SCP-595
avaliação: 0+x
eldridge.png

SCP-595 durante uma missão no Pacífico, 1944.

Item nº: SCP-595

Classe do Objeto: Euclídeo

Procedimentos Especiais de Contenção: SCP-595 está atualmente armazenado em uma doca seca fechada 2█, ██████████, Virgínia, ou em um distrito de depósito seguro da Fundação na Filadélfia, dependendo do estado atual de SCP-595. Ambos os sítios são restritos a indivíduos sem autorização de acesso de Nível 3 ou superior. O acesso ao interior do SCP-595 é restrito a funcionários especialmente selecionados de Classe-D ou forças tarefa móveis com a aprovação da administração local do sítio.

Devido à natureza dos efeitos de SCP-595, é imperativo que nenhum funcionário ou equipamento sensível esteja localizado dentro dos locais de armazenamento após SCP-595 ter estado "dormente" por mais de duas horas. As atividades normais de pesquisa podem ser retomadas em um dos dois locais após os efeitos documentados de SCP-595 terem diminuído.

Descrição: SCP-595 é uma escolta de contratorpedeiro da classe Cannon, DE-██ USS █████████, comissionada pela Marinha dos Estados Unidos no final de 1942. Não é diferente de qualquer outro navio de sua classe, com exceção dos vários pentes de munições cheias de [DADOS EXPURGADOS] de fabricação desconhecida. Esses dispositivos fazem com que a embarcação e sua área circunvizinha sejam permeados por níveis anormalmente altos de radiação eletromagnética.

Periodicamente, os dispositivos criam um grande pico de radiação eletromagnética, resultando nos efeitos descritos no Documento 595-1. Embora esses picos sejam geralmente regulares em tempo, eles podem resultar em danos graves ao equipamento e aos funcionários ao redor, se as precauções de segurança não forem estritamente seguidas.

O navio está vinculado a relatórios de um experimento secreto da Marinha dos Estados Unidos, o “Projeto Filadélfia”, supostamente investigando princípios de teletransporte e possibilidades de camuflagem de embarcações ao dobrar a luz ao redor delas, tornando-as invisíveis ao olho nu. O fracasso do experimento resultou na morte de quase toda a tripulação. Como não foram capazes de contê-lo, a marinha americana concordou em ceder SCP-595 à Fundação para estudos mais aprofundados. Infelizmente, as informações sobre o experimento se tornaram públicas. Os esforços de acobertamento estão detalhados no adendo abaixo.

Documento #595-1: Os dispositivos ████████████ independentes de SCP-595 são conhecidos por causar picos variados nos níveis de radiação em intervalos regulares de aproximadamente três a quatro horas. Quando a Fundação adquiriu SCP-595 da Marinha Americana, pouco se sabia sobre os efeitos colaterais dos dispositivos, tendo a Marinha destruído quase toda a documentação relevante. Assim sendo, os testes começaram rapidamente, produzindo os seguintes resultados:

O principal efeito dos tremendos níveis de radiação eletromagnética de SCP-595 é que a embarcação pode existir em um de dois locais, variando aleatoriamente e exigindo duas equipes de pesquisadores para ser totalmente monitorada. Observou-se que o navio, em rajadas menores, parecia translúcido e, em alguns casos, quase completamente transparente a olho nu, embora permanecesse em sua doca atual.

Qualquer funcionário localizado dentro ou em um raio de ██ metros do navio enquanto ele estiver passando por uma explosão de radiação pode estar sujeito aos seguintes efeitos:

Os funcionários não localizados a bordo do navio, mas ainda dentro de sua área de efeito, exibem efeitos semelhantes aos do próprio SCP-595, às vezes reaparecendo no lugar, mas às vezes aparecendo em outra instalação segura. Houveram ocasiões em que esses funcionários desapareceram completamente e não reapareceram em nenhum setor controlado pela Fundação. Um incidente dessa natureza ocorrido em 19██ resultou na perda de ██ membros da Marinha dos Estados Unidos, levando ao atual acordo de contenção.

Pessoas em contato físico (no convés ou dentro) com SCP-595 estão sujeitas aos efeitos listados acima, mas com perigo acentuadamente aumentado. Essas propriedades foram descobertas quando o Agente █████████ ficou preso na nave, desapareceu de vista e, ao retornar, foi fundido à antepara que estava perto. As inspeções mostraram uma ligação molecular perfeita de tecido a metal, cortando de forma limpa toda a porção inferior do abdômen do agente que se projetava do lado oposto da antepara. Quando questionado, o agente relatou não sentir dor, mas foi incapaz de mover as extremidades inferiores e exibiu sinais de náusea extrema e estágios iniciais de envenenamento por radiação aguda. As tentativas de recuperar a porção sobrevivente do corpo do agente do navio resultaram em sua morte.

Durante o mesmo incidente, três funcionários da Classe D foram designados para limpar a sala de máquinas. A maior parte de D-12074 foi encontrado em um virabrequim, com as pernas fundidas ao teto a mais de um metro de distância. D-23574 foi fundido a uma placa do convés e suas extremidades inferiores nunca foram localizadas, nem D-75224, que simplesmente desapareceu. Outros casos mostraram funcionários moldados em portas de aço sólido enquanto ainda estavam conscientes ou, alternativamente, membros ausentes que foram incorporados à estrutura em outros locais da embarcação.

O procedimento operacional padrão exige a execução dessas vítimas, uma vez que todos os esforços para as separar do navio resultaram na morte dos afetados.

Adendo: No final da década de 1950, vários livros e relatos de testemunhas oculares surgiram na tentativa de trazer à tona o experimento fracassado da Marinha, complicando ainda mais os procedimentos de contenção. Graças aos esforços de agentes de campo bem posicionados, a Fundação conseguiu descredibilizar essas fontes, deixando o experimento como uma lenda urbana bem conhecida, mas “oficialmente desmascarada”. Todas as contas publicadas foram alteradas para indicar DE-173 (USS Eldridge) como sendo o ensaio para o experimento, desviando assim a atenção de SCP-595. Todos os registros anteriores do objeto foram adquiridos com sucesso ou destruídos pelo governo dos Estados Unidos.

Adendo: Todas as tentativas de desabilitar os dispositivos localizados em SCP-595 falharam, pois os procedimentos de desligamento documentados no manual ██-3A exigem mais do que as margens de tempo de segurança atribuídas. O uso de veículos remotos blindados eletromagneticamente está sendo cogitado.

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License