uma Época Holocena antes de nós, para onde foram as evidências? Dr. █████

Não é só a completa falta de vestígios no registro fóssil. É a espécie. Como poderia ter sido um paquicefalossaurídeo que desenvolveu inteligência? Eles eram, na melhor das hipóteses, medianos para a fauna do Cretáceo. Por que não um troodontídeo, um ornitomímida ou outro terópode pequeno? Tem algo de errado aqui que está faltando. - Dr. M████

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License