Ser ou Noir Ser
avaliação: 0+x

Em algum momento na década de 1920, quase um século antes de existirem coisas como geradores de trama Markov ou construtos infraficcionais, um escritor quebrado no meio de L.A. de alguma forma descobriu o primeiro método conhecido de transporte entre várias camadas metaficionais. Nós ainda não temos certeza do que ele realmente fez com isso em primeiro lugar e para quase todas as intenções e propósitos ele se atirou em um espaço fictício e foi-se embora, mas basta dizer que uma vez que eles terminaram de limpar seu cadáver no lado de uma gráfica de Hollywood Boulevard, mais do que algumas pessoas se interessaram por seja lá qual foi o método de ascensão narrativa de que ele se tornou pioneiro não-intencionalmente.

Os garotos da Prometheus estavam interessados, porque é claro que estavam, e eles conseguiram destruir quase metade de seus manuscritos e o item que ele usou para entrar na metanarrativa. Dito isso, mesmo depois de terminarem, ainda havia o suficiente para dois grupos descobrirem como ele funcionava e construírem suas próprias cópias separadas da máquina em questão. Esses grupos sendo um coletivo solto de investigadores particulares e a Máfia.

A linha do tempo ainda é bastante confusa, simplesmente por causa de quanto ela pula entre várias camadas de ficção e realidade – dito isso, estabelecemos de forma bastante sólida de que o início de todo esse desastre é em 1953, quando os primeiros tiros foram disparados entre os dois grupos e você tem um investigador morto e um assassino da Máfia aparentemente desaparecendo repentinamente.

Alguns anos depois desse confronto específico, os outros membros do coletivo de investigadores desaparecem, um por um. Na época, ninguém tem certeza de como diabos o que aconteceu com eles e seus corpos nunca foram realmente encontrados: o que eles têm bastante certeza sobre são as mortes bastante viscerais de múltiplos membros da máfia. E então o resto deles desaparece e está tudo acabado muito lindamente, pouco antes de uma explosão no número de livros com batalhas entre detetives pesados e a Máfia.

Como eu disse, quase tudo depois daquele momento no tempo se dissolveu em um mar de ligações tênues e teorias ineficazes, mas o ponto principal é que agora temos uma série de detetives e criminosos procurados lutando por milhares (se não milhões) de livros e décadas de tradição literária.

Seu trabalho como membro dessa divisão em particular do Departamento de Analíticas será principalmente assistir a esses livros. Eles me dizem que as IAs são muito boas em filtrar tanto por gênero quanto por personagens, então você provavelmente não vai estar olhando por tantos caminhões de ficção original a cada dia que estiver no trabalho.

Quando você achar que tem uma pista, você preencherá um formulário, carregará ele lá em cima e, se o Comando achar que vale a pena investigar, alguns agentes como eu provavelmente serão enviados para entrevistar o autor, ver se ele apresenta ou não qualquer um dos sinais de foda metaficcional com alguns básicos termos-MID – Memória, Inspiração, Dicção. Se acontecer de sua denúncia estar correta, você logo se verá perseguindo outras pistas fictícias para garantir que tenhamos uma coleção abrangente dos movimentos deles e outras coisas.

Ok, você provavelmente está se perguntando por que estamos fazendo todo o esforço sobre isso, e eu explicarei.

Em uma luta metaficcional como essa, você não vai resolver a rivalidade por causa de um bom jantar em um restaurante italiano. Não, a única maneira de resolver esse tipo de disputa é com o bom e velho assassinato, mas isso fica bem complicado quando você está tentando matar um personagem fictício. Autores podem tirar plot twists da bunda para salvar qualquer personagem, especialmente aqueles tão amados quanto esses caras parecem ser, e se sua base de leitores sofrer, não importa – desde que eles estejam vivos e capazes de lutar do outro lado, eles não vão dar a mínima para os autores que eles têm de manipular para continuar assim.

Claramente, você não pode matar um personagem fictício na ficção. Então você tem que atraí-los para a realidade e então matá-los, antes de acabar com qualquer autor em potencial que queira trazê-los de volta. Nós recebemos relatos de autores que foram literalmente tomados como reféns e forçados a escrever as aventuras do camarada do sequestrador sob a mira de uma arma, e o bom e velho Kurt Vonnegut teve que ter um segurança secreto monitorando-o simplesmente por causa da possibilidade de infiltração metafísica de seu trabalho.

O que me traz a essa coisa bem aqui na mesa. Na última "reentrada" na realidade que esses caras fizeram, um hectare inteiro de terra foi nivelado nos primeiros quinze minutos de luta, e pelo menos metade disso foi graças a essa coisa aqui.

Lembre-se, quando você tem controle sobre o que pode entrar e sair da realidade, você não vai se importar em usar algo tão fraco como sua pistola normal. Esses caras já passaram por tantos gêneros e tantos livros que tiveram o bom senso de não usar nada nem perto do mundano.

Então, se você mantiver um bom controle sobre esses caras, podemos prendê-los e qualquer paratecnologia que eles tiverem no momento em que voltarem à realidade, e talvez você seja aquele que vai parar a próxima batalha de honesto-a-deus de canhão de plasma.

Sem pressão.

Salvo indicação em contrário, o conteúdo desta página é licenciado sob Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License