SCP-370
avaliação: 0+x

Item nº: SCP-370

Classe do Objeto: Keter

AVISO: SCP-370 é uma infecção memética extremamente contagiosa. Nenhum caso de funcionários sendo infectados pela simples leitura deste artigo já foi registrado, mas, mesmo assim, por precaução, este documento só pode ser lido em um ambiente controlado com mecanismos implementados para exterminar o leitor aos primeiros sintomas. Divulgar qualquer informação sobre SCP-370 oralmente é motivo para extermínio imediato.

Procedimentos Especiais de Contenção: SCP-370 em si está embutido em uma pequena placa de chumbo sólido e é mantido em uma caixa de aço sólida sem aberturas e de paredes de 0,5 metros de espessura. Sob nenhuma circunstância SCP-370 deve ser removido desta caixa ou da placa de chumbo. Se SCP-370 ficar parcial ou completamente exposto, funcionários vendados serão designados para localizá-lo com um detector de metais. Um eletroímã será então usado para transferir SCP-370 para um pequeno molde cheio de chumbo fundido. Depois de endurecida, a placa de chumbo contendo SCP-370 será devolvida à sua caixa de aço, e a caixa retornada ao seu cofre de contenção.

Esta caixa é mantida em um cofre especialmente designado no Sítio-██. SCP-370 não requer nenhuma manutenção e nenhuma pesquisa é autorizada. O desejo de abrir este cofre para realizar pesquisas em SCP-370 ou por qualquer outro motivo é um sintoma de infecção de SCP-370. Qualquer funcionário exibindo este ou quaisquer outros sintomas deve ser colocado em quarentena imediatamente e exterminado se os sintomas persistirem.

O status de vulnerabilidade de SCP-370 é desconhecido. Nenhum teste deste tipo foi realizado e nenhum teste futuro está autorizado devido ao risco extremo de contágio para os funcionários envolvidos.

Funcionários classe-D com tendências violentas ou sádicas devem ser preferidos em todas as interações com SCP-370 ou dados de SCP-370 potencialmente contagiosos.

Toda a capacidade de transmissão será removida de qualquer Sítio da Fundação que mostre sinais da presença de SCP-370 e restaurada um (1) ano após o último evento SCP-370.

Qualquer funcionário designado para SCP-370 que mostrar uma melhora repentina no bem-estar deve ser colocado em quarentena e privado de sono. Se algum funcionário continuar a exibir sintomas de ‘felicidade’, apesar desta medida, exterminação será autorizada.

Descrição: SCP-370 é uma chave. O tamanho, forma, material e aparência geral de SCP-370 são desconhecidos. O conhecimento dessas características é o principal vetor para a propagação da doença SCP-370, portanto, todos os registros que se acreditam conterem tais informações foram destruídos sem revisão.

A doença causada por SCP-370 tem três conjuntos distintos de sintomas, designados SCP-370-a, b e c. A forma da doença que aparece em um dado indivíduo parece ser determinada principalmente pela personalidade.

- SCP-370-a se manifesta com mais frequência em indivíduos caracterizados por seus pares como egocêntricos ou covardes. Esta é a manifestação mais comum. Indivíduos sofrendo de SCP-370-a não apresentam nenhum sintoma após a infecção inicial. No entanto, esses indivíduos cometerão suicídio assim que tiverem a oportunidade de fazê-lo com o mínimo de sofrimento (por exemplo, vítimas de SCP-370-a pularão de bordas altas ou atirarão na cabeça com armas de fogo, mas não irão cortar os próprios pulsos ou se enforcar).

No instante em que o coração do indivíduo para de bater, o cadáver infectado vai brilhar intensamente e passar por uma transformação desconhecida. Conhecimento detalhado da transformação é um vetor para a infecção, assim como o contato visual direto com a luz produzida. Nenhum vestígio de qualquer parte do cadáver de um indivíduo já foi recuperado após esta transformação.

- A maioria dos indivíduos suscetíveis a SCP-370-b são comumente descritos como extrovertidos e altruístas, no entanto, uma manifestação idêntica de SCP-370-b aparece em indivíduos com fortes tendências sádicas ou violentas. Indivíduos infectados com SCP-370-b inicialmente ficam muito calmos. Esse estágio dura por alguns segundos e é seguido por um ataque repentino e não provocado a qualquer pessoa ao alcance do sujeito, que continua em uma onda de matança indiscriminada. Pessoas mortas pelo indivíduo infectado brilharão intensamente e sofrerão uma transformação desconhecida, presumivelmente a mesma ou semelhante à dos suicidas.

Inicialmente, o indivíduo infectado não é mais perigoso do que um humano violento comum, no entanto, depois de matar aproximadamente dois (2) ou três (3) vítimas, o corpo do sujeito começará a irradiar luz amarela. Esta luz parece inibir a resposta nervosa simpática das vítimas do sujeito, tornando difícil para as vítimas reagirem. Após aproximadamente cinco (5) a seis (6) mortes bem-sucedidas, a luz triplica de intensidade e o contato direto pele a pele com o sujeito torna-se mortal. Nesse ponto, qualquer contato visual com a vítima torna-se um fator contagioso.

Depois de matar uma média de doze (12) vítimas (indivíduos que eram considerados violentos antes da infecção podem precisar matar até cinquenta (50) vítimas para atingir este estágio), o sujeito cessará abruptamente as hostilidades e entrará na fase final da infecção SCP-370-b. Os sujeitos levantarão seus braços em direção ao céu e gritarão com uma voz ligeiramente amplificada, “████, me leve pra casa!” Este som parece atravessar paredes à prova de som e protetores de ouvido industriais com apenas um leve abafamento. A infecção de todos os seres humanos ao alcance da voz é virtualmente garantida, exceto em casos de surdez sensorial. Após esse grito, um feixe de radiação no espectro visível se forma ao redor do indivíduo, que levitará alguns pés acima do chão antes de [REDIGIDO] e desaparecer. Assim como com SCP-370-a, nenhum traço dos indivíduos desaparecidos já foi encontrado.

- SCP-370-c se manifesta em indivíduos de alto QI e tipo de personalidade analítica ou contemplativa e é a mais perigosa das três manifestações. Infelizmente, a maior parte da equipe de pesquisa da Fundação é suscetível a SCP-370-c. Após a infecção inicial, sujeitos fecharão seus olhos e permanecerão voluntariamente imóveis e silenciosos por uma média de trinta (30) segundos. Se questionados sobre isso, eles alegarão ter estado ‘orando.’ Quaisquer indivíduos infectados detectados nesta fase devem ser exterminados imediatamente e por qualquer meio necessário.

Após a infecção inicial, indivíduos infectados se comportarão normalmente, mas com um aumento significativo na ‘sensação de bem-estar.’ Este sistema persiste mesmo quando o indivíduo é forçado a condições desagradáveis. Indivíduos infectados parecem possuir conhecimento contagioso de SCP-370 sobre a aparência e natureza exata de SCP-370, quer tenham ou não sido expostos a tais informações. Sujeitos tentarão ativamente e secretamente espalhar a infecção SCP-370, visando especificamente vítimas com probabilidade de manifestar SCP-370-a ou SCP-370-c. Esses esforços provavelmente incluem, mas não se limitam a:
- Mencionar informação contagiosa de SCP-370 em uma conversa casual.
- Tentar remover SCP-370 da contenção para pesquisa ou tentativa de descarte.
- Adicionar vetores SCP-370 em notas de pesquisa ou outros documentos da Fundação, incluindo esta página.
- Tentar transmitir material infeccioso em grande escala.

Após cerca de cinquenta (50) infecções bem-sucedidas, SCP-370-c entra em sua fase final. Durante essa fase, o ar ao redor do indivíduo irradia uma pequena quantidade de luz no espectro visível, criando um brilho amarelo fraco ao redor do sujeito. Este brilho induz uma resposta ‘calmante’ parassimpática nos observadores e tem █% de chance de causar infecção a cada minuto de contato visual. Cerca de um dia após o aparecimento desta radiação, independentemente de quaisquer infecções posteriores bem-sucedidas, um ardente [DADOS EXPURGADOS] marcas de queimadura em qualquer superfície que toque ou atravesse, sem deixar vestígios do indivíduo infectado. Este evento deixa para trás um trecho invisível de espaço contagioso que infecta qualquer um que passe por ele. Esses trechos parecem desaparecer depois de aproximadamente sete (7) dias, mas como precaução, devem ser evitados por duas (2) semanas inteiras.

Tornou-se aparente que a infecção SCP-370-c está sendo usada por alguns funcionários como desculpa para atormentar e assassinar colegas da Fundação. Os funcionários responsáveis foram rebaixados para a classe-D, no entanto, considerando a enorme ameaça representada por SCP-370-c, o protocolo de contenção acima não será revisado. - Dr ███████

Adendo 370-a:

As circunstâncias da obtenção original de SCP-370 são desconhecidas. Ele foi encontrado nas ruínas do Sítio-█, uma base remota da Fundação no leste da ████. Esses protocolos de contenção em sua forma original e a caixa de aço descrita foram encontrados em um cofre lacrado junto com um único cadáver, identificado como Dr. █████, um satanista conhecido, e o registro pessoal do doutor, que foi descoberto como sendo contagioso de SCP-370. O resto do sítio estava abandonado e nenhum outro cadáver foi encontrado, embora sinais de luta fossem onipresentes. O restante dos dados armazenados do sítio sobre SCP-370 foram apagados ou destruídos, embora algumas notas úteis sobre outros SCPs tenham sido recuperadas, particularmente SCP-███.

Vários eventos de infecção ocorreram durante os esforços de recuperação. Eles foram contidos com extremo preconceito e a infecção foi considerada extinta. SCP-370 foi brevemente designado como ‘Seguro’. No entanto, à luz de recentes [DADOS EXPURGADOS], a designação de Keter foi restaurada e a segurança anti-memética foi reforçada em todos os sítios da Fundação.

Adendo 370-b:

O registro do Dr. █████ foi livrado com sucesso da infecciosidade memética e está liberado para visualização por funcionários autorizados. As mesmas precauções descritas para ler este artigo também se aplicam ao registro.

INCIDENTE 370-A

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License