SCP-4887
avaliação: 0+x

Item nº: SCP-4887

Classe do Objeto: Keter

Procedimentos Especiais de Contenção: A Terra foi designada como uma Zona de Quarentena Categoria-H1. Instâncias de SCP-4887 devem ser contidas assim que vistas e armazenadas em quaisquer contêineres herméticos disponíveis, que devem então ser transportados por drone para o Armazém de Armazenamento Subterrâneo PERIANTH. Presença humana dentro de 20 quilômetros de AAS-PERIANTH deve ser tratada como uma brecha do protocolo de quarentena e pode resultar em terminação.

Humanos demonstrando sinais de infecção por SCP-4887 devem ser despachados por ataque orbital.


honey-bee-larvae-322532_1280.jpg

Uma instância de SCP-4887.

Descrição: SCP-4887 são organismos numerosos fisicamente idênticos às larvas das abelhas ocidentais (Apis mellifera). SCP-4887 não se amadurece em abelhas adultas em momento algum, mas ao invés disso constantemente rasteja em direção a materiais destinados a consumo humano, dentro dos quais eles se enterram e ficam adormecidos. Não há limite conhecido para o alcance do senso de direção de instâncias de SCP-4887; uma única larva pode detectar uma pequena quantia a mais de 150 quilômetros. SCP-4887 é imune a dano físico e pode sobreviver por períodos aparentemente indeterminados de tempo sem sustento, oxigênio ou luz.

Quando ingerido por um indivíduo humano, SCP-4887 se afixa à parede do sistema digestivo e desencadeia alterações maciças na fisiologia do indivíduo. Todos os ossos no crânio e mandíbula imediatamente fraturam, e músculo e gordura no pescoço, tórax e braços irão se mover para cima e se amontoar ao redor do rosto; a boca do indivíduo irá então se deformar para criar uma abertura com um diâmetro de 5 a 10 metros, com dentes alongados espaçados uniformemente ao redor da borda. O indivíduo irá involuntariamente apertar essa abertura no chão, e sua língua irá engolir e começar a escavar terra ou outros materiais em um esforço para procurar compostos orgânicos. Isso é considerado como sendo o Estágio 1 da infecção, e progressão completa pelo estágio tipicamente demora de 2 a 20 minutos.

Se a língua do indivíduo detectar quantidades suficientes de material orgânico (como raízes de árvores, solo, insetos, ou pequenos mamíferos), enzimas digestivas serão liberadas e o indivíduo irá adentrar o Estágio 2, absorvendo as proteínas e fibras disponíveis através das papilas linguais. A biomassa adicional será usada para deslocar as articulações do quadril e mover as pernas para baixo em direção aos ombros, estendendo o tronco para cima em direção ao ar. Os quatro membros (agora dispostos radialmente ao redor do pescoço) irão se ampliar e expandir, formando folhas rígidas de material fotossintético com até 10 metros de largura e 50 centímetros de espessura. Análises de amostras de tecido sob luz ultravioleta revelaram a presença de espirais fractais complexas nesse material, embora o propósito desses padrões seja desconhecido. O tempo médio levado para desenvolver essas estruturas de tecido é de 30 horas após infecção. Terminação antes da conclusão do Estágio 2 matará o indivíduo mas não irá neutralizar a instância de SCP-4887 — ela deve ser recuperada manualmente de dentro do abdômen do indivíduo e contida normalmente.

De dois dias a três semanas após a conclusão do Estágio 2, o Estágio 3 irá começar; o tronco sem pernas do indivíduo irá assumir um tom arroxeado à medida que o interior é consumido pelas recém-formadas instâncias de SCP-4887. Envolvimento hostil não é recomendado a essa altura; o saco larval não se romperá a menos que provocado, mas se estourar irá ejetar um fluido cáustico altamente pressurizado, juntamente com vários milhares de outros SCP-4887. Instâncias recém-criadas são vulneráveis a impactos de alta energia, mas se tornam funcionalmente indestrutíveis cerca de 5 horas após o rompimento do saco. Atualmente há 430 indivíduos conhecidos em Estágio 3 ao redor do mundo.


Adendo | Incidente 4887-10A86: Em 2050-09-02, o indivíduo de estágio 3 que mais sobreviveu (anteriormente Sr. Randall McAllister, infectado em 2038-08-22) foi o alvo de uma entidade apiana anômala (AE-4887-1) com aproximadamente 350 metros de comprimento. A entidade visualmente se assemelhava a uma abelha rainha, mas com uma forma mais alongada e aerodinâmica e várias dezenas de membros de comprimento variável. Nenhuma asa foi registrada, mas relatos de testemunhas incluem seis discos translúcidos orbitando a entidade enquanto ela se movia.

AE-4887-1 entrou na atmosfera após passar três horas na Baixa Órbita Terrestre, e durante sua passagem separou o abdômen cheio de larvas do indivíduo de seus membros e pescoço. A entidade então saiu pela camada de nuvens e ou desapareceu da realidade local, entrou em algum tipo de salto FTL, ou empregou um mecanismo de camuflagem até então não descoberto. Sua localização atual é desconhecida, assim como sua natureza, espécie, ou capacidades anômalas. Sr. McAllister foi reconhecido como falecido após a rápida dessecação de seus tecidos remanescentes.

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License