SCP-756
avaliação: 0+x

Item nº: SCP-756

Classe do Objeto: Euclídeo

Procedimentos Especiais de Contenção: A câmara de SCP-756 medindo 10mx10m deverá ter acesso exclusivo por uma eclusa de ar. Funcionários que entrarem devem estar paramentados com um traje espacial de EVA (e uma unidade de manobra tripulada se necessário) e certos de que não se aproximarão muito de qualquer um dos planetoides em órbita. Nenhuma luz deve ser acesa ou direcionada aos planetoides, e qualquer coisa que possa ser vagamente descrita como uma fonte de calor deve ser mantida o mais longe possível desses.

Desenvolvimentos na superfície de cada planeta devem ser examinados duas vezes ao dia por uma sonda com microscópio eletrônico e um [DADOS EXPURGADOS], embora as imagens gravadas devam ser reproduzidas em câmera lenta, a fim de lhes dar o mínimo de sentido

No caso de os habitantes do Planeta IV tentarem construir outra arma satélite (ver Relatório do Incidente SCP-756 A), os funcionários designados a removê-la devem estar cientes de que embora mísseis disparados da superfície do planetoide IV não possam penetrar trajes espaciais, capacetes ou viseiras padrão, as plataformas de armas quase certamente dispararão mais rapidamente do que um ser humano comum pode se mover.

Descrição: SCP-756 é um sistema solar em miniatura que consiste em um sol amarelo e seis planetas orbitantes, cada um com múltiplas luas e satélites. Esse sistema é restrito aos limites de uma única grande câmara, originalmente destinada a SCP-███. A câmara em si é desprovida de gravidade e atmosfera, um estado que se acredita ter sido causado pelo "nascimento" de SCP-756.

O sol desse sistema tem cerca de 68cm a 70cm de circunferência, e acredita-se que esteja nos estágios intermediários de sua existência com base em comparações com imagens arquivadas. Os planetas em órbita variam em circunferência de menos de 7cm a 28cm.

SCP-756 foi descoberto pela primeira vez no corpo do Pesquisador ████████ depois dele ter, inesperadamente, entrado em colapso durante uma pequena inspeção de cela em ██/██/████. Várias horas antes, o Sr. ████ estava se queixando de numerosos furúnculos doloridos nas costas. Após sua perda de consciência, um exame superficial mostrou que esses "furúnculos" eram, na verdade, minúsculos fragmentos de rocha projetando-se em sua carne.

Conquanto, uma ferida localizada posterior ao pescoço do Sr. ████ parecia estar emitindo calor intenso, provavelmente o motivo de seu colapso: de acordo com os instrumentos situados dentro da cela, a temperatura dessa ferida subiu de 70°C para mais de 550°C. Até então, todas as testemunhas tinham fugido da cela e fechado a eclusa de ar atrás deles, deixando a morte incendiária do Sr. ████ a ser gravada pela câmera de segurança.

Quando se averiguou que o calor que emergia da ferida no pescoço se estabilizara e não se projetava a mais de dois metros, o pessoal retornou à cela e descobriu que o interior era agora pouco mais que um vácuo contido no concreto armado.

O ferimento no pescoço tornou-se uma supernova, enquanto as pequenas protuberâncias rochosas começaram a formar planetas simples. Desde então, SCP-756 permaneceu sob observação, com ênfase particular na evolução da vida no sistema.

No entanto, foi observado que tanto os corpos astronômicos quanto as formas de vida que podem evoluir sobre esses experimentam uma aceleração do tempo em um ritmo vertiginoso: um ano após a formação de SCP-756, as superfícies vulcânicas de vários planetas deram lugar aos oceanos, um processo que normalmente levaria milhões de anos.

Alguns anos depois, pesquisadores observando o Planeta III notaram a formação e colapso de um império no período de dez horas; estima-se que esse intervalo de tempo meça ao menos um século em SCP-756.

Os próprios planetas, baseados nas pesquisas mais recentes, são:

  • Planeta I: vulcânico, e muito próximo ao sol para sediar vida.
  • Planeta II: em geral um terreno montanhoso, com uma vasta população de seres vivos, aparentemente, não sapientes.
  • Planeta III: formado por um extenso oceano majoritariamente pontilhado com ilhas de biomas variados, atualmente habitadas por uma espécie sapiente de répteis nômades que possuem uma religião baseada nas marés oceânicas e na inexplicável visão do rosto do Doutor █████████████████, visto através de um capacete, no céu noturno.
  • Planeta IV: essencialmente composto por [DADOS EXPURGADOS] intercalado apenas pelo que parecem ser silos de mísseis e instalações militares, muitas dessas supostamente cobrindo cidades subterrâneas.
  • Planeta V: densamente povoado, com muitos grandes assentamentos de terra construídos em torno de terrenos selvagens. Ao contrário do Planeta IV, os habitantes não conseguiram viajar no espaço e, como resultado, atualmente são pacíficos.
  • Planeta VI: igualmente habitável até os eventos de ██/██/████ (ver Relatório de Incidente SCP-756 A) e desde então seu estado tem sido revertido para terrenos sem vida.

Adendo: Qualquer funcionário pego colocando objetos que brilham no escuro, como estrelas, nas paredes da câmara será redesignado a papelada.

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License