SCP-3241
ship.png

O SS Sommerfeld (cerca de 1995).

Item nº: SCP-3241

Classe do Objeto: Keter

Procedimentos Especiais de Contenção: O GACS1 deve continuar desenvolvendo uma estratégia de contenção segura e eficaz para SCP-3241. Até que essa estratégia exista, os procedimentos para conter o SCP-3241 se concentrarão na mitigação, observação e prevenção de contatos externos.

Funcionários devem cooperar com a FMJAD2 e outras autoridades navais e aeronáuticas para impor uma zona de exclusão de 75 quilômetros ao redor de SCP-3241. Somente embarcações operadas pela Fundação podem entrar nesta zona. Drones de vigilância devem ser implantados semanalmente em SCP-3241 para monitorar sua taxa de expansão; Caso essa taxa mude, o atual Diretor de Contenção de SCP-3241 deve ser notificado imediatamente.

O uso de ARSs3 dentro da zona de exclusão de SCP-3241 é estritamente proibida. Na pendência da conclusão da investigação sobre os eventos ocorridos em 5 de novembro de 2015, nenhum funcionário (Da Fundação ou não) pode entrar no SCP-3241 sem a aprovação do Conselho O5.

Descrição: SCP-3241 é um volume de formato irregular (de aproximadamente doze quilômetros de diâmetro) centrado no SS Sommerfeld (anteriormente chamado de SS Chávez). SCP-3241 exibe numerosas anomalias espaciais, temporais, moleculares e biológicas. Embora a natureza e a gravidade dessas anomalias flutuem sem padrão discernível, elas não se estendem além de SCP-3241. Atualmente, SCP-3241 está se expandindo a uma taxa de aproximadamente quatro metros por dia.

O SS Sommerfeld é um navio cargueiro construído em 1963 pela empresa Sun Shipbuilding & Drydock. Foi comprado, reformado e renomeado em 1995 pela DLS4como parte de um contrato patrocinado pela Fundação para fornecer transporte para anomalias de baixo risco e ontokineticistas anestesiados5 do hoje desativado Sítio-97 ao Sítio-82.

Em 1998, o navio foi perdido junto com sua tripulação, anomalias e todos os cinco ontokineticistas a bordo. Um inquérito conduzido pela Fundação em 1999 atribuiu isso a uma violação de contenção no meio do transporte, seguida pela falha na atuação de seu sistema de segurança de emergência (composto por seis ARSs vinculados). Em 2015, o SS Sommerfeld foi descoberto a duzentos quilômetros a oeste da ilha de Odo. Isso levou à formação do GACS para avaliar o surgimento repentino de SCP-3241 e desenvolver um procedimento de contenção seguro e eficaz para ele.

Em 2018, surgiram novas evidências a respeito de uma possível infração por parte de Daniel DeVorn e da DLS. Uma segunda investigação foi conduzida nos eventos de 1998 e 2015. Como conseqüência dessa investigação, todos os contratos atuais e futuros com a DLS foram suspensos. Daniel DeVorn permanece em liberdade e foi designado como PoI-3241-347.

Adendo 3241.1:A perda do SS Sommerfeld

Em 17 de setembro de 1998, o SS Sommerfeld partiu de Jacksonville, Flórida (EUA) para Itaguaí, Rio de Janeiro (Brasil). Às 17:21 UTC, a Guarda Costeira recebeu um sinal do RIPE (Rádio Indicador de Posição de Emergência) do navio, indicando-o como estando próximo ao centro do Oceano Atlântico (33,49 °, -54,26 °). Às 18:06 UTC, o RIPE transmitiu outro sinal, colocando-o nas proximidades da cordilheira Sikhote-Alin (46.12 °, 136.96 °). Às 18:55 UTC, os satélites COSPAS-SARSAT receberam uma transmissão final do RIPE; sua posição não podia mais ser determinada. Todas as tentativas subsequentes de estabelecer comunicação falharam.

Os primeiros esforços de recuperação foram prejudicados pelo furacão Georges, gerando uma incapacidade de determinar a localização do SS Sommerfeld, e pelos representantes da DLS que insistiram incorretamente aos oficiais da Fundação que a embarcação não estava perdida, mas apenas atrasada devido a condições climáticas severas. Daniel DeVorn defendeu esta decisão durante o inquérito de 1999:

Seu RIPE estava enviando um sinal, mas as coordenadas estavam espalhadas por todos os lugares. Eles não faziam sentido. Já tivemos problemas de RIPEs antes - então achamos que estava com defeito. Não foi possível estabelecer contato via rádio para confirmar o caso do furacão Georges. Mas depois de três horas sem nenhum sinal, percebemos que algo estava errado.

Foi ai que eu liguei. Eu liguei para Jack6 eu mesmo. Eu disse a ele que algo estava errado. Eu disse a ele que o Sommerfeld havia desaparecido.

Quando o SS Sommerfeld foi declarado perdido, a Fundação montou imediatamente uma operação conjunta de busca e resgate com a ajuda da UNDAC (Avaliação e Coordenação de Desastres das Nações Unidas), GOC (Coalizão Oculta Global), Guarda Costeira dos Estados Unidos, Força Aérea, Guarda Aérea Nacional, e marinha. Os esforços de busca concentraram-se na rota planejada do navio e nas duas coordenadas fornecidas em sua transmissão de emergência. Após uma investigação intensiva de seis meses nenhum vestígio do SS Sommerfeld foi encontrado.

Adendo 3241.2: Inquérito Inicial

Durante o inquérito inicial de 1999, Daniel DeVorn respondeu a perguntas sobre a possibilidade de o desaparecimento do SS Sommerfeld ter sido causado por uma falha em seu sistema ARS de emergência.

Olha, isso - olha, eu não quero ser rude, mas isso é um absurdo. Isso é um absurdo absoluto. Nossos ARSs têm um histórico quase impecável. Eles viram uso extensivo em toda a Fundação. Eles são diretamente responsáveis por evitar desastres todos os dias. Eles salvam vidas, todos os dias. E estamos desenvolvendo ARSs melhores e mais econômicos todos os dias.

O que aconteceu com o SS Sommerfeld foi trágico, mas não teve nada a ver com o nosso sistema de segurança de emergência. O que aconteceu foi — eu não quero culpar seus funcionários. Tenho certeza de que o desempenho deles foi exemplar. Trabalhei com vocês tempo o suficiente para saber que vocês só contratam o melhor dos melhores. Mas quero ressaltar que você sempre se recusa a contratar técnicos da DLS no local para fornecer suporte técnico imediato. Você não nos deixou colocar nenhum de nossos funcionários nesse barco. Vocês também tem um histórico de — seus procedimentos têm um histórico de desviar do manual do ARSs. O manual existe por um motivo. Nós escrevemos por um motivo. Se você seguir, eles funcionam bem.

A verdadeira tragédia é que isso poderia ter sido evitado. Se a Fundação estivesse disposta a deixar um de nossos técnicos da DLS a bordo do Sommerfeld, tenho certeza de que eles poderiam ter implantado corretamente os ARSs. Se a Fundação pagasse — se vocês estivessem disposto a reservar um tempo e permitir que nossos técnicos treinassem seus funcionários ou mesmo lessem nosso manual, tenho certeza de que não teríamos essa conversa.

A professora Zora Tschetter (uma parafísica que deixou a Fundação para trabalhar na DLS como consultora) corroborou as alegações de Daniel DeVorn:

Eu nunca vou entender a resistência aos ARSs. Nunca. Temos — nós temos esse maravilhoso pequeno dispositivo, esse maravilhoso milagre que pode reduzir até o mais feroz dos dobradores da realidade a um gatinho ronronando. Anteriormente, o único gargalo era o custo proibitivo de produção e os requisitos de manutenção. Mas agora? Eles são baratos, auto-corretivos e centenas de vezes mais potentes.

Eu trabalho com eles há décadas. Eles salvaram minha vida mais vezes do que eu posso contar. Se eu pedisse um show de mãos agora, bem aqui nesta sala - de quantos de vocês foram salvos por um ARS — eu ficaria chocado se visse uma única mão abaixada. Eu realmente ficaria.

O que aconteceu com o SS Sommerfeld foi terrível. Meu coração bate para as vítimas. Ele realmente bate. Mas nossos ARSs foram testados inúmeras vezes. Podemos dar conta de tudo — tudo, exceto erro humano.

Uma voz de dissidência veio do Professor Sherman Sivori, um parafísico da Fundação com reputação de expressar ceticismo em relação aos ARSs:

Tudo bem, para começar, eles não têm um histórico "impecável". Isso é um monte de nada. Eles têm um incidente bastante chamativo, na verdade — na melhor das hipóteses. Na metade do tempo, nem sabemos se eles falharam. Porque quando o fazem, a realidade é reescrita.

As ARSs tratam a dobra da realidade como um campo morfogênico. Eles presumem que esses campos podem ser "corrigidos" - que você pode "desvendar" a realidade e reverter o anômalo para um estado "não anômalo". Em suma, os ARSs presumem que anomalias se encaixam em um sistema maior. Um sistema que entendemos e podemos controlar.

Mas o que torna algo anômalo? Pela sua própria definição, é algo que não se encaixa. Algo que você não pode controlar. Achamos que encontramos uma maneira de suprimir a dobra da realidade, mas tudo o que realmente encontramos é um tipo de dobra da realidade que é forte o suficiente para superar as outras.

A ARS é um tigre que usamos para domar outros tigres. Achamos que o domesticamos. Achamos que é o nosso animal de estimação. Mas um tigre de estimação ainda é um tigre. Você pode treiná-lo, treiná-lo, ensiná-lo truques fofos - mas ainda é um tigre. Ainda tem garras. Ainda tem presas. E nos cercamos deles.

Deus nos ajude se eles se tornarem selvagens.

Adendo 3241.3: Perda e Recuperação do IRV Silent Spring

carson.png

IRV Silent Spring (Cerca de 2004).

Em 12 de agosto de 2015, o contato foi perdido com o IRV Silent Spring. A embarcação estava realizando uma pesquisa oceanográfica em nome da indústria pesqueira da ilha de Odo para determinar a causa por trás de uma mudança recente e dramática no comportamento das Seriola quinqueradiata (âmbar japonês). As tentativas iniciais de localizar o navio falharam; seu transpônder não respondia ou estava fora do alcance efetivo da transmissão.

Três dias depois, o Aeroporto Internacional de Kansai interceptou um sinal de socorro do EPIRB do IRV Silent Spring. Após várias tentativas fracassadas de estabelecer comunicação, as autoridades japonesas mandaram o ERRV Koyo Maru para investigar. Esses esforços foram abandonados quando um sensor radiométrico a bordo (instalado após o desastre de Fukushima Daiichi em 2012) detectou níveis pequenos, mas significativos, de radiação ionizante da embarcação. As autoridades japonesas contataram a Fundação, que mobilizou o MTF Theta-5 ("O barco maior") ao lado do Beta-7 ("Maz Hatters") para levar o IRV Silent Spring sob custódia.

Miguel Quiñones (o CO interino da MTF Beta-7 na época) descreveu sua experiência com o navio durante o inquérito de 2018:

Então, quando a FMJAD nos chamou, imaginamos que era apenas a gíria do velho homem Jenkins7. Acontece muito. Alguns burocratas recém-promovidos entram em pânico ou tentam passar seu desastre para nós. Já tivemos alguns casos em que alguém tentou fazer um problema perfeitamente comum parecer anômalo. Desta vez, até ouvi um [[[scp-2700-ex|cara]] —

— certo, me desculpe. Enfim, tínhamos certeza de que encontraríamos uma baleia morta presa em uma boia ou algo assim. Ainda assim seguimos o procedimento. Complacência é o que mata as pessoas. Você aprende essa lição no primeiro dia. Chegamos a favor do vento para minimizar a exposição. Também foi uma coisa boa. Só o fedor poderia ter derrubado todos nós.

Definitivamente não era uma baleia. Mas também não parecia um barco. Parecia… tipo uma bolha gigante de carne podre. Um prato de carne esponjoso e flutuante.

O Snoopy8 pegou um pouco de estática, mas não muito. Ainda tomamos todas as precauções. Tomamos até algumas extras, só para ter certeza. Não tínhamos ideia do que estávamos vendo. Nós nem sabíamos que havia, uh — pessoas? — nós não sabíamos que havia, uh, alguém lá. Nós apenas pegamos e retiramos. Achamos que os caras de jaleco resolveriam tudo.

barnacles.png

Convés do IRV Silent Spring logo após sua asseguração.

O IRV Silent Spring foi transportada para um sítio provincial temporário para contenção e avaliação. Os pesquisadores logo descobriram que anteriormente hospedava uma colônia de mais de trezentas espécies não identificadas de microrganismos. Apesar da incrível complexidade e funcionalidade interdependente desse micro bioma, ocorreu um evento de extinção em massa antes da recuperação.

O exterior do navio estava embainhado em uma colônia expirada de artrópodes microscópicos. Nódulos ocos de carbonato de cálcio extrudados da superfície do navio em vários pontos; pesquisas endoscópicas e ultrassonográficas determinaram que elas se estendiam através do casco como parte de um sistema respiratório rudimentar. Grandes cavidades internas de tecido elástico podem se expandir e contrair para regular o fluxo de ar.

Após a dissecção, os pesquisadores descobriram que a topografia interna do vaso estava conectada por um sistema vascular complexo de tubos finos e flexíveis, responsáveis pela circulação de nutrientes e expulsão de efluentes. Esses tubos se estenderam para dentro da equipe do IRV Silent Spring. O sistema nervoso central de cada membro da tripulação havia sido parcialmente extricado e fundido em uma massa neural singular incorporada ao sistema vascular, que fornecia glicose e oxigênio ao tecido cerebral. O objetivo ou função dessa massa neural congelada não pôde ser determinado.

O módulo contendo o EPIRB e o VDR (Voyage Data Recorder) do IRV Silent Spring foi encontrado intacto; o microbioma não conseguiu penetrar em sua concha externa. No entanto, a exposição repetida à radiação ionizante corrompeu a memória interna do dispositivo, tornando-a irrecuperável.

Ao refazer a rota inicial do IRV Silent Spring, um submarino operado pela Fundação (O // [SCPF Stravinsky ) encontrou um navio de carga à deriva duzentos quilômetros a oeste de Odo Ilha, Japão. O navio não possuía SIA (Sistema de Identificação Automática), não respondeu a saudações e emitia níveis significativos de radiação ionizante. O //SCPF Stravinsky lançou um drone de vigilância da classe Panopticon em direção ao navio. Antes de uma falha mecânica inexplicável, as imagens digitais do drone confirmaram as marcações do navio como uma correspondência para as de SS Sommerfeld.

ship2.png

SCP-3241 (circa 2015). Imagem capturada pelo drone de vigilância antes da falha mecânica.

Adendo 3241.4: Resposta Inicial

Em 26 de outubro, o GACS foi reunido para avaliar a extensão da ameaça do SS Sommerfeld e desenvolver uma estratégia eficaz de contenção para ele. Bryan Browning, um agente veterano de campo da Fundação e ex-diretor do Sítio-97, foi designado como Diretor de Contenção.

Observação próxima do SS Sommerfeld era praticamente impossível por causa de suas propriedades imprevisíveis; Os drones de vigilância enviados para sua área de efeito sofreram inúmeras falhas mecânicas. Para obter mais dados, o Diretor Browning requisitou vários ARSs da DLS e ordenou que fossem colocados dentro do SCPF Stravinsky. O submarino deveria aproximar-se de SCP-3241 sob a cobertura de um campo morfogênico e tentar recuperar seu VDR.

Vários membros da tripulação do SCPF Stravinsky recusaram seguir as ordens de Diretor Browning. Esse grupo incluía a diretora executiva da embarcação, Leslie Horton. Ela explicou sua decisão em 2018:

Browning nos fez parecer como um bando de traidores tentando um golpe, mas qualquer pessoa com uma parcela mínima de experiência militar dirá que há um mundo de diferença entre "fogo aberto" e "caminhe até o inimigo e torça o nariz dele enquanto esta caixa mágica protege você". Além disso, não era uma operação militar. Não havia ameaça imediata. Tínhamos todo o direito de interromper o trabalho por questões de segurança. E foi exatamente isso que fizemos.

Professor Bakshi é o porquê, no entanto. Bakshi tinha experiência com ARSs — experiência real — e não confiava neles. Ele disse a Browning que seu plano nos colocaria em risco. Quando Browning disse para ele ir embora, Bakshi veio até nós diretamente. Ele explicou essas coisas — os ARSs — ele nos disse que não eram confiáveis. Descreveu como tentar apagar um incêndio com um lança-chamas. Às vezes funciona, e às vezes você apenas queima a porra do bairro inteiro. Me convenceu, pelo menos.

Browning ficou furioso. Continuava reclamando sobre como Bakshi não sabia a primeira coisa sobre trabalho de campo ou paratech. Ele disse que, se Bakshi não tivesse estômago para esse tipo de coisa, então ele deveria — acho que suas palavras exatas foram 'vá arrumar um emprego gerenciando um 7-11'. Então ele disse algumas, uh, outras coisas que eu não repetirei aqui.

Mas no final, Bakshi não recuou. E nós também não.

Foi alcançado um acordo em 5 de novembro. Um ARS seria montado em um VSNT (Veículo de Superfície Não Tripulado) capaz de sustentar seu peso e fornecê-lo energia. Um representante da DLS chegou como consultor da ARS e para fornecer suporte técnico.

Logo após entrar na área de efeito de SCP-3241, o VSNT deixou de responder aos comandos remotos. A embarcação operou autonomamente por dois quilômetros antes de sofrer uma falha mecânica catastrófica e afundar junto com o ARS. Como isso foi significativamente além do que os drones anteriores haviam alcançado, o representante do DLS afirmou que o ARS havia funcionado; além disso, ele alegou que o controle sobre o drone provavelmente havia sido perdido devido ao campo morfogênico do ARS não ser amplo o suficiente para evitar interrupções anômalas nas transmissões de rádio recebidas. Ele concluiu que uma rede de ARSs sobrepostos — combinada com ajustes manuais feitos por um operador ARS licenciado — seria mais do que suficiente para superar qualquer um dos efeitos anômalos de SCP-3241.

Diretor Browning concordou com esta conclusão. Ele novamente ordenou que a tripulação do SCPF Stravinsky coloque ARSs em sua embarcação e prossiga para a área de efeito de SCP-3241 — com Professor Bakshi (o único operador licenciado SRA presente na época) disponível para fazer ajustes como requerido. Mais uma vez, vários membros da equipe do SCPF Stravinsky recusaram.

O diretor Browning ordenou que três dos cinco ARSs restantes fossem colocados no //SCPF Beagle 3 // (um pequeno barco patrulha de quatro homens) e montou uma equipe para acompanhá-lo pessoalmente dentro área de efeito de SCP-3241. Quando o professor Bakshi se recusou a acompanhar o diretor Browning, ele pediu ao representante do DLS para ocupar o papel do Professor Bakshi.

Em 2018, o professor Gambheer Bakshi deu o seguinte testemunho sobre a solicitação do diretor Browning de que o representante do DLS operasse o ARS:

Raymond Asakawa. O técnico da DLS — esse era o nome dele. Ele era jovem. Muito Jovem. Muito brilhante também. Descobri depois que ele estava estudando para ser um cientista da computação. Ele apenas trabalhou neste trabalho para pagar sua mensalidade.

Eu não acho que ele… não. Sei que ele não pretendia enganar ninguém. Ele apenas confiou em seu treinamento. Ele confiava no manual da ARS. Todas as suas respostas às perguntas do diretor Browning vieram diretamente desse manual. Ele deve ter memorizado-o. O diretor Browning engoliu tudo. Deu tapinhas nas costas do jovem, perguntou-lhe tudo sobre os níveis de Hume, Kant contra ataca dizendo — perguntas que ele sabia que o Sr. Asakawa poderia responder. Construindo sua confiança. Fazendo-o se sentir como um especialista, como — como parte da equipe.

Então, quando o diretor Browning me pediu para acompanhá-lo - ele sabia que eu diria que não. Ele sabia. Ele se virou para o Sr. Asakawa, e foi aí que eu percebi o que estava acontecendo. Por que ele estava tratando esse jovem tão bem. Ele estava brincando com ele. Ele se virou para Asakawa e disse — ele perguntou-o se podia — perguntou-o —

— ele perguntou-o — pediu que ele o fizesse —

— pediu —

Merda.

Merda. Desculpe. Me desulpe. Eu não costumo — Eu preciso de um momento. Só, hum, só me dê um momento. Faz muito tempo desde que eu falei sobre — merda. Eu sinto Muito.

Ok.

Bem. OK. Estou bem agora. Desculpa. Desculpe pelo palavreado.

Ele parecia tão assustado naquele momento. Sr. Asakawa, quero dizer. Eu acho que ele estava começando a perceber que havia um perigo muito real aqui. Mas Browning disse algo — eu nem me lembro o quê. Algo sobre como em seus dias eles não tinham ARSs? Como eles poderiam ter salvado tantas vidas naquela época. Quão importante foi o trabalho de Asakawa. Algo parecido. Então Asakawa sorriu e —

— ele estava olhando para mim. Enquanto ele estava assustado. Ele estava olhando diretamente para mim. Mim. Como se ele estivesse esperando que eu o salvasse. E — eu poderia ter o feito. Eu poderia ter salvado ele. Eu poderia ter dito não. Eu poderia ter dito absolutamente que não. Eu poderia ter puxado aquele garoto para fora do barco e dito àquela porra de racista gordo para ir se foder.

Mas eu não o fiz.

Eu estava com tanta raiva dele. Browning colocou seu orgulho antes de todas as nossas vidas. Eu queria que ele fosse punido. Ele merecia ser punido. E é por isso que Raymond Asakawa está morto. Ele me pediu para salvá-lo, e eu não o fiz. Porque eu estava com raiva.

Não sinto muito que Browning esteja morto. Foda-se ele. Ele merecia pior. Mas sinto muito por Raymond Asakawa. Não passa um dia que eu não sinta muito por Raymond Asakawa. Eu deixei isso acontecer. Eu deixei aquele jovem morrer. Deveria ter sido eu naquele barco. Eu sinto Muito.

Porra. Me desculpe. Deus, me desculpe.

O diretor Browning embarcou no SCPF Beagle 3 com sua equipe e se aproximou de SCP-3241. Dos quatro membros da equipe, apenas Jackson Voccola, um veterano especialista em contenção, sobreviveu:

Estávamos a meio quilômetro quando percebi que algo estava errado. Era esse barulho baixo e estridente atrás de mim — como se algo estivesse errado com os motores. Comecei a pensar sobre o que eu faria caso desse merda. Não podia correr o risco de nadar para fugir. Então me lembrei da linha de reboque - eles poderiam nos puxar de volta. Isso me relaxou um pouco.

Mas esse som ficava cada vez mais alto. Algo parecia errado nisso. Muito estridente. Não é mecânico o suficiente. Finalmente me virei e, sim. Não eram os motores. Era o garoto. O que a DLS nos enviou.

Ele estava gritando por um tempo. Não foi difícil entender o porquê. O que me surpreendeu foi que ele podia gritar. Grandes pedaços dele se transformaram em vidro. Você podia ver diretamente dentro dele — como se alguém tivesse instalado um monte de janelas por todo o corpo dele. Havia essa teia de veias que passava por suas entranhas - como fitas de seda rosa.

Quando ele se moveu, fez esse barulho horrível. Crepitando e estalando. Como alguém esmagando os calcanhares em um saco de lâmpadas. O vidro começou a rachar - linhas irregulares dispararam através dele e morderam suas entranhas. O sangue escorria pelas rachaduras e depois pingava dele. Realmente devagar.

Sanchez virou de dentro para fora. Não parecia se importar. Eu acho que ele até piscou para mim. E Browning, uh — eu não tenho certeza, mas parecia que seus ossos estavam evaporando. Seu corpo estava desmoronando em uma pilha de pele solta e dobrada. Como uma pilha de roupa suja. Essa fumaça amarela fétida continuava saindo de todos os seus buracos.

Eu acho que os motores pararam de funcionar em algum momento? A última coisa que me lembro foi deles nos levando de volta o mais rápido que podiam. Foi quando eu desmaiei de dor. Quando acordei algumas semanas depois, eles me disseram que Sanchez e Browning eram DOA. O garoto levou cerca de vinte minutos para finalmente quebrar e sangrar. Quanto a mim… tive muita sorte. Só perdi três membros e metade do trato intestinal.

Veja. Browning era um filho da puta, eu vou lhe dar isso. Ele e eu ingressamos na Fundação durante os dias de glória. Fazíamos as coisas de maneira diferente na época - e quando os tempos começaram a mudar, ele não podê mudar com eles. Ele era meu amigo, sim. Ele também era um ser humano de merda. Eu sei disso. Eu sempre soube disso.

Mas, apesar de todos os seus defeitos, ele não é o motivo de eu tomar minhas refeições através de um tubo e caga-las em um saco. Também não culpo o garoto - ele não teria ido junto se não engolisse essa merda de ARS, como todo mundo. E com certeza não culpo Gambheer Bakshi. Para mim, esse homem é a porra de um santo.

Mas Daniel DeVorn? Eu juro por Deus. Se algum dia eu olhar para aquele homem, vou me arrastar para fora desta cadeira de rodas e rasgar sua porra de garganta com meus dentes nus.

O ARS não fez nada. Você me escuta? Porcaria nenhuma. De qualquer forma, as coisas pioraram: nenhum dos drones virou do avesso. Nenhum deles evaporou em fumaça. Nenhum deles se transformou em vidro. Não, todos eles simplesmente quebraram. Foi só quando tentamos usar seus produtos de merda para conter seu barco de merda que eu acabei nessa cadeira de merda.

Seja lá onde você esteja, Sr. DeVorn, você deve ficar de joelhos e agradecer Deus Todo Poderoso que a Fundação mudou. Porque nos meus tempos? Essa história não acabaria em algum tipo de — alguma porra de "inquérito". Ela acabaria com você em um macacão laranja, jogado no mais profundo, mais escuro buraco que nós encontrássemos

Ela acabaria com você em um macacão laranja, jogado no mais profundo, mais escuro buraco que nós encontrássemos. Terminaria com a gente rindo enquanto bebíamos cervejas geladas e apostávamos quanto tempo levaria até que todos os nossos monstros se cansassem dos seus gritos.

Adendo 3241.5: E-mails recuperados.

Em 3 de janeiro de 2018, uma fonte anônima forneceu à Fundação vários terabytes de dados extraídos da intranet da DLS. Esses dados incluíram inúmeras trocas de e-mail entre Daniel DeVorn e sua equipe no que diz respeito à instalação do sistema ARS de emergência no SS Sommerfeld:

DATA: 16/04/1995
ASSUNTO: Re: sistema ARS de emergência
DE: <simon.tchlekoz@███████>
PARA: <daniel.devorn@███████>


Você pode argumentar que a correlação não é igual à causalidade até que você esteja azul, Dan. Mas a correlação foi de 1:1 em geral — por mais de dez anos. E mesmo que não se correlacionasse, não muda o fato de que todas as âncoras existentes — incluindo as que estão em serviço há décadas — estão enfrentando eventos de falha com crescente regularidade.

Cada novo ARS que colocamos em serviço aumenta o risco de outro ARS falhar. No momento, estamos contabilizando esses aumentos nas taxas de falhas por meio de um sistema de correção automatizado: quando uma unidade falha, duas podem ajustar seus campos morfogênicos e suprimir a unidade defeituosa antes que ela se torne crítica. Planejamos mensalmente a "manutenção preventiva" para verificar se há unidades defeituosas e as trocamos silenciosamente por outras que não transformarão sua pele em ácido ou qualquer outra coisa.

Mas é exatamente isso: você precisa de pelo menos duas unidades "limpas" para impedir que uma unidade com falha seja crítica. É por isso que um sistema de emergência com apenas quatro ARSs não vai mais funcionar. Essa configuração teria funcionado vinte anos atrás, com certeza - quando uma única falha na unidade era uma ocorrência rara. Mas agora? Várias unidades em um conjunto falham o tempo todo. E se dois em cada quatro falharem? Os outros dois não serão capazes de segurá-los. Eles serão críticos.

Você já viu um Âncora da Realidade Scranton se tornar crítica? Eu já. Palavras como "bíblico" vêm à mente.

Se você quiser que este navio seja seguro, precisará de dezoito — pelo menos quinze — unidades. Isso os manterá fora da zona de perigo. Isso torna as chances de um evento de criticidade praticamente impossíveis. Instale apenas uma unidade a menos e você estará colocando todos a bordo em perigo.

Após uma análise desses e-mails, os pesquisadores da Fundação concluíram que a perda do SS Sommerfeld provavelmente ocorreu como resultado de uma falha crítica com suas seis ARSs integradas. Além disso, os investigadores vincularam mais de vinte violações de contenção separadas a falhas críticas semelhantes da ARS. Isso levou à investigação de 2018 sobre a perda da SS Sommerfeld e a contínua dependência da Fundação de ARSspara a contenção de ontokineticistas .

Duas semanas antes do início do inquérito, Daniel DeVorn escapou da custódia da Fundação. Esforços para localizá-lo estão em andamento.


Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License