SCP-610-L3
avaliação: 0+x

A destruição causada pelo rápido colapso da tentativa de exploração do Sítio C durante SCP-610-L2 resultou em uma série de eventos inesperados no Sítio A. Assim que a estranha formação esférica no Sítio C foi queimada e destruída, os infectados com SCP-610 que habitavam o Sítio A foram registrados por drones aéreos sofrendo ataques e convulsões. Os infectados com SCP-610 imóveis rapidamente murcharam e morreram junto com todo o material de carne espalhado por objetos inanimados dentro da aldeia. Todos os infectados com SCP-610 móveis que conseguiram recuperar o equilíbrio seguiram em direção ao que parecia ter sido uma residência de classe alta e entraram no edifício. À medida que os infectados entravam nesta residência, sua fundação sofreu um colapso, revelando a presença de um buraco abaixo dela. O tamanho do buraco em relação à estrutura acima dele impossibilitava o colapso de todo um edifício, sugerindo que algo dentro do buraco aplicou força diretamente na estrutura com a intenção de puxá-la para dentro e expor o buraco.

O buraco revelado é aproximadamente grande o suficiente para acomodar três homens adultos de pé ombro a ombro. Fontes de luz aplicadas por drones remotos não conseguem penetrar mais de 4m de profundidade no buraco. Objetos que caem no buraco não produzem um som de impacto, sugerindo um fundo potencialmente a mais de 1000m de profundidade.

Pesquisa do exterior do buraco do Sítio A só pôde ser feita por duas horas.

Amostras da atmosfera no Sítio A indicavam uma morte completa de materiais relacionados a SCP-610. Todas as formas de vida infecciosas que não evacuaram para o buraco morreram acima do solo e rapidamente se tornaram cascas murchas. Explorações do Sítio A foram aprovadas e começaram imediatamente. No intervalo de 30 minutos, um total de três equipes de pesquisa, consistindo de dois a três funcionários de pesquisa e quatro a cinco escoltas armadas cada, foram enviadas e estabeleceram estações dentro dos restos da vila. Amostras de material falecido convertido e infectado com SCP-610 foram enviadas de volta ao QG do Perímetro para processamento e transporte. Uma equipe conseguiu recuperar uma pequena amostra de substância de tecido de SCP-610 ainda viva de um edifício e embalá-la para pesquisa. Na segunda hora de exploração do Sítio A, uma série de unidades de eco-reverberação foram montadas ao redor do buraco com a intenção de obter um mapa do buraco e possíveis túneis ramificados do mesmo.

No final desta segunda hora, antes que as unidades de eco pudessem ser ativadas, atividade sísmica começou a ocorrer dentro do Sítio A. Duas equipes das três originais estavam no local, a terceira a caminho de volta ao QG do Perímetro com amostras. A terceira equipe foi instruída a retornar ao QG do Perímetro quando a atividade sísmica começou, e lhe foi dito que ela não deveria retornar ao Sítio A para dar assistência.

Atividade sísmica no Sítio A atingiu o nível 2,3 na escala Richter antes de diminuir. Imediatamente após o evento sísmico, uma corrente de esporos de SCP-610 irrompeu do buraco e cobriu a área ao redor em uma extensão de 50m. Como a equipe no local estava em trajes de materiais perigosos de Nível A, a explosão de esporos foi surpreendente, mas não causou nenhuma infecção. Enquanto a erupção estava sendo relatada, ambas as equipes no Sítio A foram atacadas por formas de vida aéreas infectadas com SCP-610. Esses organismos foram capturados pelo equipamento de vídeo de drones remotos e mostravam estágios extremamente avançados de infecção; é impossível dizer do que elas sofreram mutação até chegar ao estado atual. Muitas das criaturas aviárias atacavam dividindo suas cabeças ao meio e prendendo-as contra membros da equipe de pesquisa, puxando-os para o ar e jogando-os no buraco quando possível. Essas aves infectadas mostraram-se vulneráveis ao fogo de armas pequenas. Durante a eliminação das aves, um total de dois funcionários de pesquisa foram perdidos para o buraco, e um foi ferido devido ao fogo cruzado. O funcionário ferido foi imediatamente abatido ao mostrar sinais de infecção devido ao rompimento de seu traje.

Antes que contato de vídeo e rádio fosse perdido com as equipes restantes dentro do Sítio A, um segundo evento sísmico começou a ocorrer entre 1 e 1,5 na escala Richter. A atenção foi direcionado ao buraco para se preparar para um segundo ataque. Uma segunda explosão de esporos irrompeu do buraco durante a atividade sísmica crescente. No ponto em que as escalas registraram uma força de 3 a 3,5, uma nova entidade SCP-610 não vista começou a emergir do buraco. A única filmagem capturada desta criatura mostra uma cabeça humana inchada aproximadamente vinte vezes maior do que o normal pressionando-se para fora do buraco sem nenhum corpo discernível. Contato de vídeo e rádio foi perdido assim que as forças sísmicas aumentaram para 7 na escala por dois segundos de duração e então cessaram abruptamente. Vigilância aérea adicional do buraco do Sítio A e da área mostram nenhuma atividade e nenhum traço das equipes de pesquisa ou das mesmas terem estado lá. Todos os funcionários e equipamento foram considerados perdidos.

Prossiga para o próximo documento, SCP-610-L4

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License