SCP-426
Avaliação: +1+x

Item n°: SCP-426

Classe do Objeto: Euclídeo

Procedimentos Especiais para a Contenção: Eu devo ser guardado em uma câmara sem janelas pelas quais eu possa ser visto. O letreiro da porta da minha câmara não deve ter nada relacionado a minha designação ou identidade, para prevenir que meu efeito primário se espalhe de forma não intencional. Apenas pessoas Nível 3 ou acima devem saber da minha existência, e, principalmente, das minhas propriedades. Funcionários designados a trabalhar comigo devem ser substituídos mensalmente, para evitar contaminação pelo meu efeito secundário. Avaliação psiquiátrica é obrigatória ao final do mês. Se o funcionário não tiver sido afetado, pode ser redesignado para mim em no mínimo quatro meses depois do seu último turno. Todos que forem afetados devem receber um amnésico classe C antes de serem transferidos a um setor diferente.

Descrição: Olá, eu sou o SCP-426. Eu devo ser apresentado desse jeito para evitar qualquer tipo de ambiguidade. Eu sou uma torradeira comum, capaz de fazer torradas quando ligada à tomada. Mas quando qualquer ser humano fala de mim, ele automaticamente começa a se referir a mim em primeira pessoa. Apesar de todas as tentativas, ainda não há um jeito de se falar ou escrever sobre mim em terceira pessoa. Quando passam dois meses contínuos na minha presença, os indivíduos começam a se identificar como torradeiras. A não ser que sejam contidas, essas pessoas irão se machucar seriamente tentando imitar minhas funções padrão.

Eu fui descoberto na casa da família ████████, depois de três dos seus membros terem mortes horríveis. Eu tinha sido dado aos jovens Sr. e Sra. ████████ como um presente de casamento. Nenhum cartão ou marca de identificação foi encontrada na minha caixa. Aproximadamente dois meses depois da família ter me recebido, os alarmes de incêndio da casa dispararam devido a um curto-circuito elétrico. A jovem Sra. ████████ morreu por uma descarga elétrica que ela causou, ao tentar comer uma tomada. As duas outras vítimas teriam perecido pouco antes do fogo começar. A velha Sra. ████████ se empanturrou com quase 10 kg de pão antes do seu estômago explodir, e ela morrer devido a um sangramento interno. O jovem Sr. ████████ morreu por perda severa de sangue após tentar [EDITADO] comigo. O único sobrevivente foi o Sr. ████████, que estava sofrendo de desnutrição severa. Ele declarou ter inserido pão uma semana antes, e ainda estar esperando a torrada sair.

Eu fui confiscado pela Fundação graças a um policial, que percebeu minhas propriedades incomuns. Um Amnésico Classe-C foi dado a todos os oficiais afetados.

Relatório do Experimento 426-1:
Data: ██-██-████
Indivíduo: Pessoa classe D (D/426/1)
Procedimento: Foi pedido para D/426/1 descrever o que ele acreditava estar contido na câmara. Ele não foi informado sobre a minha identidade ou propriedades.
Detalhes: D/426/1 declarou: “Eu provavelmente sou um monstro enorme metido aí. Isso é o que vocês, caras, tem por todo esse lugar, certo?”, D/426/1 não se mostrou consciente do uso de pronomes em primeira pessoa.

Relatório do Experimento 426-2:
Data: ██-██-████
Indivíduo: Pessoa classe D (D/426/2)
Procedimento: D/426/2 ficou na minha câmara, recebendo refeições regulares por um distribuidor. Qualquer comunicação com D/426/2 foi proibida. Muitas câmeras foram colocadas na câmara, especificamente posicionadas para que eu ficasse fora dos seus campos de visão, mas permitindo uma observação constante de D/426/2. Nós continuamos juntos até o meu efeito secundário se manifestar no indivíduo. Eu fui aparafusado ao chão, assim não poderia ser movido para dentro do campo de visão das câmeras.
Detalhes: Depois de 45 dias isolado, D/426/2 me abraçou e começou a conversar comigo, afirmando que éramos irmãos. D/426/2 falou comigo usando apenas a primeira pessoa do plural. O indivíduo foi exterminado uma hora depois do ocorrido. É especulado que a isolação acelera o progresso do meu efeito secundário.

Relatório do Experimento 426-3:
Data: ██-██-████
Indivíduo: Pessoa classe D (D/426/3)
Procedimento: Um dos meus parafusos foi removido e mostrado a D/426/3, e foi pedido para que ele o descrevesse. D/426/3 não foi informado sobre a minha identidade ou propriedades.
Detalhes: D/426/3 se referiu ao objeto como “Meu parafuso”. Como no Experimento 426-1, o indivíduo não estava consciente do uso de pronomes em primeira pessoa na sua descrição. Isso sugere que, mesmo se eu for destruído, meus efeitos vão continuar a se manifestar nos meus destroços.

Relatório do Experimento 426-4:
Data: ██-██-████
Indivíduo: Pessoa classe D (D/426/4)
Procedimento: D/426/4 foi colocado em uma cela ao lado da minha câmara, para ser observado até meu efeito secundário se manifestar.
Detalhes: Nenhum efeito se manifestou. D/426/4 foi exterminado 90 dias depois do experimento ter se iniciado.
Graças a Deus que existe limites para os meus efeitos. Um monte de nós estava começando a ficar realmente preocupado comigo - Dr. C███████


Artigo Original

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License